segunda-feira, 31 de julho de 2017

MEIO AMBIENTE

MEIO AMBIENTE
Clerisvaldo B. Chagas, 01 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.705

GATO-DO-MATO
Segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), existem mais de 1.000 espécies de animais em risco de extinção no Brasil. Entre eles estão a ararajuba, arara-azul, ariranha, baleia-franca-do-sul, cervo-do-pantanal, gato- maracajá, lobo-guará, macaco-aranha, mico-leão-dourado, muriqui-do-norte, onça-pintada, saíra-militar, sapo-folha, soldadinho-do-araripe, tamanduá-bandeira, tartaruga-de-couro, tartaruga-oliva, uacari-branco e o udu-de-coroa-azul.
Principais causas da extinção de espécies no Brasil: tráfico de animais, desmatamento, queimadas, construções de hidrelétricas, caça predatória e poluição.
Ararajuba nal e em sete estados mais a outra espécie do oeste da Bahia. Esta já foi motivo de várias reportagens na televisão. Ariranha ou lontra, encontrada no Pantanal e Amazônia. Ameaçada pela pesca predatória, caça ilegal e poluição de mercúrio pelos rios.  Baleia-franca-do-sul: sofre a caça, a pesca e a poluição no litoral brasileiro. Cervo-do-pantanal: Vive no Pantanal, Amazônia e Cerrado: Desmatamento, caça ilegal e construções de hidrelétricas estão na lista das ameaças. Gato-maracajá: Desmatamento e caça pela sua valiosa pele. Lobo-guará: em vários lugares do Brasil, ameaçado pelo desmatamento e a caça. Macaco-aranha ou macaco-aranha-de-cara-preta: Encontrado na Amazônia: enfrenta tudo como desmatamento, caça ilegal, tráfico, hidrelétrica, rodovias, linhas de transmissão e até a caça pelos índios.
ARARAJUBA
A história é a mesma para ou guaruba. Somente na Amazônia. Sofre com tráfego e desmatamento. Arara-azul, na Amazônia, Pantaos outros animais.
No sertão de Alagoas, Com o incentivo do governo para desmatamento nos anos 60, tudo se foi acabando. Os animais maiores foram os primeiros a desaparecer. Começou com a onça-pintada, depois a onça-parda ou suçuarana, tamanduá, ema, preguiça, veado, lobo-guará, macacos, inclusive o guariba. Desses maiores, esporadicamente, se encontram ainda: Raposa, gato-do-mato (em outras regiões, chamados jaguatiricas), saguim, tatu, peba, cassaco e teiú (tiú ou tejo).
Quanto aos pássaros, nem podemos calcular as dezenas desaparecidas em nosso território.
Continua uma luta desigual entre defensores e destruidores da Natureza.






Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/meio-ambiente.html

domingo, 30 de julho de 2017

O CARRO DE ZÉ LIMEIRA

O CARRO DE ZÉ LIMEIRA
Clerisvaldo B. Chagas, 31 julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.704

ALTO-FALANTE. Foto: (Paraíso).
Havia a ximbra, pinhão, ioiô, carrapeta, gangorra, nota de cigarro, bola e carro de pau. Todos esses brinquedos pareciam obedecer a um cronograma natural do tempo. Ninguém ordenava a brincadeira com isso ou com aquilo. Todas as formas lúdicas surgiam espontaneamente ocupando as ruas mais centrais e o Bairro São Pedro. Tempo de bola, de pinhão, de ximbra... Mas a época do carro de madeira dependia do fabrico. Quando eles surgiam eram rudes, sem freio e mal cabia o condutor para as descidas nos declives dos becos; e por isso mesmo eram chamados carros de ladeira.
As duas ladeiras mais famosas eram a do Seu Carrito e a do Fomento. A do Seu Carrito era mais curta e servia para os primeiros treinos dos carros desengonçados. Recebia esse nome porque o cidadão assim conhecido negociava com bodega na esquina. A segunda ladeira iniciava no edifício do Fomento Agrícola, no Bairro São Pedro e seguia até o rio Ipanema. Na verdade, já era a rodagem que por ali seguia até Olho d’Água das Flores. Ai de quem se arriscasse naquela ladeirona com o carro se freio!
Certo dia surgiu o carro de Zé Limeira, rapaz comprido, fabricante e vendedor de malas, filho da professora Adercina Limeira. O carro de pau era completo e sofisticado. Causava admiração a todos, inclusive, o dono levava suas malas para a feira na carroceria e ainda mais dirigindo. A meninada ou mesmo adultos empurravam o carro com Zé Limeira na direção. Sendo sofisticado e profissionalizado, ninguém podia com ele dá uma voltinha e nem vê-lo se exibindo a toda hora. Mas, de vez em quando Zé Limeira levava o bichão para a ladeira do Fomento quando se juntava a meninada. Aí sim, todos queriam apreciar aquele carro bonito a descer com velocidade, fazendo poeira até o Minuíno, trecho do rio Ipanema.
Depois surgiu carro semelhante de dois anões, irmãos, no Bairro Cachimbo Eterno, do outro lado do rio.
Da casa de Zé Limeira e imediações formou-se o time São Pedro, representando a terceira força do futebol santanense, logo após Ipanema e Ipiranga. Foi moda durante certo tempo. E por trás da casa, surgiu a sapataria do senhor Elias, cujos empregados sapateiros eram todos bons de bola e, fora os sapatos fabricados não se falava em outra coisa. Jogavam todas as tardes nas areias do rio perto do já extinto prédio da Perfuratriz. Posteriormente, a sapataria mudou-se definitivamente  para a Rua São Pedro. Defronte havia um poste com alto-falante que transmitia o programa “A Voz do Município”, com informações e músicas. Havia sido criado na gestão Hélio Cabral e tinha sede no primeiro andar da Cooperativa – CARSIL.
Foi uma comoção a notícia do falecimento precoce de Zé Limeira, filho da professora Adercina, colega e amiga da minha mãe Helena Braga.
São lembranças que afloram sobre o rico histórico da minha rua, entre elas o carro de Zé Limeira.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/o-carro-de-ze-limeira.html

