terça-feira, 25 de abril de 2017

OS TRÊS CASARÕES



OS TRÊS CASARÕES
Clerisvaldo B. Chagas, 25 de abril de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.667

Casarão da esquina. Foto: do livro "230" (Clerisvaldo B. Chagas).
É complicado para a Cultura manter os velhos casarões históricos. Geralmente quando pertencem a particulares estes procuram modernizá-los ou partir radicalmente para a demolição. No local levanta-se um prédio de características novas, geralmente para o aluguel. Pronto. Desapareceu o vestígio do passado.
Quando o poder público é mais ativo, procura fazer o tombamento, ato que nem sempre agrada ao dono do imóvel. Uma vez tombado, o proprietário nada pode fazer e, praticamente, perdeu tudo sem poder mexer no prédio e nem vendê-lo. Muitas vezes acontece no Brasil, não existir verbas para a conservação do imóvel tombado. Assim o edifício vai sendo submetido às ações do tempo igual a uma pessoa envelhecendo sem amparo. Os casarões passam a enfear a paisagem, ameaçando ruir a qualquer momento pondo em risco à vida dos transeuntes.
Na minha terra, demolidos com ignorância e tudo, sem a devida atenção das inúmeras gestões municipais, fica ao prazer da vontade de cada um. Atualmente, três edifícios antigos chamam atenção em pleno Comércio de Santana do Ipanema. Todos os três construídos no tempo de Vila pelo, então, coronel Manoel Rodrigues da Rocha, comerciante, fazendeiro e industrial, falecido em 1920.
O conhecido “casarão da esquina”, com várias modificações no térreo, continua resistindo. Foi construído com várias divisórias para fins comerciais e ali já funcionou tudo, inclusive hotel e biblioteca no primeiro andar.
Outro casarão fica logo perto e tem a estátua do deus mercúrio no topo da fachada. Também já foi biblioteca, grande parceira da minha adolescência. Ali o coronel passou uma porção de tempo, morando.
O terceiro casarão está próximo dos outros dois. Foi morada definitiva do coronel Manoel Rodrigues da Rocha.
Seria uma grande satisfação guiar um grupo de pessoas interessadas pelo comércio e bairros de Santana mostrando a história viva. Fico às ordens para quem quiser organizar grupo de até quinze pessoas.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/04/os-tres-casaroes.html

domingo, 23 de abril de 2017

O RELEVO DE SANTANA DO IPANEMA



O RELEVO DE SANTANA DO IPANEMA
Clerisvaldo B. Chagas, 24 de abril de 2017
Escritor Símbolo de Santana do Ipanema
Crônica 1.666
Serra da Remetedeira em dia chuvoso. Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).

