segunda-feira, 18 de setembro de 2017

ASAS NO ALFABETO

ASAS NO ALFABETO
Clerisvaldo B. Chagas, 19 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.740

Foto: (Escola Interativa).
Você sabia que o nosso alfabeto veio de muito longe? Estamos devendo isso aos fenícios e aos gregos. Vamos a uma ideia sobe os primeiros? Os fenícios eram um povo que vivia entre montanhas do atual Líbano e o mar. Como suas terras férteis eram poucas, optaram pelo comércio navegante através do mar Mediterrâneo e conseguiram a grandeza em ambas as coisas. Para melhor se comunicar com outros povos, desenvolveram um alfabeto com 22 letras consoantes.  A este, os gregos acrescentaram as vogais. Assim o alfabeto fenício foi à base para o grego no qual se baseia o nosso. Os fenícios possuíam cidades e colônias. Destacaram-se também como artesãos em tecido, joias, perfumes, artefatos de pedra, marfim, metal e cerâmica.
Temos os fenícios ainda como inventores do vidro transparente. Possuíam cidades separadas, mas não formavam um estado. Cada cidade tinha o seu governo como Ugarit, Biblos, Beritos, Sídon e Tiro (esta muito famosa na história maçônica). Houve muita prosperidade com elas entre 1400 e 700 anos a. C. Entre suas colônias estavam Chipre, Sicília, Cádiz e Cartago (famosa pelas guerras defensivas contra os romanos). Aproveitando as poucas terras férteis, plantavam cedros (madeira de lei) e negociavam suas toras, bem como cereais, algodão e oliveiras das quais extraíam o azeite. Pelo Mediterrâneo, vendiam seus produtos, trocavam, além de comprar e vender mercadorias de outros povos; como exemplo, compravam papiro aos egípcios e vendiam aos gregos.
A palavra FENÍCIO vem de PÚRPURA, uma cor vermelho-escura, espécie de tinta extraída das glândulas de um molusco chamado múrex. A tinta era usada para tingir tecidos que tinham grande aceitação no mercado. Inclusive, no império romano a púrpura demonstrava destaque, pois era usada por elevadas autoridades.

A história dos fenícios é um compartimento da História Antiga muito agradável. Um povo que dominou a navegação e o comércio pela necessidade. Seguiram o ditado popular: “Quem não tem cão, caça com gato”. Lembra agora das origens do nosso ALFABETO? Alegria.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/asas-no-alfabeto.html

domingo, 17 de setembro de 2017

MONTE SINAI, SAGRADO E INÓSPITO

MONTE SINAI, SAGRADO E INÓSPITO

Clerisvaldo B. Chagas, 18 de setembro de 2017

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica 1.739

 

MONTE SINAI. Foto: (Bispo Eliel Luna).

De certa forma há uma lembrança particular, espiritual e doída sobre o Monte Sinai, relembrada pela reportagem da Record do último dia 10. Com mais algumas informações abaixo o objetivo maior deste trabalho é muito mais geográfico de que religioso. Talvez não exista monte com maior destaque literário na Terra do que o Monte Sinai, no Egito, também chamado de Monte Horeb. E diante de tanta fama imaginamos uma serra igual a um paraíso como foram em nosso município as serras do Poço e do Gugi. Nada disso, porém, é verdade. O Sinai é um pico de granito com uma altitude de 2.285 metros que segundo a tradição judaica Moisés teria recebido do Senhor as Tábuas da Lei. A primeira vista são vários montes como se tivesse sido no passado apenas um que houvesse sofrido longo processo de erosão e ficasse repartido em montes menores. A desilusão, todavia, é com sua estrutura física completamente rochosa e inteiramente fragmentada com pedras de todos os tamanhos e formas. Pode-se dizer: um grande amontoado de rochas peladas, sem beleza nenhuma. Quando aparece alguma espécie vegetal é de forma solitária, em pés pequenos, imprensado em frestas. As pedras são ligeiramente róseas e, a subida até o cimo leva horas até para quem tem boa forma física. Um monte sagrado, feio, horrível e inóspito.

Estar o Monte situado no Egito, no sul da Península do Sinai. Para quem não sabe, península é uma grande porção de terra que avança pelo mar. O local é sagrado para o cristianismo, Judaísmo e Islamismo. Muito abaixo do pico existe uma plataforma onde Aarão e os 70 sábios aguardaram Moisés na recepção as Tábuas da Lei. Existe uma caverna onde Deus falou com Elias, após a caminhada de 40 dias pelo deserto. Ali perto, um monte onde viveu São Gregório e, logo abaixo desse monte, a planície de ar-Raaha onde os israelitas aguardaram Moisés e depois foi erguido o primeiro tabernáculo.

Enfim, a região está repleta de histórias as mais diversas, principalmente porque a religiosidade é disputada pelas três religiões. Muitas certezas, quase certezas e bastantes controvérsias irradiadas em solo egípcio.

Interessou-se pelo assunto? Pesquise mais. É um tema sem fim.

 

 

 




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/monte-sinai-sagrado-e-inospito.html

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A PEDRA DO PADRE CÍCERO

A PEDRA DO PADRE CÍCERO
Clerisvaldo B. Chagas, 15 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1738

PEDRA DO PADRE CÍCERO. Foto: (Ailton Cruz).
Em todos os recantos nordestinos estão às marcas indeléveis do Padre Cícero Romão Batista. Em Alagoas entre manifestações ao sacerdote – falecido em 20 de julho de 1934 – estão as procissões, associações, novenários e romarias. São milhares e milhares de devotos que ainda procuram o Juazeiro do Norte em busca de curas para os seus males, baseados na fé ao amiguinho Padre Cícero. Templos, praças e devoções ganharam espaço nesta nação nordestino dos litorais aos sertões honrando à memória daquele que tanto fez pelo seu povo. Nem queremos aqui entrar em discussões e acusações estéreis como ainda hoje acontece com o próprio Jesus, o Cristo.
Entre todos os movimentos em prol do padre do Juazeiro, um deles chama atenção e encontra-se localizado no município sertanejo de Dois Riachos. Tudo teve início quando o agricultor José Antônio Lima alcançou uma graça de promessa feita ao padre Cícero, em 1956. Agradecido, aproveitou um Boulder (bloco rochoso) que havia às margens da BR-316, para erguer um oratório em homenagem àquele que concedera a sua graça. Segundo a viúva do sertanejo, Maria, o seu esposo nunca revelou qual foi a graça alcançada. Com o passar do tempo e o aumento crescente de visitas ao local, o oratório foi reformado e a escada de madeira que leva ao topo, foi substituída por uma rampa de concreto. E os padres, por não conseguirem celebrar missas no cimo da escadaria, fizeram surgir uma igreja perto da rocha.
Anualmente acontece a celebração de morte do padre Cícero, todo dia 20 de julho. Já são milhares de romeiros que chegam à festa do dia 20. Eles vêm a pé, a cavalo, em automóvel, vans e ônibus que preenchem os terrenos vizinhos como se estivessem na própria Juazeiro. Além de gente de todas as regiões alagoanas, são inúmeros os devotos de Sergipe e Pernambuco. Do centro de Dois Riachos à Pedra do Padre Cícero, não deve dar mais de 2 km.
Dois Riachos, em Alagoas, é uma cidade pequena e ficou conhecida nacionalmente por ser a terra da jogadora Marta. Possui a maior feira de gado do Nordeste; é banhada pelo riacho Dois Riachos – afluente do rio Ipanema – tem famosa vaquejada anual e mostra o gigantesco açude no povoado Pai Mané. Seu acesso é fácil estando em qualquer lugar em solo alagoano..