quinta-feira, 27 de julho de 2017

LAMPIÃO, LUCENA E O CHAPÉU DE COURO

LAMPIÃO, LUCENA E O CHAPÉU DE COURO
Clerisvaldo B. Chagas, 28 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.703

Chapéu de couro de cangaceiro Foto: (divulgação).
Sendo hoje aniversário de morte de Lampião, lembramo-nos das palavras do combatente Eduardo, depois sargento: “Quando víamos de Maceió como membros do batalhão que fora criado em Santana do Ipanema, em 1936, tivemos que conter o ímpeto de Lucena. Ele pediu que ao passarmos de Palmeira dos Índios todo cabra encontrado com chapéu de couro à cabeça era para entrar no cacete. Mas fizemos ver a ele que a coisa não era bem assim. O trabalhador rural gosta bem de um chapéu de couro e se fosse pa
Interessante é que desde o início da década de vinte que Lucena combatia bandidos no sertão e ele próprio usava chapéu de couro e ra bater em todos os usuários, seria bater no sertão inteiro”. O major Lucena Maranhão aquiesceu.alpargatas. De onde teria vindo tanto furor assim contra o chapéu de couro, principalmente na época, usado pelo vaqueiro pegador de boi no mato e o tirador de leite das fazendas?
O próprio sargento Eduardo conta: “No cerco a Angicos era tão cedo que os cabras de Lampião ainda estavam tirando as ramelas dos zoi”. E o seu companheiro de farda Otacílio Bezerra – também combatente em Angicos – dizia: “Muitos cabras escaparam na neblina e na fumaça do tiroteio pronunciando para os soldados: ‘companheiro’, ‘companheiro’, tendo já colocados os longos cabelos dentro do chapéu de couro”.
A impressão de quem não conhece é de um chapéu muito quente para o verão. Mas assim como o chapéu de palha da palmeira Ouricuri, ele é leve e mantém uma temperatura agradável.
Os cangaceiros apenas criaram o estilo próprio do cangaço, usando o mesmo chapéu de couro de abas longas dobrando-o e enfeitando abas, barbicachos e testeiras em couro desenhado, coloridos e metais. Havia muitos artesãos do couro no semiárido, inclusive cangaceiros e o próprio Lampião.
E se por um lado o chapéu de couro identificava o vaqueiro pegador de boi no mato e o tirador de leite, o chapéu de palha marcava o homem do eito, trabalhador da enxada e do machado.
O chapéu de massa era usado pelos das classes média e alta.
Como os veados foram extintos – preferência de luxo para chapéus e alpargatas macias – ficaram os bodes que permitem couro flexível para todos os modelos de chapéu.
Meu compadre, já viu sertão nordestino sem chapéu de couro!














Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/lampiao-lucena-e-o-chapeu-de-couro.html

quarta-feira, 26 de julho de 2017

ACHAMOS QUE VOCÊ QUER SABER

ACHAMOS QUE VOCÊ QUER SABER
Clerisvaldo B. Chagas, 27 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.702
 
ESTÉVIA. Foto (Wikipédia).
Geralmente quando as pessoas são aconselhadas pelo médico a trocar o açúcar pelo adoçante, existe uma enrolação. Muitos deles mastigam o assunto que não sai nada, entra numa perna de pinto e sai numa perna de pato. O cliente deixa o consultório sem nenhuma segurança na informação fajuta.  Portanto, uma explicação convincente é tão rara que resolvemos reproduzir alguns trechos da nutricionista islayne Nogueira, do site Tribuna Hoje, edição de ontem. A citada profissional diz quais são os tipos de adoçantes do mercado: “Assim como o açúcar o adoçante possui classificações. Eles são definidos por artificiais, que são ciclamatos de sódio, sacarina sódica, acessulfame, sucralose e aspartame; e os naturais: estévia (glicosídeos de esteviol), xilitol, maltitol e sorbitol”.
Veja a recomendação: “Os adoçantes artificiais devem ser totalmente evitados, porque são constituídos por substâncias que ‘enganam’ o cérebro gerando uma determinada compulsão alimentar, e também possuem um efeito tóxico e cumulativo ao organismo”
Veja ainda: “(...) Os naturais são os únicos recomendáveis, pois conferem sabor doce sem causar uma resposta glicêmica relevante”.
Olhe o adoçante indicado:
“Para a utilização de adoçante em receitas, se houver necessidade pode utilizar o adoçante em receitas no geral. Mas, o único adoçante recomendado para esse fim é o estévia, não haverá nenhuma alteração na sua composição pela mudança de temperatura”.
A nutricionista fala que existem algumas recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes, onde a quantidade recomendada é calculada através do peso do indivíduo. “Porém, o ideal é sempre utilizá-lo em pouca quantidade ao longo do dia”.
Stevia é um pequeno arbusto perene nativo do Brasil e do Paraguai. É mais doce do que o açúcar doméstico, aproximadamente 10-15 vezes. Na sua forma mais comum de pó branco extraído das folhas da planta, chega a ser de 70 a 400 vezes mais doce que o adoçante natural.
Esperamos que essas importantíssimas informações tenham sido útil para a sua saúde e a dos seus familiares.
 
