sexta-feira, 28 de agosto de 2015

NOSSA SENHORA DOS PRAZERES



NOSSA SENHORA DOS PRAZERES
Clerisvaldo B. Chagas, 28de agosto de 2015
Crônica Nº 1.482
Maceió vai comemorando a festa da sua padroeira, Nossa Senhora dos Prazeres. A história da santa confunde-se com a fundação da Igreja, cujo lançamento da primeira pedra aconteceu na tarde do dia 22 de julho de 1840. Com a bênção do Visitador Diocesano, Cônego Afonso de Albuquerque, em 20 de dezembro de 1859, consolida-se o templo de Maceió. Já no dia 31, após a missa, a nova imagem da Padroeira, ofertada pelo Barão de Atalaia foi benzida pelo Visitador. “À tarde, sua majestade D. Pedro II transpôs os umbrais do templo. Com notas vibrantes é entoado o hino de ação de graças”.
Antes, porém, de Maceió, Nossa Senhora dos Prazeres, já estava na igreja do povoado Barra do Ipanema, no rio São Francisco. Descoberta numa loca de pedra no morro-ilha diante da foz do rio Ipanema, foi entronizada na igreja que havia no cimo do morro. É de se notar que na época subiam e desciam navios de porte no baixo São Francisco, transportando mercadorias e passageiros. Muitas coisas chegavam em primeira mão pelos sertões dos navios e carros de boi.
Pelos nossos estudos, Nossa Senhora dos Prazeres, cujo morro também herdou seu nome, não foi entronizada junto à capela erguida em 1624 para dá abrigo a imagem de São Brás.
A história de Nossa Senhora dos Prazeres na Barra do Ipanema, município de Belo Monte, Alagoas, ganha nuances inéditos frutos dos nossos estudos sobre o povoado. Concluindo o nosso livro, quando for lançado, por certo, causará espanto e interesse dos pesquisadores que se interessam pelo assunto.
É bom frisar, que mesmo assim, Nossa Senhora dos Prazeres não é a padroeira do povoado Barra do Ipanema e sim, São João.
Enquanto isso, parabenizamos a nossa capital pelos seus festejos religiosos.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2015/08/nossa-senhora-dos-prazeres.html

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A BIBLIOTECA DO BARÃO



A BIBLIOTECA DO BARÃO
Clerisvaldo B. Chagas, 27 de agosto de 2015
Crônica Nº 1.481
Biblioteca Pública. Foto: (Alagoas Memorável (Patrimônio Arquitetônico).
Contemplando antigos casarões da minha terra, notamos a imponência arquitetônica dos tempos de vila. Pelo menos dois desses edifícios, construídos pelo coronel Manoel Rodrigues da Rocha, antes de 1920, funcionaram como biblioteca pública, na segunda metade do século vinte.
Sem levar em conta outros fatores que podem desgastar os livros, vem um velho costume de abrigá-los em casas enormes e antigas, muitas vezes caindo aos pedaços. A mesma ideia jericosa dos museus.
Esses prédios notáveis lembram também a minha época de estudante na capital e o centro histórico de Maceió onde se encontram a Assembleia Legislativa e o Sobrado do Barão. O Sobrado do Barão ainda funciona como biblioteca pública, batendo com o meu tempo estudantil. Saído do abrigo dos livros do interior a cargo de Nilza Marques, também encontrei muita ordem no Sobrado do Barão. Nada ali, porém, era melhor do que o comando da santanense, a não ser pela enorme quantidade de livros e o espaço. O que mais me chamava atenção, todavia, era o rigoroso silêncio de leitura no ambiente. Qualquer coisa a mais, ganhava um longo psiu da encarregada.
“Construção da primeira metade do século XIX, o sobrado hoje ocupado pela Biblioteca Pública está entre os mais representativos monumentos de arquitetura residencial do estado, composto por três andares, mais um mirante visível na frente. Sua característica é a sobriedade de estilo, ao molde português, com pavimento térreo marcado por cômodos de acesso independente e porta central que leva aos andares superiores, reservado à moradia da família. Nove janelas avarandadas com gradil de ferro preenchem a fachada da área residencial. Passou a ser conhecido por palácio a partir de 1859 por ter servido de hospedaria ao casal imperial, dom Pedro II e dona Tereza Cristina, em visita à Alagoas”.
Essas informações estão na publicação Alagoas Memorável (Patrimônio Arquitetônico) da Organização Arnon de Mello.
Entre recordações e cultura, o mês de agosto vai chegando ao fim.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2015/08/a-biblioteca-do-barao.html