Aproveitando o dia de hoje, Emancipação Política de Santana e, já havendo descrito a sua fundação, iremos falar sobre o seu Relevo.
“(...) Para efeito didático podemos dividir o relevo do município em duas porções:
A primeira porção. Compreende os contrafortes do Planalto da Borborema com elevações denominadas serras, parte do ‘Maciço de Santana do Ipanema’. Vista de longe, essas montanhas parecem muralhas barrando as fronteiras com o município de Poço das Trincheiras e Pernambuco. Entretanto, intercalando a sucessão dos elevados no sentido noroeste-nordeste, surgem espaços em forma de boqueirões, permitindo a suavidade do terreno. Serpentear de riachos da mesma vertente vai desembocar no captor de toda a bacia, o rio Ipanema. Esse maciço, desgastado pelos agentes externos vai recebendo denominações locais dentro do município: serras do Caracol, Pau Ferro, Gugi, Camonga, Macacos, Poço e outras elevações menores. Esses elevados com nomes de serras possuem altitudes respeitáveis para a região, como a Camonga, Gugi e Poço, com muito mais de 500 metros. O relevo serrano de Santana do Ipanema é rico em olhos d’água, boqueirões, vales e grotões. Sustenta umidade a barlavento e motiva chuvas orográficas ao longo do maciço. A serra do Poço apresenta cicatriz de tromba d’água na vertente sul, voltada para os sítios Pé de Serra e Marcela, ocorrida nos primórdios do município. A intensidade do desmatamento é contínua e visível ao longo de toda cadeia, o que vem prejudicando os seus mananciais. O pedregulho do extenso desgaste rochoso vai se acumulando nos sopés, entulhando córregos de periferia com lixiviação das chuvas torrenciais.
A segunda porção. Pediplano Sertanejo são terras planas e onduladas com as colinas entrecortadas de rios e riachos, semeadas de serrotes, cadeias de montanhas ou montanhas isoladas residuais. As elevações maiores são chamadas popularmente de serras e, as menores, de serrotes, no campo e mesmo as que circundam o núcleo urbano.
Essa segunda porção do relevo espraia-se em forma de leque dos sopés do Maciço em direção ao rio São Francisco. As serras em cadeia no meio do pediplano são mais altas do que as serras isoladas, mas não chegam à altitude anterior. Entretanto algumas surpreendem em altura como a serra da Lagoa e a do Cabeça Vermelha, entre Santana do Ipanema e o povoado Areias Brancas. São formações que também formam olhos d’água nos cimos e nos sopés. Serras e serrotes, bem como riachos e lagoas são pontos de referência importantíssimos no município em estudo. Além das serras citadas acima, surgem às elevações em torno da sede municipal como o serrote do Gonçalinho e ─ seguindo a direita com ele ─ os do Cruzeiro e Pintado; serras: Aguda, Remetedeira, Poço, Camonga e Macacos. As demais elevações do pediplano são serrotes que também batizam os sítios: serrote do Amparo, Angicos, Bois, Brás, França, Pintado, Serrotinho e Severiano”.
·         CHAGAS, Clerisvaldo B. Santana do Ipanema (Alagoas); conhecimentos gerais do município. Grafmarques, 2011.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/04/o-relevo-de-santana-do-ipanema.html

sexta-feira, 21 de abril de 2017

SANTANA, 230 ANOS DA FUNDAÇÃO (II)



SANTANA, 230 ANOS DA FUNDAÇÃO (II)
(Em duas crônicas)
Clerisvaldo B. Chagas, 22 de abril de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.665

SANTANA 230 ANOS DEPOIS. Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).
Chega o padre Francisco José Correia de Albuquerque. Natural de Penedo, quando foi designado para essa região, já possuía fama de santo e milagreiro, além de visionário. Era estimado aonde chegava e suas previsões corriam mundo. O povo, com todo o respeito que havia chamava-o de Santo Padre Francisco. Era orador sacro arrebatador.
Ao chegar pela primeira vez à ribeira do Panema, ficou hospedado na casa do seu grande amigo, fazendeiro Martinho Rodrigues Gaia. Era o ano de 1787.
“O padre Francisco já trabalhara em outros lugares e viera designado para exercer as suas funções sacerdotais na região, porém, tendo como central dos seus movimentos religiosos, o arraial da margem do Ipanema. Na bagagem trouxera uma imagem de São Joaquim e outra de Santa Ana, diretamente da Bahia, a pedido da esposa do fazendeiro, Martinho Rodrigues Gaia, Ana Teresa, primeiríssima devota de Santa Ana nas terras da ribeira. Ainda a pedido daquela fervorosa cristã, o padre fez erguer uma capela onde antes era o curral de gado, cem metros a noroeste da casa-grande de Martinho Rodrigues Gaia. Além do terreno cedido para a capela, este fazendeiro ainda muito contribuiu para a sua construção. Por trás da capela o sacerdote  construiu também um abrigo para beatas. Ele mesmo dourou o altar e esculpiu em madeira a imagem do Cristo Crucificado. Terminado todo o serviço, o padre colocou, então, no altar, as imagens de São Joaquim, Senhora Santa Ana e o Cristo por ele confeccionado. A capela foi inaugurada em 1787, mesmo ano em que o sacerdote chegara ao arraial de mamelucos”

*Adaptado de RIBEIRO, Teotônio. Escorço biográfico do missionário apostólico, Doutor José Francisco Correia de Albuquerque, presbítero de do hábito de São Pedro, vulgarmente conhecido por “Santo Padre Francisco”, Penedo, Attelier, 1917.