 














Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/achamos-que-voce-quer-saber.html

terça-feira, 25 de julho de 2017

SANTANA: O CASO BARRAGEM

SANTANA: O CASO BARRAGEM
Clerisvaldo B. Chagas, 26 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.701

Leito seco do rio Ipanema. Foto (Clerisvaldo B. Chagas).
Já mostramos aqui a importância da açudagem para o semiárido. Foi no início da segunda metade do século passado quando o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – DNOCS construiu a chamada Barragem de Santana do Ipanema, Alagoas. O Departamento aproveitou a construção da rodagem que levaria o nome de BR-316 e ali na periferia da cidade deixou uma ponte – ainda hoje utilizada. Atualmente a ponte não oferece segurança para pedestres, possui duas passarelas em relevo que não passam de 60 centímetros cada e balaústres até o quadril do transeunte. Os veículos sopram as pessoas que podem cair no vazio em ambos os lados. Sob a ponte, sete bocas altas garantiam o espelho d’água formado com mais ou menos 01 km de comprimento. Não era titã, mas dava gosta de se vê. Essa barragem iria ajudar no abastecimento d’água da cidade. Com a chegado da água encanada em Santana em torno de 20 anos depois, o abandono tomou conta do açude.
Hoje a barragem nada mais sustenta, acha-se assoreada. A partir da sua construção formou-se o Bairro Barragem que se expandiu e deu origem a outro bairro por trás chamado Clima Bom. A pobreza impera em ambos.
Apesar de um amigo nosso está sempre reclamando das barragens de Pernambuco no leito do rio Ipanema, fica aqui a nossa defesa em favor dos pernambucanos. O tempo enorme com falta de cheias no Ipanema alagoano, foi devido as mudanças climáticas e não  em decorrência  dos reservatórios do estado do norte. A prova está aí, o rio Ipanema com muita água no lado de Alagoas.  Por outro lado, fomos nós santanenses que desprezamos a barragem feita pelo DNOCS, permitindo que a mesma chegasse ao ponto em que ora se encontra. Reclamar de quê? Assim está desprezado também o Açude do Bode construído pelo mesmo Departamento e com as mesmas finalidades, no lado oposto periférico.
A priori, O trecho do rio Ipanema que vai da Barragem à “ponte dos canos”, trecho urbano, recebe das casas marginais imediatas, todos os dejetos, pois elas despejam diretamente no rio. Na Ponte Padre Bulhões o rio Ipanema completa essa carga nojenta com os outros dejetos das casas que margeiam o riacho Camoxinga que também não possuem banheiro.
  As sucessivas gestões municipais nunca fizeram um projeto para construções de fossas nas casas da pobreza para despoluir o rio Ipanema. E ainda dizem como deboche: EU AMO SANTANA.
Sem essas providências ou as da CASAL que não consegue sanear a cidade, não tem AGRIPA, nem IMA, nem IBAMA do diabo que dê jeito no trecho urbano do rio Ipanema.











Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/santana-o-caso-barragem.html

segunda-feira, 24 de julho de 2017

1.700 CRÔNICAS

1.700 CRÔNICAS

Clerisvaldo B. Chagas, 25 de julho de 2017

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica 1.700

 

Autor estilizado em computador. Foto: (Clerisvaldo).

Na passarela do tempo elas desfilaram com seus tipos classificatórios: Crônica descritiva, narrativa, dissertativa, narrativo-descritiva, humorística, lírica, poética, jornalística e histórica. Termo originário do latim: “Chronica” e do grego “Khrónos” (tempo), nesses mais diferentes tipos elas se apresentam no blog clerisvaldobchagas.blogspot.com, no site Santana Oxente, no blogdomendesemendes.blospot,com.br/ e no site alagoasnanet.com.br das segundas às sextas. Essa narração curta produzida para ser veiculada pelos diversos meios de comunicação situa-se entre o jornalismo e a literatura com linguagem simples entre a oral e a literária. Geralmente expõe o dia a dia registrado pela ótica do autor, um poeta da narrativa. No início do Cristianismo era um registro cronológico dos acontecimentos. No século XIX a crônica passou a fazer parte dos jornais, iniciando na França. Tempos depois tomou características próprias no Brasil.

Escolhemos a crônica lá atrás para matar o ócio entre a publicação de um romance e outro. O romance é complexo cheio de fantasias, frases de efeitos, linguagem e observações espetaculares. A parte mais nobre da literatura. Sair dessa rotina para a narrativa curta e diária, trazendo o colorido imaginativo para a realidade, também não é fácil. Aqui se exige linguagem clara e simples “para os que não têm tempo a perder com leitura de mais de cinco linhas”.   De qualquer maneira, as crônicas vão sobrevivendo e chegando a este número do título, desde que iniciaram na Rádio Correio do Sertão na voz do radialista Edilson Costa em “A Crônica do Meio-dia”. (Duzentos trabalhos).