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

O GOVERNADOR E O PICOLÉ



O GOVERNADOR E O PICOLÉ
Clerisvaldo B. Chagas, 26 de agosto de 2015
Crônica Nº 1.480
Foto: (Francisco Aragão).

Cada um tem seu modo de ser e, seu Nouzinho tinha o dele. Vindo de Viçosa, Alagoas, em 1936, passou a ser comerciante e fazendeiro em Santana do Ipanema. Tornou-se amigo do famigerado coronel Lucena e por este indicado para prefeito interventor da sua nova cidade. Sem nunca esboçar um sorriso, foi um folião solitário dos Carnavais do Sertão. Com apenas uma simples máscara fina, talvez comprada na casa Rainha do Norte, do empresário e comerciante Tibúrcio Soares, desfilava sem nenhuma companhia pelas principais ruas e avenidas. Era o seu jeito.
Firmino Falcão Filho exerceu o mandato de prefeito interventor, em Santana do Ipanema na gestão 1947-1948. Em tão pouco tempo, o homem que montou a Sorveteria Pinguim, no Bairro Monumento, muitas coisas importantes realizou como prefeito nomeado pelo governador Silvestre Péricles. Tinha orgulho de ser chamado “prefeito marca três efes”. Muito ajudou o time da cidade Ipanema e, foi ele quem construiu a ponte de concreto que liga o Comércio ao Bairro Camoxinga.
Os picolés da sua sorveteria eram feitos de essências e tinha o morango como carro-chefe, embora os sertanejos nunca tivessem visto um morango in natura.
Brincalhão sem sorriso, sempre se saía com suas próprias tiradas. Despachando na sorveteria, atendeu a um matuto que lhe perguntou de que era aquele picolé tão verde assim. Respondeu sem pestanejar: “É de mata-pasto”, erva daninha da região. Outra vez indagado de que era feito aquele picolé que não tinha gosto de nada, respondeu Seu Nouzinho ao cliente: “Você que está chupando não sabe, quanto mais eu que sou o dono”.

xxx

O nosso governador Renan Filho, como candidato, pregou que a Educação era tudo, dando a entender que por ela não seria mais um. Depois que deu a impressão de que seria um bom governo, começou a esfarrapar, perdendo completamente o crédito com o funcionalismo. Sua proposta de reajuste ao Magistério é uma grande piada de mau gosto e deboche que só encontra igual no governo que passou. Uma VERGONHA! E para não dizer muita coisa sobre o homem do palácio, em relação aos professores, assemelha-se ele, no momento, à qualidade peste do picolé de seu Nouzinho.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2015/08/o-governador-e-o-picole.html