ESTAVA, POIS, FUNDADA OFICIALMENTE A FUTURA CIDADE DE SANTANA DO IPANEMA, COM A CONSTRUÇÃO DA CAPELA EM 1787, PELO PADRE FRANCISCO JOSÉ CORREIA DE ALBUQUERQUE E SEU AMIGO FAZENDEIRO MARTINHO RODRIGUES GAIA.

Toda a região que se chamava Ribeira do Panema passou a partir da fundação da capela a ser apontada como “SANT’ANNA DA RIBEIRA DO PANEMA” com sede na capela do arraial e na casa da fazenda.
·         CHAGAS. Clerisvaldo B. Santana do Ipanema (Alagoas) Conhecimentos Gerais do Município. GrafMarques, 2011.
·         CHAGAS. Clerisvaldo B. O Boi, a Bota e a Batina, História Completa de Santana do Ipanema. Inédito.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/04/santana-230-anos-da-fundacao-ii.html

quinta-feira, 20 de abril de 2017

SANTANA, 230 ANOS DA FUNDAÇÃO



SANTANA, 230 ANOS DA FUNDAÇÃO (I)
(Em duas crônicas)
Clerisvaldo B. Chagas, 21 de abril de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.664


Na segunda metade do Século XVIII, Martinho Rodrigues Gaia, de origem portuguesa e procedente do lugar chamado Vila de Minas do Rio das Contas, Bahia, costumava ir a Penedo a negócios, tendo casado com Ana Teresa, talvez penedense.
Tomando conhecimento de que na ribeira do Panema havia grande extensão de terras devolutas e estando interessado na agropecuária, Martinho Rodrigues Gaia e seus irmãos Martinho Vieira Rego e Pedro Vieira Rego, pleitearam e conseguiram uma sesmaria na região. A sesmaria outorgada constava doze léguas, mais ou menos, de nascente a poente, ou seja, da serra do Caracola a ribeira do Riacho Grande; outras léguas de nordeste e sul, da ribeira dos Dois Riachos a ribeira dos Cabaços.
Martinho Rodrigues Gaia, Martinho Vieira Rego e Pedro Vieira Rego, passaram pela foz do rio Ipanema, depois de navegarem de Penedo até ali, chegando mais acima, ao povoamento de Pão de Açúcar. Montados a cavalo, seguidos por familiares, escravos e mateiros que conheciam a região, iam abrindo caminho até o coração da ribeira do Panema.
O lugar escolhido para sediar o domínio da sesmaria ficou próximo à barra do riacho Camoxinga ─ tributário do Ipanema ─ rodeado por elevações naturais como o serrote do Pelado, do Gonçalinho e da Goiabeira; e a serra Aguda, da Remetedeira, do Poço, da Camonga e dos Macacos. Os três irmãos chegaram à ribeira em torno de 1771, quando no Brasil governava o vice-rei D. Antônio Rolim de Moura.
Fora dos seus domínios de sesmarias, encontraram ao norte os vizinhos de terras, já radicados na ribeira, João Carlos de Melo que possuía uma fazenda de nome “Picada”, cuja extensão girava em torno de duas léguas; e José Vieira com fazenda vizinha a João Carlos de Melo.
Martinho Rodrigues Gaia construiu a sede da sua fazenda em lugar aprazível à margem esquerda do rio Ipanema, a carca de 200 metros do Poço dos Homens, no alto barranco do segundo patamar em ordem de afastamento do rio. Os fundos da casa-grande estavam voltados para o cenário do Panema. O lado esquerdo encontrava um declive que levava até à foz do riacho Camoxinga. O terreno plano da frente da casa dava acesso a um longo aclive e, a direita mostrava um plano com ladeira suave adiante.
Martinho Rodrigues Gaia construiu ainda o seu curral de gado cem metros a noroeste da casa-grande. Defronte a residência plantou um tamarindeiro para fornecer sombra a quem dela precisasse.
Com a chegada do fazendeiro Martinho Rodrigues Gaia e seus irmãos, em 1771, a localização privilegiada da casa-grande de Martinho Rodrigues Gaia, fez brotar um arraial de caboclos (mestiços de brancos e índios Fulni-ô) entre 1771 e 1787.