  

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/a-pedra-do-padre-cicero.html

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

SURREALISMO E FUTURO

SURREALISMO E FUTURO
Clerisvaldo B. Chagas, 14 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.737

IMAGEM BBC
A inteligência humana encontra-se em todas as partes do mundo e em  todas as áreas do conhecimento. Voltando-se para a engenharia podemos apontar os engenheiros das obras de Paulo Afonso, da estrada São Paulo a Santos, da ponte Rio – Niteroi e, em Alagoas, do Canal do Sertão. Mas muitas outras realizações deixam no topo da área a engenharia brasileira. Voltamos às aulas do velho mestre Alberto Nepomuceno Agra falando das “reentrâncias e saliências” dos fiordes da Noruega: Fiorde é uma grande entrada de mar entre montanhas rochosas.  Seu franjeado têm origem na erosão das montanhas devido ao gelo. Agora a Noruega iniciou um trabalho nos fiordes, chamado pelo mundo de absurdo, futurista, surreal.
É que a Península Stad, por ser aberta, sofre muitas tempestades, pondo em risco seus barcos que por ali atravessam. Para não enfrentar o mar aberto, a ideia é navegar pelos fiordes fazendo túneis entre eles. Mas esses túneis  não são qualquer tipo imaginado antes. O primeiro túnel será construído debaixo de uma montanha e terá uma extensão de 1.7 quilômetros de comprimento e 36 metros de largura. “De acordo com os planos da Administração Pública de Vias da Noruega, os túneis submarinos ficarão a cerca de 30 metros de profundidade e serão formados por dois cilindros paralelos de concreto, uma para cada direção da rodovia. Cada um destes cilindros terá duas pistas: uma para o trânsito comum e outra para véiculos de emergência e reparo. Em locais onde os túneis não forem viáveis  serão construídas pontes com pilares flutuantes – alguns deles suspensos com cabos de aço (...)”.
IMAGEM BBC
Esse é um projeto único no mundo, sonho, loucura e desafio da capacidade de engenharia. Bilhões serão gastos na audaciosa empreitada que divide opiniões de seus próprios moradores. A Noruega é rica, mas ninguém tem certeza se o repto valerá à pena. Obras fantásticas são vistas em todo o planeta que, encaradas pela primeira vez, parecem até de um mundo inexistente. Mas o pacote que a Noruega quer entregar ao Globo, parece coisa de anjos e demônios em parceria.
Ô mundo doido!


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/surrealismo-e-futuro.html

terça-feira, 12 de setembro de 2017

UM CABRA DE LAMPIÃO

UM CABRA DE LAMPIÃO
Clerisvaldo B. Chagas, 13 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.735

ILUSTRAÇÃO: (MESTRE VITALINO).
Vaga-Lume era um cangaceiro moderado e muito querido no bando. Há mais de cinco anos estava sob a chefia de Virgolino Ferreira da Silva, o Lampião. Recebera o apelido por enxergar bem à noite e guiar os companheiros pelas trevas. Mas certo dia houve mal-entendido por causa de um ataque de força volante e um invejoso disse para o chefe que o culpado havia sido Vaga-Lume. Lampião estava furioso e considerava a suposta falha do denunciado extremamente grave. Depois de muito pensar, resolveu eliminar Vaga-Lume como castigo, muito embora o cabra afirmasse que não tivera culpa nenhuma no caso. Lampião, entretanto, não levou suas palavras em consideração e convocou a todos para assistir a morte do cangaceiro.
Depois de mandar recolher as suas armas, Lampião fez uma meia-lua com os seus homens, deixando a futura vítima a vinte metros na frente. Ordenou: “Vaga-Lume, se prepare para morrer daqui a cinco minutos”. O condenado nada disse e começou a cantar várias modinhas que aprendera no bando, todas exaltando Lampião. A reação nunca vista antes, pegou todo mundo de surpresa. Aquilo bateu diferente no peito do chefe. Passados quatro minutos, Lampião aproximou-se e disse: “Agora faça suas recomendações que eu vou mandar atirar em você”. Vaga-Lume, serenamente, começou a fazer as recomendações a Nosso Senhor e à Mãe de Deus, em voz alta, pelo alma do chefe. Compassadamente e de forma clara, cercou Lampião de todas as proteções possíveis. Para si mesmo, não fez recomendação nenhuma. Lampião ficou atônito e há quem tenha visto uma lágrima descer do seu olho defeituoso. Depois, o chefe respirando fundo, virou-se para os companheiros e indagou ensarilhando o mosquetão: “COMO POSSO MATAR UM HOMEM DESTE?”.
Sei que os fanáticos adoradores de cangaceiros irão dizer que nunca existiu cabra com o nome de Vaga-Lume. Que a cena jamais existiu. E eu com isso! Foi assim que gostosamente sonhei. E desde então, tenho também recomendado à Santa Mãe de Deus e ao Mestre por aqueles que tentaram e tentam me deter pela inveja, indiferença proposital, astúcias e montes de pedras no caminho.
Tenho acompanhado sem muita atenção os resultados.





Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/um-cabra-de-lampiao_12.html

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O PESTE DO GUINÉ

O PESTE DO GUINÉ
Clerisvaldo B. Chagas, 12 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.735
 
GUINÉS. Foto: (Sítiocolírio).
Quando o meu amigo agricultor se referiu a um político local e o apelidou de guiné, chamou-me atenção. Apesar de conhecer algumas façanhas dessa ave, não conhecia a semelhança do apelido levado ao sujeito.
Como criávamos muitos guinés sempre tivemos a melhor impressão possível da ave. No sertão alagoano ela também é chamada capote e tô-fraco, mas em outras regiões recebem denominações como galinha-d’angola, cocá, galinha-do-mato, faraona, sakué, pintada, picota, fraca e cakuê. Essa ave, extremamente arisca, é originária da África e introduzida no Brasil pela colonização portuguesa. Cria-se guiné no terreiro, em bando e, por mais grãos de milho que se dê, a fêmea está sempre a cantar, o canto que se entende por: tô-fraco. Existem ainda outros nomes correspondentes ao animal. Algumas religiões africanas gostam do guiné para oferenda a certos orixás.
Essas aves possuem nove subespécies e gostam de esconder os ovos no mato. A fêmea põe em um lugar e vai cantar em outro para despistar os predadores. O ovo de guiné é pequeno, tem casca dura, gema muito amarela e uma delícia de paladar. Se estiverem divididos em grupos, cada grupo tem seu líder. Na canela ninguém consegue pegar o bicho; só na espingarda ou à noite na dormida. Quando se descobre uma ninhada de ovos, está quase sempre acima de 40, pois as aves gostam da postura no mesmo ninho. São tão nervosas que o líder do bando fica vigiando na hora da comida e só come por último se tiver tudo bem. O cavalheirismo faz inveja a muitos marmanjos, não!
A sua carne é saborosa e exótica. Nas feiras do interior sempre se encontra ovos de guiné à venda, mesmo em quantidade mínima, assim como a própria ave. Os apreciadores fazem encomenda e nada melhor para se oferecer como almoço a um visitante da capital. Ainda existe àquela dureza no conselho que a carne é carregada. E se você acha que não foi carregada e sim comprada, tenha cuidado com as coisas que não deseja revelar.
Voltando a empolgação do amigo, ainda não descobri porque ele chamou o político de guiné. Mas conforme as informações postadas, você mesmo descobrirá. Só sei dizer que o companheiro estava irado e disse: “Fulano! Aquilo é um guiné da peste!”. Como Polícia Federal descobre tudo...


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/o-peste-do-guine.html

domingo, 10 de setembro de 2017

A BALEIA SUBIU O POSTE
Clerisvaldo B. Chagas, 11 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.734

Surpreendeu o povo alagoano, o número exagerado de baleias que surgiu em suas praias, nos últimos dias. O que estaria acontecendo com a baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) em nosso mar? Estaria sendo vítima de pescadores? De desorientação? De bancos de areia? Afinal um mamífero que atinge a média de 12 a 16 metros não pode passar despercebido nas praias  mais bonitas do Brasil. E ao mesmo tempo em que os biólogos tentam explicar o fenômeno, o pensamento corre para a iluminação pública no Brasil antigamente.
No século XVIII não havia iluminação no país. Na Europa se usava o óleo de oliva e que era muito caro. Só no século XIX foi iniciada em alguns lugares a iluminação pública no Brasil. Mas pelo alto preço do óleo de oliva, o Brasil começou a usar o óleo de coco e de mamona. Óleo de mamona, esse mesmo usado no eixo do carro de boi para que ele fique cantador. Foi, então, que a baleia subiu nos postes através do seu precioso óleo, para as célebres lâmpadas de óleo de baleia. Rio de Janeiro iniciou sua iluminação em 1794 e usava óleo vegetal e animal. São Paulo em 1830 iluminava-se com óleos. E foi ele quem primeiro usou o gás no período 1854 até 1936. E mesmo com o surgimento da luz elétrica, algumas cidades usavam tanto a eletricidade quanto o gás.
Em Santana do Ipanema, interior de Alagoas, usava-se nos postes a iluminação com óleo, provavelmente, com os dois tipos, tanto de mamona quanto de baleia. E só em 1922 – com a elevação de Vila à Cidade – Santana do Ipanema passou a utilizar a eletricidade por força Motriz e a baleia desceu dos postes.

Volta-se ao surgimento dos grandes mamíferos nas areias do litoral alagoano. Os estudiosos  afirmam que as baleias não estão encontrando  alimentos por uma série de fenômenos e ações dos homens. Morrem em alto mar e são trazidas às praias pelas correntes marinhas. E se muitos fenômenos físicos são provocados pelo homem, indiretamente é o próprio homem o culpado das mortes das baleias. Nesse caso os gigantescos mamíferos dos mares são apenas a continuação dos atos irresponsáveis dos “pernas de calça” de várias partes do mundo.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/a-baleia-subiu-o-poste-clerisvaldo-b.html

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Ói, Ói O TREM

ÓI, ÓI O TREM!
Clerisvaldo B. Chagas, 8 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.733
VLT. Foto (Divulgação).

“Café com pão
Café com pão
Café com pão

Bolacha não...”

Era assim que a meninada marcava o ritmo do trem de ferro, antiga Mara Fumaça. Enquanto o tufo de fumo subia contorcido pelo vento, a máquina apitava roucamente próxima às estações; ponto de encontro entre os que ficavam e os que partiam dividindo as lágrimas com os vendedores de laranja e tapioca nas plataformas. Quase todos escritores filhos de cidades onde havia linha férrea, não deixaram de descrever cenas acontecidas no trem. Nas Alagoas foi romance necessário que fez desenvolver os vales dos rios Mundaú e Paraíba do Meio, repletos de canaviais. Eram eles condutores de cargas para os antigos trapiches armazenadores de mercadorias para esportações pelos navios do Porto de Jaraguá.  Da Zona da Mata de Viçosa, novo ramal tomou direção do Agreste e foi bater em Palmeira dos Índios para descer até Porto Real de Colégio, no Baixo São Francisco.
Perdendo a luta para os transportes rodoviários, as antigas ferrovias morreram pelo abandono. E agora nos tempos modernos ressuscita-se o trem nas capitais como transporte urbano sob a denominação de VLT – Veículos Leves Sobre Trilhos – um misto de trem e bonde, bonito que só uma boneca e confortável que só braços de mãe. O preço de cada viagem é simbólico e transporta diariamente milhares de trabalhadores em parte da zona metropolitana de Maceió. Finalmente chega outra excelente notícia para a capital e os municípios de Satuba e Rio Largo. A reinauguração da antinga linha ferrovária, totalmente modernizada, do Centro de Maceió ao Porto de Jaraguá, coisa que parecia um sonho.
Valeu, portanto, o transtorno causado com as obras dos trilhos até o histórico bairro. Com seria bom viajar num bichão desse do Sertão à capital! Mas esse sonho nunca aconteceu antes e pelo jeito parece que nunca acontecerá. O Sertão agora está movido à Vans, também chamadas de Bestas, por aqui. Até os ônibus passaram a sofrer à nova onda de transporte menor. O exemplo é o fechamento de importante empresa de ônibus da cidade de Palmeira dos Índios a qual serviu durantes décadas. Com a ressureição do trem com alma de VLT pelo menos se resgata parte do romantismo de outrora, na capital. No restante, vamos embarcando na música de Raul Seixas: Ói, Ói o Trem...
Ô vida “Marvada”!