Em outros tempos por certo as 1.700 crônicas divulgadas pela Internet, seriam motivo para uma excelente taça de vinho tinto. Mas a comemoração deveria ser entre os colaboradores Valter, Lucas e Mendes, articuladores dos sites acima. O aconchego do Bar Zé de Pedro ou o do João do Lixo, em Santana do Ipanema, seriam o ideal. Aqui de Maceió, resolvendo coisas e coisas, enviamos o nosso abraço e apreço aos nossos colaboradores. Quem sabe se na milésima crônica, se Deus quiser, não realizaremos essa proposta! Nunca ouvi dizer que comemoração fizesse mal a ninguém.

Avante para a 1.701.

 

 

 

 

 

 




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/1700-cronicas.html

domingo, 23 de julho de 2017

A PRAÇA É NOSSA

A PRAÇA É NOSSA 
Clerisvaldo B. Chagas, 24 de julho de 2017 
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano 
Crônica 1.699 

Estátua a Deodoro. Foto (Minube.com).
      Até certo tempo atrás, praça pertencia ao povo. No interior, principalmente, os logradouros vivem situações diferenciadas e corriqueiras: abandono, loteamento para os compadres pelo poder municipal ou – em mínima escala – tratamento respeitoso como deve ser. Cremos que todas as pessoas que têm mais de trinta anos, devem se recordar de alguma pracinha da sua adolescência. No momento estamos na Praça Deodoro, Centro de Maceió, que nos faz recordar os tempos de estudante na capital. Muitas reformas foram feitas através das inúmeras gestões do município. Quantas e quantas histórias estão ainda em torno desse lugar: de construções, de viajantes, malandros, namorados, mendigos e ambulantes, por exemplo. A estátua ao Marechal titular da praça, ainda permanece ali, como o monumento mais pujante e belo de Maceió. 
     Além de Proclamador da República e primeiro presidente do Brasil, Deodoro foi herói da Guerra do Paraguai, participante de várias batalhas como “Estero Bellaco”, “Curupaity-Itororó”, “Passo da Pátria” e “Angustura-Tuyuty”. Planejada pelo pintor Rosalvo Ribeiro foi a praça inaugurada em 03 de maio de 1910. A estátua feita de bronze havia sido encomendada pelo então governador de Alagoas Euclides Malta autorizado por uma lei (527) de 13 de julho de 1908. Com o Teatro Deodoro ao fundo e outros edifícios importantes em torno, a Praça vai cumprindo o seu papel tão importante para a liberdade de um povo. 
     Não mais estão aqui, mas parece que sentimos o aroma do Café Afa na esquina ou o sabor do picolé da Gut-Gut, defronte ao centro da praça. Engraxates, bancas de jornal, rapazes com olhos compridos para as estudantes, boêmios de sapatos bicolores, senhoras de sombrinhas esperando ônibus, policiais girando a pé nos desenhos da calçada... É a memória dos anos setenta. 
 
 Os pormenores do monumento ao marechal podem ser encontrados em livros. E os detalhes realistas da estátua são de fazer inveja a qualquer um dos grandes artesãos do Brasil. Esses pormenores são apreciados por olhos inquiridores sedentos de mistérios particulares da Arte. Para as pessoas comuns, basta dizer apenas “que a praça é nossa”.
Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/a-praca-e-nossa.html

quinta-feira, 20 de julho de 2017

OUVIDOS DE GELO

OUVIDOS DE GELO
Clerisvaldo B. Chaga, 21 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.698
Iceberg. Foto: (Curiosos no Mundo).

Não nos parece nenhuma vitória para o planeta em geral, mas para a comunidade científica representa grande passo à frente. O monitoramento do iceberg que se rompe na Antártida mostra o fantástico dos avanços tecnológicos e as apurações dos estudos especializados. O fenômeno de desprendimento de blocos de gelo é natural, mas devido ao volume calculado deste que se anuncia preocupa e compromete as ações humanas de aquecimento provocado. Icebergs são feitos de água doce congelada e que se desprendem das geleiras polares. Flutuam à deriva pelos mares até o derretimento ou evaporação que dependem de uma série de fatores.
As geleiras se formaram na Era Glacial e são estudadas atualmente com grande intensidade dependendo do interesse de cada país. O degelo descompassado e em grande quantidade pode afetar os continentes elevando o nível das águas dos oceanos. Isso preocupa territórios que estão à beira mar, principalmente, os que possuem terras muito baixas e outros que são ilhas. Existem países grandes banhados pelos oceanos, mas não deixam de ter suas faixas costeiras na mira dessas recentes ameaças. Os icebergs também variam de tamanho desde um carro até 150 metros de altura e centenas de quilômetros de comprimento.
Dizem que um dos maiores já registrados foi o iceberg B-15 que se desgarrou da costa da Antártida em março de 2000. Tinha 11 mil km2 e era maior do que a Jamaica.
Com tantas notícias políticas no mundo, situações como as dos icebergs parecem indiferentes aos humanos. Parte do território brasileiro já foi mar, especialmente do Nordeste. No caso de elevação das águas oceânicas, as autoridades brasileiras já sabem os pontos da costa mais sensíveis ao possível fenômeno. No momento estamos apenas louvando os avanços das ciências sobre a Natureza que muitos cegos rejeitam em nome de mesquinha política financeira.

No Brasil o iceberg maior está nos ouvidos doentes dos engravatados de Brasília e de um louco traidor, tirano que não larga o poder diante dos gritos do povo.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/ouvidos-de-gelo.html

quarta-feira, 19 de julho de 2017

AÇUDES ARRETADOS


AÇUDES ARRETADOS

Clerisvaldo B, Chagas, 20 de julho de 2017

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica 1.997
Açude de Jaramataia. Foto: (Divulgação).
      Desde os tempos de D. Pedro II que os açudes começam a aparecer no semiárido entre realidade e ilusão no combate à seca.      Lembramo-nos de uma visita de três dias à fazenda Pai Mané do, então, proprietário Seu Zezinho, onde está localizado o poderoso açude de meia légua. Um mundo d’agua muito difícil de prever o esvaziamento completo. E foi o próprio fazendeiro quem redigiu carta ao presidente Getúlio Dorneles Vargas, reivindnar mais de 19 milhões de metros cúbicos de água, considerada salobra. Foi a partir do riacho Sertão, afluente do rio Traipu que foi possível à construção do gigante. Mesmo o líquido sendo pesado para os humanos, ajuda na criação de gado bovino, na irrigação e na criação de peixe, originando uma colônia de pescadores denominada São Pedro Z-29. A pescaria é fonte de renda para cerca de 300 famílias da cidade de poucos habitantes. 
     Da praça central de Jaramataia é possível vê a imponêicando o açude. Mas, a barragem só foi construída em 1964, para atender o município de Dois Riachos e região. Em nossa ida àquelas terras, não havia ainda o povoado que ora se representa como o maior do município.
     Em 1967, porém, o DNOCS – Departamento Nacional de Obras Contra as Secas – concluía o açude de Jaramataia, o maior dos 22 escavados pelo órgão no estado de Alagoas. O citado açude tem capacidade para armazencia do açude que se estende até o povoado São Pedro II. É ali onde estão construídos os sangradouros e o grandioso paredão de pedras que faz represar os milhões de litros d’água.

Com a seca prolongada de tantos anos e que agora acabou, a cidade e o próprio município receberam um abalo imenso de seca, fome e desespero. O famigerado açude de Jaramataia chegou quase a zero numa incrível verdade de muitas dores.
Com tantas chuvas de junho para cá, esperam-se as recuperações dos açudes construídos graças a engenheiros e cassacos do DNOCS que já fez tanto pelo povo sertanejo nordestino.
A respeitabilidade do Departamento é merecida e reconhecida, sobretudo, pelas garantias dos tempos em que os homens tinham vergonha.














Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/acudes-arretados.html

terça-feira, 18 de julho de 2017

OS OLHOS DOS GOVERNOS

OS OLHOS DOS GOVERNOS
Clerisvaldo B. Chagas, 19 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.696

Plantação de eucalipto. Foto: (Agência Alagoas).
Não existe história de Alagoas sem a cana-de-açúcar que caracterizou os primeiros movimentos agrícolas no estado. E com os engenhos iniciais e a expansão da lavoura canavieira, misturam-se as narrativas escravagistas, nódoa não retirável dos nossos acervos. Modernizando-se o engenho, usina toma conta como nova denominação no fabrico do açúcar. Passa o senhor-de-engenho a chamar-se usineiro, mas permanecem as extensas propriedades produtoras de cana deixando Alagoas como produtor destaque. Todavia, é sabido que a monocultura não é coisa de muita garantia, uma vez que sempre houve altos e baixos na balança mundial quebrando seus produtores. Os exemplos estão aí por todas as partes com o café, o açúcar e a borracha no Brasil.
A choradeira no campo dos canaviais não é de hoje chegando até a provocar a titulada Guerra dos Mascates.
Visando a diversificação da cultura canavieira, vamos apreciando e apontando novas paisagens nos tabuleiros com o plantio do eucalipto que a exemplo da própria cana-de-açúcar, vai aos poucos se expandindo em outro cenário.
Registramos inúmeras pessoas à margem da pista colhendo feijão-de-corda de enorme área que antes pertencia à cana. Esse feijão aparece sendo vendido no comércio de Maceió, onde muitas vargens são debulhadas na hora da venda.
Pelo que estamos entendendo, porém, a grande aposta para o futuro agrícola dos tabuleiros, além do eucalipto, é a produção de milho e soja. E até existe um modo de pensar que se toda a produção de cana fosse substituída por feijão comum e milho, talvez os preços estivessem sempre ao alcance da pobreza pelo volume produzido anualmente. Mas logo outro raciocínio se contrapõe. Sendo o maior abastecedor de alimentos do mundo, todos esses grãos iriam ser exportados e nós permaneceríamos como antes.
Seja como for, enquanto são investidos milhões pelo governo e particulares na produção de milho e soja na Zona da Mata, continuamos sem o algodão que erguia o sertanejo nos antigos meses de setembro.
Fecharam todas as algodoeiras e nos deixaram apenas às terras exauridas que não produzem mais nada. Nem mandacaru.








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/os-olhos-dos-governos_18.html

OS OLHOS DOS GOVERNOS

OS OLHOS DOS GOVERNOS
Clerisvaldo B. Chagas, 19 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.696

Plantação de eucalipto. Foto (Agência Alagoas).
Não existe história de Alagoas sem a cana-de-açúcar que csa o senhor-de-engenho a chamar-se usineiro, mas permanecem as extensas propriedades produtoaracterizou os primeiros movimentos agrícolas no estado. E com os engenhos iniciais e a expansão da lavoura canavieira, misturam-se as narrativas escravagistas, nódoa não retirável dos nossos acervos. Modernizando-se o engenho, usina toma conta como nova denominação no fabrico do açúcar. Pasras de cana deixando Alagoas como produtor destaque. Todavia, é sabido que a monocultura não é coisa de muita garantia, uma vez que sempre houve altos e baixos na balança mundial quebrando seus produtores. Os exemplos estão aí por todas as partes com o café, o açúcar e a borracha no Brasil.
A choradeira no campo dos canaviais não é de hoje chegando até a provocar a titulada Guerra dos Mascates.
Visando a diversificação da cultura canavieira, vamos apreciando e apontando novas paisagens nos tabuleiros com o plantio do eucalipto que a exemplo da própria cana-de-açúcar, vai aos poucos se expandindo em outro cenário.
Registramos inúmeras pessoas à margem da pista colhendo feijão-de-corda de enorme área que antes pertencia à cana. Esse feijão aparece sendo vendido no comércio de Maceió, onde muitas vargens são debulhadas na hora da venda.
Pelo que estamos entendendo, porém, a grande aposta para o futuro agrícola dos tabuleiros, além do eucalipto, é a produção de milho e soja. E até existe um modo de pensar que se toda a produção de cana fosse substituída por feijão comum e milho, talvez os preços estivessem sempre ao alcance da pobreza pelo volume produzido anualmente. Mas logo outro raciocínio se contrapõe. Sendo o maior abastecedor de alimentos do mundo, todos esses grãos iriam ser exportados e nós permaneceríamos como antes.
Seja como for, enquanto são investidos milhões pelo governo e particulares na produção de milho e soja na Zona da Mata, continuamos sem o algodão que erguia o sertanejo nos antigos meses de setembro.
Fecharam todas as algodoeiras e nos deixaram apenas às terras exauridas que não produzem mais nada. Nem mandacaru.








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/os-olhos-dos-governos.html

segunda-feira, 17 de julho de 2017

ASFALTO NA ESTRADA DE LAMPIÃO

ASFALTO NA ESTRADA DE LAMPIÃO
Clerisvaldo B. Chagas, 18 de julho de 2017
Escritor Símbolo de Santana do Ipanema
Crônica 1.695

Foto: (Agência Alagoas).
O bom é vê de perto para contar de certo, como falam os nossos sertanejos. Mas, uma estrada que aguarda asfalto a mais de quarenta anos, não se pode acreditar de primeira na realização. Entretanto, chegam notícias através de motoristas que as obras asfálticas povoado Carié (Alagoas) – Inajá (Pernambuco) já foram iniciadas. E só se acredita nessas coisas quando os próprios motoristas relatam porque jornais, políticos e conversas moles, já falaram nessa fase dos mais de quarenta anos. Dizem os condutores também que as obras estão paradas por causa das chuvas. Todos já conhecem as estratégias políticas: iniciar de qualquer maneira mesmo que seja tempo de inverno, depois para-se o trabalho para novo fôlego. Mas, quem esperou precisamente 54 anos pelo “negrinho”, alguns dias a mais ou a menos não irão quebrar as esperanças de gerações. E se o então presidente Collor com esposa de Canapi, não realizou o benefício, perdeu essa glória para outros políticos do mesmo balaio.
A estrada de barro que liga o município de Canapi ao de Inajá, muito serviu ao bandido cangaceiro Lampião como uma das portas de entrada de Pernambuco para o Médio Sertão de Alagoas. É uma região chamada outrora de Raso de Caatinga muito além do que a vista alcançava, tendo como referências os rios Canapi, Capiá e o morro do Carié que se sobressai em toda área daquele tipo de vegetação.
A maior vantagem será para o município de Canapi que irá integrar-se aos demais municípios alagoanos e de Pernambuco através do novo benefício. A produção de grãos, leite e queijos poderá ser escoada com rapidez e a região espera receber bons empreendimentos principalmente na agropecuária. Abre-se uma opção para se chegar ao estado vizinho através desse trecho de BR.
A penúltima vez que estivemos em Mata Grande, foi por essa estrada de Lampião, bonita nas planuras com a cidade de Canapi e bela ao subir no entroncamento para Mata Grande. Mas o tempo de chuvas transforma essas belezas em sacrifícios não tendo veículo que aguente.

Mesmo após meio século, parabéns aos sertanejos daquela região.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/asfalto-na-estrada-de-lampiao.html

domingo, 16 de julho de 2017

ONDE ESTÃO OS CINEMAS?

ONDE ESTÃO OS CINEMAS?
Clerisvaldo B. Chagas, 17 de julho de 2017
Escritor Símbolo de Santana do Ipanema
Crônica 1.694

Foto: (Tribuna do Ceará).
Estamos no mês de julho que celebra festejos à Senhora Santa Ana no mundo inteiro. No Sertão alagoano se inicia a maior festa religiosa do interior que incorporou à sua abertura um desfile de carros de boi. Ano passado – segundo informações de quem viu de perto – havia 1.500 carros puxados a boi, cuja santa seguia no veículo da frente. Esse desfile que se repete em 2017, está com ares de se firmar na tradição. O Parque Izaías Vieira Rego, a três quilômetros da sede, abriga a concentração dos carreiros para o início do desfile. Fica bem perto do riacho João Gomes, afluente do rio Ipanema, lugar de origem do escritor Oscar Silva. Guiados por batedores da Polícia Rodoviária, os carreiros vencem os três quilômetros do asfalto Olho d’Água das Flores – Santana do Ipanema, e ficam no espaço da cidade denominado Ponte do Urubu. Ali é celebrada a missa campal com aspectos diferenciados.
As nove noites de festa acontecem na Matriz de Senhora Santana, fundada em 1787, pelo padre Francisco Correia e o fazendeiro Martinho Rodrigues Gaia. Após a celebração da missa, rolam as atividades profanas com o comércio de vários produtos, jogos de azar, parque de diversões e forrós nas ruas de periferia da festa. A família santanense, espalhada pelo território nacional, aproveita para voltar a terra, rever parentes, amigos e cair nas diversões ofertadas.  E se faltam àquelas gravações do parque oferecidas pelos namorados, também faz falta o cinema Glória da Rua Coronel Lucena.
Após a fase dos cinemas que se extinguiram com a diversão no lar, fruto da televisão casa vez mais aperfeiçoada, ficamos somente com as saudades da tela grande e os namoros quase inocentes do escurinho. E nesses tempos de festa da padroeira, nem as procissões passam mais à frente da casa comercial que ficou no lugar do cine Glória. Algumas poucas cidades do Brasil preservaram essas casas de diversões na íntegra. São motivos de atrações turísticas, visitas de estudantes, trabalhos escolares como forma de preservar a história municipal. No caso de Santana do Ipanema somente ficaram os edifícios para os saudosistas. A história, resumida apenas em livros e crônicas entrecortadas.

Ainda resta a pipoca, não à porta dos antigos prédios, mas dá para fazer em casa imitando o cinema com a televisão.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/onde-estao-os-cinemas.html

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O REGIONALISMO SIBITE
Clerisvaldo B. Chagas, 14 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.694

SIBITE. (Paulo Dias).
Sempre procuramos encaixar nossas palavras, termos, frases sertanejas nordestinas em nossos escritos. Propositadamente. Sertanejo não diz umbu, fala imbu. Não pronuncia lajedo e sim lajeiro e assim por diante. Muitos cabras bestas do sertão depois que usam a primeira gravata ficam até negando as origens e falando “heresias”. E para aqueles que negam e renegam suas raízes, nunca a eles dei o valor de uma cuia furada. Mas deixemos isso para lá porque a conduta de cada um vai sendo olhada, censurada, julgada ou aplaudida. E dentro das origens ouvia na minha região – quando a criança crescida perturbava, se exibia – do mais velho perdendo a paciência Deixe de ser sibite, menino!”.
Percorrendo ontem a estrada sertão de Alagoas – Maceió, pela BR-316, íamos apreciando as paisagens sertão, agreste, mata e litoral como se fossem uma só. Um paraíso na Terra como fala certos trechos religiosos e diligentes com as coisas benfazejas da Natureza. E julho que virou junho proporcionava uma viagem tipo turística: açudes, barragens, barreiros... Superfícies lisas e brilhantes tais espelhos grandiosos. Chuvas alternando entre fracas e fortes aguavam o trecho já encharcado dos sítios rendilhando o visual das serranias. O Ipanema, o Gravatá, Dois Riachos, Traipu, estão murmurando, cheios danados, levando os alimentos da terra para o mar. E o carro rodando, rodando, rodando pelo pretume do asfalto onde outrora era somente lama ou poeira.
Em Maceió, capital surgida lá pelos cinco horas da tarde, somos recebidos pelo canto fino, repetitivo e ligeiro de alguns pássaros. Digo que sempre fiquei curioso para saber o nome da ave que invariavelmente aparece acompanhada por outras à tardinha no lugar onde me hospedo. São dois tipos de pássaros, mas o outro é o nosso bem-te-vi sertanejo existente também pelas grotas verdes de Maceió. E depois de mais de ano querendo saber, o cidadão ao lado diz: “Esse pássaro é bem pequeno e aqui é chamado de Sibite. Muita gente cria o Sibite que é danadinho de cantador”. Admirei-me por duas coisas: o sibite dos mais velhos no meu sertão, onde nuca havia ouvido falar em passarinho com esse nome. E olhe que eu conheço denominações a granel. E a outra foi em pensar como é que pode uma pessoa gostar desse tipo de canto do Sibite, a ponto de retirá-lo da Natureza e jogá-lo na gaiola.