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

AVISTANDO A RESERVA



AVISTANDO A RESERVA
Clerisvaldo B. Chagas, 25 de agosto de 2015
Crônica Nº 1.479

NINHAL DAS GARÇAS E A RESERVA TOCAIAS. Foto: (Clerisvaldo).
A consciência ecológica ainda tem grande parte do rabo de fora. Desmatamento é coisa constante em nosso Nordeste, particularizando agreste e sertão das Alagoas. No grande número de padarias do sertão e nas fabriquetas de queijos e manteigas, o uso de vegetais de caatinga se amontoa. Parece até que existe uma blindagem contra a fiscalização que nunca aparece para coibir a prática vergonhosa do desmatamento; o uso ilegal do que ainda resta da mata branca. E se a tal fiscalização aparece, pouca gente sabe, quase ninguém vê. Pelas estradas do Agreste, a paisagem original de transição, deu lugar a campos limpos e, quem quiser, pode contar nos dedos as árvores de porte que escaparam do machado.
No Sertão, o crime ecológico se repete. Em inúmeras rodovias asfaltadas e mesmo estradas de terra, é sacrifício para quem sente a tal dor de barriga. Uma só moita que lhe permita esconder-se totalmente, nos despachos dos intestinos, não se encontra. O pelado das regiões faz com os animais selvagens ─ os que escaparam ─ procurem os cocurutos de algumas serras mais distantes e de difícil acesso ou os lixões periféricos das cidades. Quando a seca vem, acaba com o restinho de solo fértil que ainda resta.
E vou apreciando da minha casa, todos os dias, um naco do serrote Pelado, dentro da reserva particular Tocaias, daquele que foi herói de guerra, professor e comerciante, Alberto Nepomuceno Agra. Nem sei como o seu filho Alberto consegue defender a reserva da ambição de muitos naquela parte da periferia urbana! Mas, as agruras encontradas na luta do cotidiano, também abrem as cortinas da natura para espetáculos deslumbrantes. O ninhal formado pelas garças do Centro-Oeste, em migração, fica a cerca de um quilômetro da reserva Tocaias, entre o Hospital Dr. Clodolfo Rodrigues de Melo e o rio Ipanema. Todos os dias à tardinha o ninhal com cerca de 2.000 mil aves aguardam os curiosos. Dano à máquina para cima e a foto parece ligar o ninhal com o serrote Pintado, mas é apenas uma ilusão de ótica. Em breve, elas retornarão às origens.
Abençoados sejam os conservadores da Natureza.  


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2015/08/avistando-reserva.html

domingo, 23 de agosto de 2015

GILMAR E O LATÃO DE GASOLINA



GILMAR E O LATÃO DE GASOLINA
Clerisvaldo B. Chagas, 24 de agosto de 2015
Crônica Nº 1.478

Foto: (Wikipédia).
Não existe lei perfeita no mundo. Também não se pode dizer que sempre ao se aplicar a lei, justiça foi feita. Fora isso, ainda tem a fraqueza, covardia, parcialidade e venda de quem as aplica, não em resumidos casos. Não se pede somente justiça ao magistrado, mas também coerência equilíbrio e que inúmeras vezes são mais importantes do que a lei, propriamente dita. Vê-se também que neste mundo, ninguém é sábio o suficiente para ser perfeito. E quando o chamado sábio erra, parece causar muitos mais danos do que o homem do chapéu de couro. Se a exigência da sabedoria individual já e cobrada de homens de leis em circunstâncias normais, imaginemos, pois, em momentos tensos e controversos.
Estão sendo investigados 52 políticos “grandolas”, inclusive o presidente da câmara e um ex-presidente do Brasil. A inquietação política, faz com que haja manobras e descomposturas dos investigados e de outros, cuja carapuça também aguarda a sondagem velada. Somada a isso, a loucura de um cabra de Minas procura agitar o Brasil em proveito próprio, sem medir atos e consequências. Movimentos nas ruas acontecem manobrados por ele e seus cupinchas; outros movimentos em favor da democracia e do respeito ao voto, também compensam o fiel da balança. Quem viveu o golpe de 64 e o período dos 20 anos da botina, entende, perfeitamente, o que poderá acontecer.
Diante de tudo isso, quando se espera equilíbrio do Ministro Gilmar Mendes, surge o homem com um latão de gasolina para jogar na fogueira que ele ainda está achando pequena. Ninguém está acima do bem e do mal, nem nós, nem Dilma, nem o próprio Gilmar. Não estamos defendendo Dilma, PT ou quem quer que seja. Queríamos apenas sabedoria de parte do Ministro. Não é momento de investigação sobre a campanha de Dilma. Esperávamos, unicamente, que todo o problema atual dos 52 fosse concluído e, no momento propício, com águas calmas, o ministro procurasse fazer a investigação sobre o dinheiro de campanha do PT. O ministro Gilmar Mendes, colocou o poder, a lei e a doidice a serviço do demo. Caso haja uma guerra civil armada no país ou uma tomada de poder militar, vai sobrar para todos, inclusive para o dono do latão de gasolina.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2015/08/gilmar-e-o-latao-de-gasolina.html