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/oi-oi-o-trem.html

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

ADEUS AO BARRO

ADEUS AO BARRO
Clerisvaldo B. Chagas, 7 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.732
 
Foto: (Prefeitura de Pindoba).
"No nosso Governo, não vamos ter mais nenhum alagoano rodando em estrada de barro. Faltam três cidades serem ligadas por asfalto: Canapi, que já está em obras; Pindoba, que nós estamos aqui hoje; e até o final do ano vamos começar a terceira, com o acesso à cidade de Belo Monte. E Alagoas vai ser, talvez, o primeiro Estado do Nordeste a não ter mais nenhuma cidade ligada por asfalto", garantiu Renan Filho”.
A declaração acima foi feita na semana passada pelo governador do estado na cidade de Pindoba, zona da Mata Alagoana. O topônimo vem da palmeira pindoba comum na mata atlântica ou floresta tropical. Antes o município chamava-se Pindoba Grande. A cidade é a menor do estado não chegando aos três mil habitantes e limita-se com Viçosa, Cajueiro, Mar Vermelho, Maribondo e Atalaia. Apesar de ter acesso pela BR-316, não será por ali o recebimento do asfalto, mas sim por estrada que dá acesso a Viçosa. De acordo com o governador, as três das 102 cidades alagoanas com acesso de terra, serão integradas às restantes através do asfalto. A situação de Pindoba é a mesma de Belo Monte, no sertão do São Francisco e Canapi no alto sertão. Não temos motivo nenhum de desacreditar na palavra da autoridade. Pindoba fica a 89 km da capital, Belo Monte a quase 200 e Canapi a muito mais dos 200.
Os governos Divaldo Suruagy – com erros e acertos – ficaram conhecidos como os que mais asfaltaram no estado, mas sinta o tempo. Estamos no milênio tão decisivo para a humanidade e mesmo assim ainda temos cidades sofrendo com a era do cavalo e do carro de boi. Alagoas é um estado pequeno e possui apenas 102 municípios como já foi dito, mas se iremos ser o primeiro do Nordeste a ter todas as suas cidades interligadas por asfalto, imaginemos, então, os outros estados irmãos maiores nossos!

Asfaltar os acessos passa do dever dos gestores chegando à beira da caridade. E se fôssemos enumerar os benefícios uma só crônica não daria conta das citações por melhor qualidade de vida. Imaginemos apenas ambulâncias conduzindo pacientes com grande rapidez aos centros mais adiantados. A jogada do asfalto foi da fato uma grande notícia para Alagoas.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/adeus-ao-barro_6.html

terça-feira, 5 de setembro de 2017

O PEBA RICO

O PEBA RICO
Clerisvaldo B. Chagas, 6 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.731

“Eu sou o pirata
Da perna de pau
Do olho de vidro
Da cara de mau”

Sempre foram assim mostrados piratas e corsários em aventuras de histórias em quadrinhos e livros infantis. Os piratas representavam bandos de marginais em embarcações dispostos a roubar e saquear tudo que encontravam pela frente. Navios transportando ouro de várias nações eram constantemente alvos de piratas. Mas os corsários praticavam os mesmo atos com a diferença de organização prévia e oficial, pois agiam em nome de um país e de uma bandeira. O que eles conseguiam nos assaltos e saques dividiam com o rei, ficando com a maior parte dos produtos.
Muitas embarcações de piratas, corsários e de governos sofriam ataques e naufragavam levando tesouros para o fundo mar. Não raras vezes os piratas enterravam as cargas roubadas em ilhas e mesmo nos continentes. Grande número de navios naufragou também por causa de bancos de areia e arrecifes sem sinalizações alguma.
O mar de Alagoas é rico em arrecifes de corais e de arenito. Quantos navios dos tempos antigos de piratas e corsários e embarcações oficiais naufragaram na região? É difícil saber. Mas pelo menos retorna a curiosidade de caçadores de tesouros ou historiadores com os achados de moedas e joias da praia do Peba – área protegida por lei no município de Piaçabuçu.
Quando esses fatos acontecem uma enxurrada de pesquisadores chegam ao local. É sabido, porém, que todo achado pertence ao governo. Independente, todavia, de moedas, joias, baús e outras botijas seculares, a praia do Peba é o nosso verdadeiro tesouro. Está localizada entre os municípios de Piaçabuçu e Feliz Deserto. Aliás, a denominação deste último território foi dada por um náufrago.
Arenosa, extensa, berçário de tartarugas marinhas e cabeça das praias mais belas do Brasil, o Peba é rico com ou sem pirata da perna de pau.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/o-peba-rico.html

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

A BELA BELO MONTE

A BELA BELO MONTE
Clerisvaldo B. Chagas, 5 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.730

POVOADO BARRA DO IPANEMA.  Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).
Quem procura um lugar pequeno, pitoresco e tranquilo para espantar o estresse, indicamos Belo Monte no Sertão do São Francisco, em Alagoas. A sua pequenez física, talvez, seja o encanto bucólico onde o tempo passa devagar. Como permanente sentinela do Velho Chico, era antes fazenda de gado. Nas viagens de D. Pedro II pelo Brasil, também passou o monarca pelas terras desse lugar ao subir de Penedo até a cachoeira de Paulo Afonso. Elevou a povoação à vila com o nome de Lagoa Funda, mas no próprio decreto – encantado com a beleza da paisagem – D. Pedro II mudou o topônimo para a poesia curta de Belo Monte.  Por situar-se num alto rochoso, praia não é o forte da cidade e sim o panorama amplo que se espraia pelo vale do rio São Francisco.
Não chegando aos dez mil habitantes, a cidade oferece uma culinária típica e a calma das suas ruas, passeios de canoas, barcos e lanchas, tendo a Igreja principal da cidade como edifício destaque com a formosa e antiga arquitetura. Em tempos de maior movimento destaca-se nos Carnavais, nas procissões de Bom Jesus dos Navegantes – que acontece nos dias 29 de dezembro a 01 de janeiro – e nas festas da padroeira, Nossa Senhora do Bom Conselho, em 2 de fevereiro. Belo Monte limita-se com Sergipe e os municípios de Pão de Açúcar, Jacaré dos Homens, Batalha e Traipu. À jusante da cidade encontra-se o povoado Barra do Ipanema com uma encantadora praia e o morro/ilha dos Prazeres com a igreja no topo de Nossa Senhora dos Prazeres, recentemente tombada pelo IPHAN a qual demos pequena parcela de contribuição. O lugar deu origem aos nossos livros: “Ipanema um Rio Macho” e “Barra do Ipanema; Um Povoado Alagoano”.
Vários lugares são oferecidos como passeios, inclusive a famigerada serra das Porteiras com 494 metros de altura. É nesse loca onde se encontra a foz do rio Ipanema depois de escorrer por 12 quilômetros no município, formar o mais belo trecho do seu curso com um canhão e corredeiras no povoado Telha, chamadas pelos santanenses de “Cachoeiras”.
Quem quiser chegar a Belo Monte por terra, infelizmente terá de enfrentar uma cabulosa estrada de barro a partir de Batalha, sua cidade recorrível vizinha. Belo Monte também faz parte da Bacia Leiteira do Médio Sertão de Alagoas.





Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/a-bela-belo-monte.html

domingo, 3 de setembro de 2017

EDUCAÇÃO: VOCÊ SABIA?


EDUCAÇÃO: VOCÊ SABIA?
Clerisvaldo B. Chagas, 4 de setembro de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.729

Estamos dentro dos 83 anos da primeira escola grande particular de Santana do Ipanema e, talvez, do Sertão alagoano. Aconteceu em 11 de julho de 1934, a fundação do “Colégio Santanense”, na chamada Rua Nova, número 281. O empreendimento foi executado pelo professor Flávio de Aquino Melo e funcionava nos três turnos. O nível era primário durante a manhã, secundário na parte da tarde e, à noite, Curso Comercial para os que trabalhavam no comércio. Depois, o mano do professor Flávio, Floro de Araújo Melo, continuou o trabalho numa época de escassa mão de obra para o Magistério. Governava a cidade, Francisco de Barros Rego. O nível secundário, que correspondia da quinta a oitava série, apresentava as seguintes matérias: Francês, Matemática, Geografia, História da Civilização, Ciências Físicas e Naturais, Português, Latim, História do Brasil e outras. Existe uma variante da data de fundação, com diferença de dias, mas em 1934.
Em 1938 foi inaugurado o primeiro grupo estadual do município, o “Padre Francisco Correia”, no Bairro do Monumento. E mesmo com essa escola pública, o “Colégio Santanense” continuou funcionando até fevereiro de 1940, quando o proprietário e diretor Floro de Araújo Melo foi embora para o Rio de Janeiro. Na época de Floro, o então, jovem Darras Noya de Pão de Açúcar e que hoje é nome de museu, muito ajudou na parte recreativa do Colégio. Floro tornou-se escritor com vários livros publicados.
O próprio dono do “Colégio Santanense” fala sobre as formas de castigos da época como: ajoelhar o aluno em grãos de milho ou prendê-lo em quarto escuro e aplicar “bolos” na palma da mão com a palmatória.
Antes de 1934, havia às escolinhas, particulares ou não que funcionavam nas residências das próprias professoras. Umas funcionavam somente com meninos, outras somente com meninas. Ainda algumas mistas.  Muito tempo após a fundação do grupo Padre Francisco Correia, outra escola semelhante foi instalada no Bairro Camoxinga, denominada Ormindo Barros.
Escola pública mesmo, da quinta série em diante, somente a partir da fundação da Escola Estadual Deraldo Campos, hoje Mileno Ferreira.
Esperamos que essa crônica tenha sido útil às suas pesquisas educacionais do município.
·         O professor Flávio Aquino Melo, pioneiro de escolas grandes no sertão, faleceu em Recife, vítima de trânsito (ônibus em marcha ré).
·         O professor e escritor Floro de Araújo Melo, faleceu no Rio de Janeiro.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/09/educacao-voce-sabia.html

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

ENCOLHENDO OS COBERTORES

ENCOLHENDO OS COBERTORES
Clerisvaldo B. Chagas, 01 de setembro de 2017
Escritor Símbolo de Santana do Ipanema
Crônica 1.728

Fenômenos os mais estranhos e pesados, podem fazer regredir a população de uma cidade. O fechamento de fonte de renda como mina de ouro, vulcanismo, ameaças militares, tragédias naturais constantes como enchentes, furacões e vários outros motivos tendem à migração. Mas nada disso faz sentido no retrocesso habitacional de 22 cidades alagoanas.
Uma cidade pequena pode – embora não seja comum – ter uma boa qualidade de vida. Mas no caso de Alagoas isso não acontece. Com o aumento da população e o progresso, todos estão em busca de sonhos pessoais. Agora mais do que nunca pelas facilidades de locomoção, a juventude parte da cidade em que nasceu para tentar atingir objetivos na cidade maior. O estudo, a oportunidade de trabalho para os jovens que se deslocam, rebocam com eles os mais velhos da família que são os esteios.
O coronelismo moderno de gestões desastradas e infames nas cidades menores, nada cria, nada atrai, apenas o marasmo dos tempos antigos e mão implacável no cabresto do “seu feudo medieval”. E em muitas cidades não surge sequer uma fábrica de quebra-queixo. Outras cidades, outrora progressistas, perderam muito com novos traçados de rodovias, ficando isoladas ou longe demais dos novos eixos viários para às cidades mais adiantadas. Outras vezes é o próprio dinamismo da cidade vizinha que esvazia a primeira.   Em Alagoas estão perdendo população: Belém, Igaci, Jacaré do Homens, Jacuípe, Jaramataia, Jequiá da Praia, Jundiá, Lagoa da Canoa, Maravilha, Maribondo, Mar Vermelho, Minador do Negrão, Pão de Açúcar, Paulo Jacinto, Pindoba, Porto de Pedras, Quebrangulo, Roteiro, Santa Luzia do Norte, Santana do Mundaú, Tanque d’Arca e Viçosa. Entre elas, cinco são cidades sertanejas.
Apenas duas do total, nos surpreenderam: Maribondo e Viçosa.  Maribondo porque é muita movimentada e dinâmica. Mas, talvez, pela sua facilidade de transporte para Arapiraca e Maceió em tempo curto, tenha acontecido efeito contrário e havido migrações para estudos e trabalho. E Viçosa, tradicional centro cultural e econômico, recebeu logo cedo o abalo da extinção da via férrea e as mesmas facilidade de Maribondo para a capital.

No sertão, Minador do Negrão e Pão de Açúcar ficaram mais distantes do eixo viário (absorvida por Palmeira dos Índios e Olho d’Água das Flores, respectivamente); Jaramataia engolida por Batalha e Arapiraca; Jacaré dos Homens perdido pelo progresso de Batalha e, Maravilha ficando a reboque da grande expansão de Ouro Branco. Mas outros fatores poderão ser analisados onde estão ENCOLHENDO OS COBERTURES.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/encolhendo-os-cobertores.html

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

SÓ VAI À FORÇA

                                                      SÓ VAI À FORÇA
Clerisvaldo B. Chagas, 30 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.727

SALGADINHO, TRECHO DO REGINALDO. Foto: (Agência Alagoas).