Sei não. Mas todos têm razão e é melhor respeitar tanto o mais quieto ao mais sibite.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/o-regionalismo-sibite-clerisvaldo-b.html

quarta-feira, 12 de julho de 2017

LANÇAMENTO DE LIVRO



LANÇAMENTO DE LIVRO
Clerisvaldo B. Chagas, 13 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica 1.692

Logo após os festejos de julho, Festa da Juventude e festa em homenagem à Padroeira de Santana do Ipanema, Senhora Santana, o mês de agosto reserva grande surpresa para os santanenses. Será lançado nos salões da Associação Atlética Banco do Brasil ─ AABB, o livro intitulado “230” de Clerisvaldo B. Chagas. O livro é uma homenagem aos 230 anos da fundação de Santana do Ipanema (1787-2017). O “230” conta a história iconográfica de Santana através dos seus edifícios, lugares e situações. O livro/enciclopédia é dividido em duas partes: Seção Normal e Seção Nostalgia. A Seção Normal contém 131 fotos do autor, baseadas em 2013. A Seção Nostalgia apresenta-se com 83 fotos antigas como foram encontradas em mãos de terceiros, sem nenhuma maquiagem. Todas as fotos possuem legendas indicativas, datas, e datas de captura.
Santana já ganhou a sua identidade com o “O Boi, a Bota e a Batina; História Completa de Santana do Ipanema”, que concorre em concurso estadual para sua publicação. É o maior documentário sobre Santana jamais produzido no município. Santana já ganhou o seu CPF com o livro “Ipanema, um rio macho”, num documentário único e completo sobre o rio que dá nome à cidade. Agora Santana vai ganhar o histórico dos seus prédios de tanta importância como vila e como cidade, cujas demolições originais se sucedem sem nenhum critério. Assim o livro/enciclopédia “230” será o DNA de Santana do Ipanema. Todos os livros acima são do autor Clerisvaldo B. Chagas que assim quer encerrar a longa série de documentários para dedicar-se aos seus romances. Livros inéditos: Romances do ciclo do cangaço: Deuses de Mandacaru, Fazenda Lajeado, Papo-Amarelo (mais recente) Maria Bonita, a Deusa das Caatingas (documentário), Colibris do Camoxinga (poesia), Barra do Ipanema, Um Povoado Alagoano (documentário), Repensando a Geografia de Alagoas (didático) e em formação: 100 milagres inéditos do Padre Cícero.
O livro “230” será lançado no dia 12 de agosto (sábado) véspera do Dia dos Pais. Será apresentado por mais dois escritores alagoanos com musical de dois artistas compositores e cantores. Uma noite bem sertaneja.
O lançamento será para cem pessoas, um círculo que formou parceria para possibilitar a obra. Os interessados em adquirir o “230”, poderá se inscrever sobre certas condições, com Marcello Fausto, na Escola Helena Braga, que está assessorando o autor nesta empreitada.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/lancamento-de-livro.html

terça-feira, 11 de julho de 2017

É TEMPO DE URTIGA



É TEMPO DE URTIGA
Clerisvaldo B. Chagas, 12 de julho de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.692
 
O raizeiro examina uma das 45 espécies de urtiga. Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).
Aproveitando esse maravilhoso inverno sertanejo, é bom alertar para os que não conhecem a região e gostam de andar em trilhas a que nós chamamos veredas, varedas para os nossos roceiros. Nesta época, além de aparecer bastantes formigas pretas, surgem bandos de pequenos mosquitos de frutas e a mutuca que tem o triplo do tamanho de mosca comum. Esta costuma posar na pele provocando dor rápida e abusada. Não ataca em bandos. É individual e faz você exercitar a palma da mão tentando matá-la em qualquer parte descoberta do corpo. Os mosquitos trazem enfado e agonia, gastura, como se diz por aqui. Exigem seu deslocamento rápido do lugar. Quanto às formigas pretas, atacam ferozmente quando se coloca o pé no lugar errado.
No mato verde da caatinga, porém, o cuidado especial é com a urtiga, planta que se prolifera com facilidade e marca presença em todos os recantos. Suas folhas causam queimaduras, coceiras e agonia que levam horas para melhorar. Essas folhas são revestidas de pelos que contém ácido fórmico que produz vermelhidão e muita dor. Os coronéis costumavam punir seus desafetos com surras de urtiga, planta que se conhece desde os tempos de antes de Cristo. O leite de magnésia é recomendado para o caso de ser tocado pela planta.
Coincidindo com o tempo invernoso dos nossos sertões, recebemos como presente, o cordel sobre plantas da caatinga e suas curas, do cantor, compositor e raizeiro Ferreirinha. É um folheto de cordel longo que fala sobre outras coisas também em relação às plantas.
Mas a urtiga não é somente maldade para os passantes da caatinga. “Na medicina de ervas moderna, raiz de urtiga é usada para tratar a hipertrofia prostática benigna. Várias formas de raiz, incluindo cápsulas, extratos e chás, são tomadas para aliviar os sintomas urinários desta condição comum. Porém, novos ensaios clínicos são necessários antes que este uso possa ser amplamente recomendado e comprovado”.
Mas, independente dos conselhos médicos, raizeiros do Sertão não deixam de indicar os benefícios da urtiga, folhas ou raízes. E como já disse outras vezes, não existe um só pé de mato sertanejo que não sirva para remédio.
É a medicina popular em favor da saúde contra os altos preços das farmácias brasileiras.






Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/07/e-tempo-de-urtiga.html