·         Continua amanhã.








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/04/santana-230-anos-da-fundacao.html

terça-feira, 18 de abril de 2017

MATA GRANDE E ÁGUA BRANCA



MATA GRANDE E ÁGUA BRANCA
Clerisvaldo B. Chagas, 18 de abril de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.663

ASFALTO DA AL-145. Foto: (divulgação).
“Cadê o dinheiro que estava aqui?” programa do Fantástico, escancarou mesmo o escândalo no município de Canapi, no Alto Sertão. O povo sofrido e trabalhador daquela localidade, não merece tanto desrespeito como o que foi mostrado na TV. O escândalo cobriu a boa notícia do asfaltamento da AL-145 trecho Água Branca – Mata Grande.
Região serrana de Alagoas, as duas cidades no oeste do estado são parceiras há muito, assim como Ouro Branco e Maravilha em baixo, nas planuras. Para se chegar a Mata Grande ou vai pela frente, pela BR-316 povoado Carié – Inajá ou por Agua Branca até onde chega o asfalto que vem de Delmiro Gouveia. Tanto pela frente quanto pelos fundos, os acessos de barro com a vantagem apenas de quem quer ver paisagens naturais.
Com o asfalto Água Branca – Mata Grande parte da justiça rodoviária é feita, entretanto, está em falta o acesso pela frente até a BR-316 cujo trecho Carié – Inajá continua na expectativa.
Mata Grande, cidade sertaneja nos confins oeste do estado de Alagoas, já teve grande influência no início do Século XX. Muitas histórias foram contadas naquela urbe, inclusive de cangaceiros. Era frequentada por Virgulino e seus manos, antes da fama de Lampião. Foi a cidade de Alagoas que botou Lampião para correr durante um ataque do bandido. Situada entre serras e vales ficou no quase isolamento pela falta de estrada asfaltada.
Água Branca, cidade pequena e situada no topo de um monte, também possui suas histórias políticas e cangaceiras. O ponto máximo físico, além da sua localidade, é a igreja cujos altares eram feitos de ouro ou banhados a ouro, além da sua própria beleza. Lá de cima avistam-se terras da Bahia. Em tempos de inverno tem clima de montanha e o aproveita realizando festival de inverno. Já foi assaltada por Lampião, meses antes da fama. Virgulino, quando veio morar em Alagoas perambulava entre Água Branca, Mata Grande e Chicão (atual Ouro Branco). Para quem gosta de histórias cangaceiras, foi na serra da Jurema, município da mesma Água Branca que nasceu Corisco, o bandido mais famoso do seu bando.
A estrada que está sendo asfaltada, Água Branca – Mata Grande, também contemplará o povoado de Santa Cruz do Deserto, onde foram sepultados a mãe e o pai de Virgulino Ferreira.
Sem dúvida alguma, esse é um grande empreendimento estadual não se tem como negar. A região ganhará nova dinâmica com o asfalto, mas é bom dizer que falta ainda muita coisa para se programar com o turismo.  
Achamos, porém, que o grande beneficiado como polo do Alto Sertão, será a cidade de Delmiro de Gouveia, em todos os aspectos.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/04/mata-grande-e-agua-branca.html