Dizem que tudo tem o seu dia. E não poderia ter sido noticiado fato melhor para o estado de Alagoas, principalmente para a capital.  Pelo que saiu através de órgão noticioso, os eternos problemas que afligem a bacia do riacho Reginaldo estão perto do fim. Isso, graças ao responsável pela criação da força-tarefa, o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar, que acredita ver resultados em médio prazo. É finalizada a primeira etapa da força-tarefa para recuperar a bacia do riacho Reginaldo. Foram realizados levantamentos sobre impactos ambientais e o comprometimento da bacia com grande quantidade de sujeira ali jogada, lançamento de esgotos, pouca água das nascentes, poluição, mau cheiro, ocupação irregular às margens e falta de preservação da mata ciliar e das áreas de nascente.
Na força tarefa atuam três promotores de Justiça: Promotoria de Justiça, em áreas diferentes.
Em setembro terá início a próxima fase quando serão ouvidos entes públicos e privados para formação de ações que possam minimizar os dados detectados na primeira fase. E com a segunda fase desse trabalho, com o envolvimento de vários órgãos públicos e privados e com a própria população do vale do Reginaldo, espera-se grande melhoria desse problema que se arrasta por décadas. O Reginaldo é o mais famoso riacho de Maceió e que foi transformado em esgoto. Veja um pequeno histórico publicado pela mesma fonte:
 “A Bacia do Reginaldo é uma homenagem ao juiz Reginaldo Correia de Melo, que atuava junto a órfãos da Vila Massayó, antigo nome da cidade de Maceió, no final do século XIX. Também chamado de Massayó ou Rego da Pitanga, seu trecho mais famoso é o Riacho Salgadinho, que vai da ponte do bairro do Poço até o mar. Ao todo, o rio possui uma área de 30 Km². A extensão do leito principal é de 13,5 Km, iniciando nas proximidades do Bairro Benedito Bentes e desaguando nas águas da Praia da Avenida. O Reginaldo é uma bacia urbana, totalmente dentro dos limites da capital. Alguns outros principais problemas são a ocupação urbana desordenada, que dificulta a administração dos serviços relacionados à água, esgoto, drenagem e a falta de educação ambiental junto aos moradores”.
Em Santana do Ipanema, jamais será solucionada a mesma coisa que ocorre com o trecho final do riacho Camoxinga a partir da Rua Santo Antônio; e com o trecho urbano do rio Ipanema a partir da parte inferior da barragem.
Só uma força-tarefa com o Ministério Público pode resolver. Alerta, sociedade MUDA santanense!








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/so-vai-forca_30.html

terça-feira, 29 de agosto de 2017

RAUL, SATUBA E ROSINA

RAUL, SATUBA E ROSINA
Clerisvaldo B. Chagas, 30 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.726

RIO IPANEMA. Foto: (Clerisvaldo B. Chagas).
“Sou fervoroso adepto da vida na roça. Desde cedo, corpo e alma dediquei-me à plantação, a criação e aos livros. Viver, como ora vivo, em contato direto com a Natureza, ouvindo canto de pássaros livres da floresta, à noite, o sussurro do Ipanema no declínio poético de suas cheias, aspirando o cheiro que se exala da floração dos arbustos que cercam a minha casa e bordam, ainda, as margens do rio, tudo isso, francamente, me parece o sopro de Deus-Vivo embalando a minha própria existência, e o mundo santo da espiritualidade. Sou, portanto, um homem feliz”.
Certa vez encontrei esse personagem no livro de Raul Pereira Monteiro, “Espinhos na Estrada”, publicado em 1999. Referindo-se aos seus costumes de criança, Raul fala das caminhadas que fazia para vê as borboletas esvoaçantes da periferia de Santana do Ipanema. Curioso em vista de alguns boatos, lá no rio, no lugar Volta do Ipanema, resolve desvendar o mistério de um ser solitário chamado Satuba. Descobrindo que Satuba não era assustador como imaginava, mas sim, um doce roceiro intelectualizado e poético que lhe relata o motivo de viver solteirão. Fala do único amor da sua vida com a desastrada Rosina, rompido por ele mesmo. Raul conversa bastante com Satuba.
Adepto também das caminhadas no entorno da minha cidade, fui à Volta lembrar o Satuba apaixonado de cerca de meio século atrás. Nada encontrei que tivesse a menor relacionamento com o roceiro. Nada de Raul para apontar o dedo para algum sítio daqueles e afirmar: “Era ali a morada do romântico”. E assim os sertões estão cheios de histórias esquisitas, algumas capturadas por escritores tão sensíveis quanto os atores naturais encontrados nas quebradas.
      A simplicidade da história bem conduzida faz o pequeno ficar grande na Literatura. Vejamos o desfecho do caso, novamente passando à palavra ao autor:

“No caminho de casa, eu disse de mim para mim, baixinho, mentalmente mesmo, como se temesse fosse o meu pensamento interceptado por alguma viva alma. ‘Fique tranquilo, Satuba’. Eu também sou um covarde – não tive a coragem de lhe transmitir esta outra mensagem, tão sincera, do meu espírito. Você não é como disse, privilegiado nem homem feliz, sob nenhum aspecto. Você é, isso sim, um triste apaixonado”.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/raul-satuba-e-rosina.html

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

LAGOA DO RETIRO: UM DESPERTAR

LAGOA DO RETIRO: UM DESPERTAR
Clerisvaldo B. Chagas, 29 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.723

LAGOA DO RETIRO. Foto: (Agência Alagoas).
Já comentamos muito sobre as lagoas interiores do nosso estado, quase sempre com notícias desagradáveis.  E quando puxamos pelo meio ambiente, trazemos a Geografia, Sociologia, História, Economia porque tudo se acha interligado. Entre essas lagoas, encontra-se a Pé Leve no município de Limoeiro de Anadia como a mais famosa – talvez pela proximidade de Arapiraca – a segunda maior cidade do nosso chão. Após contínuas observações aconteceu o que se previu e a Pé Leve secou. Isso mexe com o ambiente e com a economia do povoado, mouco às constantes advertências. Mas ainda existem outras no Agreste que a muito custo fazem crescer o ditado: “Quando a barba do vizinho arder põe a tua de molho”.
A lagoa do Retiro, no município de Junqueiro, parece querer seguir os conselhos de quem entende. Com orientação das autoridades ambientais “diversos proprietários de terras que englobam parte da área do entorno da lagoa do Retiro, cumpriram a determinação de um recuo de suas cercas, a uma distância de 30 metros” onde foram plantadas 380 mudas de árvores nativas, incentivo do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas – IMA/AL. Isso faz parte do projeto Alagoas Mais Verde. A finalidade dos que plantaram árvores como o ingá, jenipapo, jaqueira do brejo, pau-brasil e peroba-rosa é proteger o entorno da lagoa e seus acessos. Estudantes e órgãos do município participaram das ações em favor da Natureza.
Mas é sabido que se precisa agir em outras frentes importantes da consciência ambiental para que todos os efeitos juntos permitam perenemente a salvação da lagoa. Não tivemos mais notícias sobre a Pé Leve e, uma visita nossa planejada ainda não foi possível. Enquanto isso, em Maceió, a lagoa marítima da Anta vive ameaçada pelos esgotos e apresentando peixes mortos. Pelo menos ali o bocão popular denuncia e, a pressão da Imprensa conduz para os consertos. No Sertão, antigas lagoas desapareceram pela ignorância humana. Uma ou outra pode ter sido aproveitada para construções de barreiros.
      Esperamos que as ações para salvar a lagoa do Retiro sirvam de exemplo altamente aproveitável, para trabalhos semelhantes em todos os rincões do estado.














Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/lagoa-do-retiro-um-despertar.html

domingo, 27 de agosto de 2017

SERTÃO PARABENIZADO

SERTÃO PARABENIZADO
Clerisvaldo B. Chagas, 28 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.724

Foto: (Agência Alagoas).
Meu sertão velho de guerra! Duas vitórias de peso seguidamente aconteceram em seu território alagoano. A primeira – já falamos aqui algumas vezes – foi o início do asfaltamento da antiga rodagem, estrada de Lampião, do povoado Carié, em Alagoas, a Inajá, Pernambuco. Dizem os entendidos, que o povoado é o maior entroncamento do Nordeste. O asfalto esperado por 50 anos já está em pleno andamento. Em primeiro plano, a cidade de Canapi e seu município serão os grandes beneficiados saindo do isolamento viário que fez colecionar inúmeros prejuízos. Estando no Carié, você pode atingir o estado de Pernambuco pelo oeste chegando a Inajá. Pode também chegar a Pernambuco pelo norte atingindo Garanhuns. Caso siga para o sul, Paulo Afonso lhe espera na Bahia. No rumo leste, você buscará Santana do Ipanema e Maceió. Deu para entender a enorme importância do Entroncamento Carié?
A segunda vitória foi um posto moderno que a Polícia Rodoviária Federal acaba de conquistar no mesmo entroncamento. Ouvimos de quem ali trabalhou na obra que foi gasto muito dinheiro, mas que o posto ficou tão bonito, bem feito e adiantado (com equipamento de ponta) que tem que se pensar duas vezes antes de se passar por ali com cargas irregulares. O novo posto rodoviário foi inaugurado sexta-feira passada e recebeu o nome do santanense Luiz de Gonzaga Pereira, conhecido pelos amigos simplesmente por Zaga. Na linguagem específica, a nova instalação foi intitulada: Unidade Operacional Luiz de Gonzaga Pereira Santos, em homenagem ao PRF morto em serviço, em 2015, em atendimento de acidente de trânsito na região. Luiz Gonzaga, antes de ser policial fora um dos pioneiros de gráficas em Santana do Ipanema, na denominada Rua Nova.
         “Localizada no km 49 da BR 316, essa é a primeira Unidade Operacional da Polícia Rodoviária Federal no estado que segue os novos padrões de modernização do órgão, garantindo a seus policiais melhores condições de trabalho, segurança e tecnologia”. Houve muita festa na ocasião, inclusive, banda de música de Paulo Afonso (Bahia) e como sempre, várias autoridades que foram valorizar o evento.
Acreditamos que a vitória tenha sido do sertão alagoano e do Nordeste como um todo.







Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/sertao-parabenizado.html

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

SERRA DO POÇO

 SERRA DO POÇO
Clerisvaldo B. Chagas, 25 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.721

SERRA DO POÇO. Foto (Clerisvaldo B. Chagas).
A serra do Poço faz parte do Maciço de Santana do Ipanema, Médio Sertão de Alagoas. Possui um pouco mais de 500 metros de altura. Embora esteja distante da cidade em cerca de seis quilômetros, faz parte dos montes que circundam a urbe. É majestosamente avistada de quase todos os pontos urbanos e parece ter sido uma das primeiras áreas a ser habitadas na história do município, mesmo sem habitações contínuas. Já foi celeiro de frutas, andu, fava e plantas medicinais da região sertaneja. Com o esvaziamento do espaço – cujas novas gerações preferiram viver na cidade – falta de mão de obra, não renovação dos pomares, desmatamento e exaustão das terras, a serra do Poço empobreceu.
 Houve tempo, quando a serra ainda era o Jardim do Éder, em que vários rapazes quiseram comprar terras no topo. A ideia  era construir cabanas para usá-las durante as neblinas de inverno e as aragens do verão; refúgio de férias e fins de semana. Mas os projetos de arranque ficaram apenas nas mesas do “Biu’s Bar” da Rua Delmiro Gouveia. E se todos os produtos apresentados como sendo da serra do Poço eram garantidos, garantida continua sua altitude, aragens, frieza e neblina das estações. O Gugi, a Camonga, Caracol (citada no primeiro documento sobre Santana) Remetedeira, são serras que ainda hoje aguardam o incentivo do turismo no sertão na forma de paisagismo, trilhas, chalés e escaladas.
A serra do Poço divide-se pela metade em terras de Santana do Ipanema e do Poço das Trincheiras, município vizinho, daí a sua denominação. Os dois principais acessos à montanha, saindo do centro de Santana, é pelo sítio Água Fria. O outro é pelo sítio Salgado no lugar conhecido como “Fazenda de Seu Didi”. Essa é a antiga estrada de terra que passa por outros sítios como Camoxinga dos Teodósios e Pinhãozeiro em direção a Águas Belas, Pernambuco. Foi aberta pelo prefeito Pedro Gaia em 1938, o mesmo prefeito que fez a primeira reforma física da prefeitura.

Ambos os acessos foram sempre péssimos e nem é preciso bater nessa velha tecla enferrujada. Mas a paisagem que você vai contemplar do cimo, compensará a língua de fora se a subida for a pé.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/serra-do-poco.html

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

FERREIRINHA

FERREIRINHA
Clerisvaldo B. Chagas, 24 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.722

MARCELLO, FERREIRINHA, CLERISVALDO. Foto: (Arquivo Clerisvaldo).
A contribuição de artistas para o próprio município continua com a máxima de Jesus de que “ninguém é profeta em sua terra”. Na sua contribuição versátil à cultura popular, o poeta, compositor e cantor Ferreirinha iniciou sua vida artística abrindo caminho no sertão para a música sertaneja, ainda tabu nessa região interiorana. Tabu porque só se ouvia o forró sem vez para a música de raiz do distante Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Foi ele quem enfrentou a indiferença pela chamada atualmente de “música sertaneja” daquelas regiões, formando dupla com Ferreira. A dupla cresceu e passou a ser convidada para espetáculos nos mais diferentes lugares em Alagoas, Pernambuco e Bahia. Ganhou muitos aplausos de multidões em praças públicas, notadamente em festas de vaquejadas e de política. Com o passar do tempo, a única dupla sertaneja de Santana do Ipanema se desfez. José Cícero Barbosa, o Ferreirinha, então, passou a cantar sozinho pelos mesmos espaços já conquistados com o colega.
Talvez pela sua humildade Ferreirinha ainda não tenha sido reconhecido como o artista mais mutável da terrinha: canta sertanejo, toca viola, declama poesias matutas, improvisa, canta serestas e compõe. Faz parte do coral da Igreja Matriz de São Cristóvão, da AGRIPA e do nosso círculo de amizade. Acometido por um mal muito difícil, Ferreirinha venceu mais essa etapa. Após a cirurgia realizada na cidade de Arapiraca, o artista repousa em sua residência sob os cuidados e carinho dos seus familiares. Graças a Deus vai se recuperando bem do abalo que veio para sua provação.
Terça-feira passada, eu e o escritor Marcello Fausto estivemos com o valoroso Ferreirinha, com os mimos de amizade e respeito profundo, tanto pelo homem quanto pelo artista. Repetimos para ele o que nos disse o forrozeiro Manoel Messias, o Imperador do Forró: “Quebrou uma peça da gráfica para que lhe desse tempo de recuperação para o lançamento do livro 230”. E Ferreirinha, lépido, passou a cantar meu cordel presenteado “A Igrejinha das Tocaias; sua história”.

Esta semana voltaremos lá novamente quando ouviremos sua viola que só falta falar.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/ferreirinha.html

terça-feira, 22 de agosto de 2017

QUIXABEIRA

QUIXABEIRA
Clerisvaldo B. Chagas, 23 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.721

QUIXABEIRA. Foto: (Paisagismodigital).
O desmatamento da caatinga continua. Entre suas árvores, destaca-se a quixabeira com nome variado conforme a região nordestina e norte de Minas Gerais. Preta, sapotiaba, espinheiro, coronilha, maçaranduba-da-praia e rompe-gibão, são algumas denominações que se dá a Sideroxylon obtusifolium. Quando se trata de sombra a quixabeira é rainha e tem sempre a preferência dos caminhantes, cuja proteção parece uma casa. Não é raro no sertão se dizer que determinada quixabeira é mal-assombrada. É que até os espíritos errantes gostam de se arrancharem em mangueiras e quixabeiras. Essa árvore pode atingir até 15 metros de altura e produz pequenos frutos pretos, adocicados e leitosos apreciadíssimos pelos caprinos.
Sua madeira é dura e espinhosa. A casca é adstringente, tonificante, antidiabética, anti-inflamatória e cicatrizante. As flores são aromáticas. A quixabeira é muito utilizada na medicina popular, sendo uma das mais indicadas contra o diabetes. Devido ao uso constante e indiscriminado, a espécie se encontra cambaleante, precisando incentivo para sua reprodução.
Encontramos sempre alguma pessoa negra com apelido de Quixaba. É que esses frutos pequenos e arredondados, de um verde-oliva inicial, amadurecem passando para o preto retinto.  
Os raizeiros do sertão aceitam encomendas de garrafadas contra o diabetes que são feitas com a entrecasca da planta. Em casa a bebida é mantida em geladeira que vai sendo tomada de acordo com as orientações.
Em Alagoas, no município de Santana do Ipanema, existe um povoado a 12 km da cidade, chamado antigamente de Quixabeira Amargosa. Estar localizado nas faldas da região serrana e teve o título mudado para São Félix. Nessa área sertaneja é encontrada a árvore citada, mas também se encontra a Sideroxylon na parte mais plana do relevo da depressão sertaneja e do São Francisco. Entretanto, a medida que o tempo passa, mais difícil vai ficando encontrá-la com sua majestade. Não somente a quixabeira, mas todas as arvoretas e árvores do sertão vivem permanentemente ameaçadas. A fiscalização ainda é muito frágil e vai perdendo a corrida pela sobrevivência do meio selvagem da caatinga.










Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/quixabeira.html

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

CAPIVARA SEM VEZ


CAPIVARA SEM VEZ
Clerisvaldo B. Chagas, 22 de agosto de 2017
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica 1.720

SERRA DA CAPIVARA. (Foto divulgação).
No Brasil, falar em qualquer tipo de benefício é sempre difícil. E quando o tema é parque nacional, demarcação de terras indígenas, reforma agrária, o sofrimento sempre foi enorme e dorido. Tenho admirado o trabalho exaustivo da arqueóloga Niéde Guidon – expressivo orgulho nacional – sua guarda e preocupação com o Parque Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí. Neste País é uma batalha quase sem fim para se fundar um parque e uma luta sem fim para conservá-lo. Além da indiferença oficial das autoridades, a batalha é dura e renhida contra as ações do tempo e das invasões dos maus intencionados. Coitada da heroína, lutando e dando sua vida pelo patrimônio cultural do Brasil, quando ela mesma já é expoente do mundo na ciência que abraçou.
Veja o que aconteceu no Parque Nacional da Serra da Capivara a cerca de 530 km da capital Teresina: “Segundo a Polícia Militar de São Raimundo Nonato, um dos municípios que compõem o parque, pelo menos quatro pessoas estavam caçando animais dentro dos limites da Serra da Capivara. Ao serem identificados por três guardas, entraram em conflito e se envolveram em um tiroteio. Dois funcionários ficaram feridos e o outro morreu. Outro dois suspeitos tiveram ferimentos, foram localizados neste sábado (28) e encaminhados para um hospital de Floriano (a aproximadamente 250 km da capital). O restante do grupo conseguiu fugir. A polícia faz buscas na região”.
Veja mais: “O confronto aconteceu no município de João Costa. O Parque Nacional da Serra da Capivara foi criado em 1979 e, desde 1991, é considerado Patrimônio Cultural pela UNESCO. Parte de um corredor ecológico de 414 mil hectares, o parque é um dos principais centros científicos de arte rupestre do mundo, com escavações que revelaram vestígios de mais de 50.000 anos e mais de 900 sítios arqueológicos catalogados”.
Numa proporção muito menor, a conservação da Reserva Tocaia em Santana do Ipanema, não fica atrás dessas preocupações. O que o senhor Alberto Filho, enfrenta todos os dias na reserva, seria motivo de uma conferência para todos os santanenses. Ah! Muitas autoridades ligadas ao tema nem gostariam de ouvir.

Joel Si






Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2017/08/capivara-sem-vez.html