terça-feira, 11 de julho de 2017

É TEMPO DE URTIGA



É TEMPO DE URTIGA
Clerisvaldo B. Chagas, 12 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.692
 
O raizeiro examina uma das 45 espécies de urtiga. Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).
Aproveitando esse maravilhoso inverno sertanejo, é bom alertar para os que não conhecem a região e gostam de andar em trilhas a que nós chamamos veredas, varedas para os nossos roceiros. Nesta época, além de aparecer bastantes formigas pretas, surgem bandos de pequenos mosquitos de frutas e a mutuca que tem o triplo do tamanho de mosca comum. Esta costuma posar na pele provocando dor rápida e abusada. Não ataca em bandos. É individual e faz você exercitar a palma da mão tentando matá-la em qualquer parte descoberta do corpo. Os mosquitos trazem enfado e agonia, gastura, como se diz por aqui. Exigem seu deslocamento rápido do lugar. Quanto às formigas pretas, atacam ferozmente quando se coloca o pé no lugar errado.
No mato verde da caatinga, porém, o cuidado especial é com a urtiga, planta que se prolifera com facilidade e marca presença em todos os recantos. Suas folhas causam queimaduras, coceiras e agonia que levam horas para melhorar. Essas folhas são revestidas de pelos que contém ácido fórmico que produz vermelhidão e muita dor. Os coronéis costumavam punir seus desafetos com surras de urtiga, planta que se conhece desde os tempos de antes de Cristo. O leite de magnésia é recomendado para o caso de ser tocado pela planta.
Coincidindo com o tempo invernoso dos nossos sertões, recebemos como presente, o cordel sobre plantas da caatinga e suas curas, do cantor, compositor e raizeiro Ferreirinha. É um folheto de cordel longo que fala sobre outras coisas também em relação às plantas.
Mas a urtiga não é somente maldade para os passantes da caatinga. “Na medicina de ervas moderna, raiz de urtiga é usada para tratar a hipertrofia prostática benigna. Várias formas de raiz, incluindo cápsulas, extratos e chás, são tomadas para aliviar os sintomas urinários desta condição comum. Porém, novos ensaios clínicos são necessários antes que este uso possa ser amplamente recomendado e comprovado”.
Mas, independente dos conselhos médicos, raizeiros do Sertão não deixam de indicar os benefícios da urtiga, folhas ou raízes. E como já disse outras vezes, não existe um só pé de mato sertanejo que não sirva para remédio.
É a medicina popular em favor da saúde contra os altos preços das farmácias brasileiras.






Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/e-tempo-de-urtiga.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário