sexta-feira, 30 de maio de 2014

ACEITA UMA FRECHADA?



ACEITA UMA FRECHADA?
Clerisvaldo B. Chagas, 30 de maio de 2014
Crônica Nº 1.200

Foto: Lucas Salomão, G1.

“Uma flecha é um projétil disparado com um arco. Ele antecede a história e é comum a maioria das culturas.
Uma flecha consiste de uma haste longa e fina, com seção circular, feita originalmente de madeira e agora também de alumínio, fibra de vidro ou de carbono.
Ela é afiada na ponta ou armada com uma ponta de flecha em uma extremidade, dispondo na outra de um engaste (nock) para fixação na corda do arco. Pontas de flecha são disponibilizadas em uma variedade de tipos, adequando-se ao uso que será feito da flecha, seja desportivo, caça ou militar. Próximo à extremidade posterior da flecha são colocadas superfícies de estabilização que constituem a empenagem da flecha, a fim de ajudarem na estabilização da trajetória de voo. Geralmente em número de três, as penas são dispostas ao redor da haste formando um ângulo de 120º entre si. Nas flechas modernas as penas são fabricadas em plástico e afixadas com cola especial.
Artesãos que fabricam flechas são conhecidos como "flecheiros", termo relacionado à palavra francesa para flecha, flèch
Conforme a flecha voa em direção ao alvo, sua haste irá entortar-se e flexionar de um lado para o outro, lembrando um peixe debatendo-se fora da água e caracterizando um fenômeno conhecido como paradoxo do arqueiro.
O equipamento, espécie de coldre ou estojo, usado para carregar as flechas usadas pelos arqueiros desde a mais remota antiguidade é chamado de aljava”.
Mas o povo brasileiro gosta de inventar palavras e associar situações. Conheci um sujeito, humorista por natureza, que bebia cachaça. Quando dava a sua hora de enfrentar o copo, dizia para os amigos: “Vou ali tomar uma frechada”.
Mas flechada de verdade ainda existe no Brasil moderno. Bem que o protesto dos índios em Brasília foi uma coisa inusitada. Devidamente caracterizados e pintados para a guerra, misturaram-se a outros descontentes e não foram ouvidos pelas autoridades. Deu no que deu.
Perambulando entre um prédio público e outro, os indígenas foram atacados pela cavalaria. Índio é bicho disposto, tome flechada num cavaleiro que talvez se julgasse do Apocalipse. Vai para o hospital o infeliz varado na coxa, pensar porque atacava os indefesos. Índios contra a cavalaria numa cena tipicamente urbana, e flechadas das boas repercutiram pelo globo.
Isso faz lembrar o tempo em que certo governador de Alagoas, mandou que a cavalaria massacrasse os professores diante do palácio, educadores que apenas queriam dialogar com ele. Os castigos de Deus não tardaram e ainda hoje o ditador sofre às consequências.
O meu compadre quer ser índio explorado, policial metido à besta, professor insatisfeito ou governador padrão bufa?
A única saída desse quadrado, amigo, é esquecer tudo. Vamos comigo, comemorar 1.200 crônicas escritas para o mundo! ACEITA UMA FRECHADA?



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2014/05/aceita-uma-frechada.html

quarta-feira, 28 de maio de 2014

REFLETINDO NOS CAÇUÁS



REFLETINDO NOS CAÇUÁS
Clerisvaldo B. Chagas, 29 de maio de 2014
Crônica Nº 1.199

“Na mitologia de vários povos, os primeiros seres humanos foram criados a partir de elementos da natureza, como argila e areia.
Um antigo povo da América do Sul, os tiahuanacos, acreditava que o deus Wiracocha teria emergido das águas do lago Titicaca para criar o primeiro casal humano.
Um mito da Indochina conta que os primeiros seres humanos viviam em um paraíso, podiam voar e conversar com os animais e as plantas. Lá havia ferramentas que trabalhavam por eles e sua única obrigação era alimentá-las. Mas houve uma vez em que os seres humanos não cuidaram das ferramentas. Elas então castigaram os homens, fazendo-os trabalhar na Terra para sempre.
Um mito africano, dos povos iorubas, conta que Obatalá criou os primeiros seres humanos modelando-os em barro. Foi o sopro do deus Olodumare, porém, que deu vida a eles.
Já no chamado Antigo Testamento, um conjunto de livros sagrados para os judeus e que também faz parte da Bíblia dos cristãos, há uma explicação para o surgimento dos seres humanos. Segundo a narrativa bíblica, tudo o que há na Terra foi criado por Deus.
As explicações mitológicas influenciaram as tradições e os costumes de muitos povos. Nelas os seres humanos teriam sido criados com a mesma aparência de hoje, sem passar por transformações ao longo do tempo. Tais explicações também são chamadas criacionistas”. (VAZ, Maria Luísa & Panazzo, Sívia. Jornadas.hist. 2. ed. São Paulo, Saraiva, 2012. Pag. 41).
Ao longo da vida conheci e conheço muitos que poderiam achar simpáticas às teorias da origem do ser humano; além de simpáticas, divertidas até. Para esses o que não pode ser divertido é à saída do homem da Terra. “Que ingratidão de Deus! Depois de se roubar tanto e oprimir com arrogância do próprio sangue, não poder levar o que arrebanhou”. Na linguagem chula, basta um dinheirinho a mais, um carguinho ou a menor vaga da carreira política: os homens cagam dinheiro e as mulheres mijam loção.
De bolso liso, sobe ou desce o defunto safado, mas não tem muita certeza de como subornar o fisco dos céus ou as catervas de satanás.
Ô povo besta da peste!
·        Título nosso.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2014/05/refletindo-nos-cacuas.html

AGRIPA, CASAL E CÂMARA, PRESSIONARÃO A CODEVASF



AGRIPA, CASAL E CÂMARA PRESSIONARÃO A CODEVASF
Clerisvaldo B. Chagas, 28 de maio de 2014
Crônica Nº 1.198

Presidente e Vice, da AGRIPA, Sérgio Soares Campos e Clerisvaldo Braga das Chagas. (Foto Agripa/Arquivo).
Como ficou acertado no último encontro entre AGRIPA e autoridades, no auditório da prefeitura, haverá uma forte aliança em favor do rio Ipanema e seus afluentes urbanos.
Segundo a CASAL, a estrutura de saneamento de Santana do Ipanema, via CODEVASF e realizada por certa empresa, não permite a operalização total do sistema. Enquanto isso, ninguém sabe de fato, quantos milhões de metros cúbicos de fezes são jogadas diretamente no riacho Camoxinga e no rio Ipanema. Esse é um caso de calamidade que vem se arrastando sem nenhuma reação de autoridades e sociedade organizada.
Guardiões ouvem explicações da CASAL. (Foto Agripa/Arquivo).
Cansado dessa mordaça que impede de apontar onde estão os milhões e milhões que supostamente foram enterrados no subsolo santanense, surgiu um grupo de cidadãos e cidadãs que não dará tréguas em busca de respostas. Onde está a verdade sobre o saneamento de Santana e a destruição do seu calçamento? Quem foi denunciado? Quem denunciou? Quem já foi preso?
A CASAL já acionou em vão a CODEVASF, segundo seu coordenador José Arnaldo, para que ela resolva consertar o que está errado visando realizar a coleta do material dos esgotos.
Presidente da Câmara José Vaz. (Foto: Agripa/Arquivo).
Esclarecida essa parte, A Companhia de Saneamento de Alagoas, ficou de enviar relatório à Câmara de Vereadores Tácio Chagas Duarte, através do seu presidente José Vaz que se comprometeu a lutar junto da CASAL. O mesmo relatório deverá ser entregue a AGRIPA – Associação Guardiões do Rio Ipanema, através do seu presidente Sérgio Soares Campos, quando haverá uma ação conjunta das três forças sobre a Companhia de desenvolvimento do Vale do São Francisco – CODEVASF.
A AGRIPA está disposta a ir à luta, deslocando-se até aquela companhia, se for preciso, uma vez que não vê movimentação alguma nesse sentido, da Secretaria da Agricultura e do Meio Ambiente. Os guardiões e os vereadores aguardam o relatório do coordenador da CASAL, para o início da pressão contra esse crime sobre a Natureza e o povo santanense.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2014/05/agripa-casal-e-camara-pressionarao.html

segunda-feira, 26 de maio de 2014

ESCRITOR ALAGOANO E AGRIPA VÃO ÀS TRINCHEIRAS



ESCRITOR ALAGOANO E AGRIPA VÃO ÀS TRINCHEIRAS
Clerisvaldo B. Chagas, 27 de maio de 2014
Crônica Nº 1.197

AGRIPA EM REUNIÃO. Foto de arquivo.
A Associação Guardiões do Rio Ipanema – AGRIPA - realizou ontem, a última sessão do mês de maio, em sua sede provisória, Escola Estadual Professora Helena Braga das Chagas.
O presidente em exercício, escritor Clerisvaldo B. Chagas, presidiu os trabalhos da noite, passando a palavra à secretária Maria Vilma de Lima que leu a Ata da Sessão Anterior, aprovada sem emendas. Após a Leitura do Expediente, houve excelentes e proveitosas discussões sobre os temas apresentados. Foi aprovado o calendário de limpeza do lixo do Ipanema e seus afluentes, a pedido do prefeito Mário Silva. O calendário será entregue ao prefeito ainda esta semana em caráter oficial, tendo ficado todas as primeiras terças do mês, durante o ano de 2014.
A noite festiva com os familiares da AGRIPA e convidados foi aprovada para a noite do dia 25 de junho.
Ainda foram discutidas e aprovadas questões como página da AGRIPA no Face e acrescentados itens aos Estatuto, sobre problemas de faltas.
AGRIPA EM REUNIÃO. Foto de arquivo.
A discussão maior foi sobre a entrega de titulares de pastas do poder público que estão completamente omissos em suas atribuições ambientais, principalmente sobre os nossos cursos d’água e as não ações sobre problemas gritantes e ignorados em outro setor, recentemente denunciado pela TV Gazeta. Essa entrega seria ao Ministério Público, a imprensa total e ao IMA. O Guardião Manoel Messias, conseguiu contornar as denúncias, por enquanto, mas os guardiões, em geral, irão mostrar o que fazer com os omissos que desdenharam do convite de responsabilidades.
Na Palavra a Bem da AGRIPA, a notícia do elogio do IMA à AGRIPA e os pedidos de inúmeros dados pera homenagens em Maceió.
A coordenadora do meio ambiente de Poço das Trincheiras, professora Aparecida, esteve na sede da AGRIPA quando convidou o guardião e escritor Clerisvaldo B. Chagas, para uma palestra durante evento sobre o meio ambiente naquele simpático município.
A AGRIPA recebeu a notícia com imensa satisfação e aprovou a ida do guardião indicado para essa nobre tarefa. A professora Aparecida estará de volta na próxima segunda, oficializando o pedido e assistindo a sessão da AGRIPA, com seus convidados.
O Tempo de Estudos foi ministrado pelo professor e guardião Ariselmo de Melo, levando a todos um pensamento de Mahatma Gandhi.
Em não havendo mais nada a tratar, o presidente passou a palavra ao mesmo guardião que, como Orador, fez sua avaliação como uma das melhores realizadas pela AGRIPA. O presidente em exercício, Clerisvaldo Braga das Chagas, deu por encerrada a sessão.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2014/05/escritor-alagoano-e-agripa-vao.html

OS RUMOS DA JUVENTUDE



OS RUMOS DA JUVENTUDE
Clerisvaldo B. Chagas, 26 de maio de 2014.
Crônica Nº 1.196
Ilustração: (gréciaantigaeatual.blogspot.com).

“Na sociedade espartana aos sete anos, os meninos das famílias ricas eram enviados para acampamentos militares onde praticavam exercícios físicos, enfrentavam fome, sede e frio a fim de se prepararem para dificuldades que provavelmente enfrentariam em uma guerra. Aprender a ler e escrever não eram considerados importantes.
Para aperfeiçoar seu treinamento, aos catorze anos os jovens acompanhavam os soldados em batalhas de verdade. Aos vinte anos eram considerados preparados para participar das guerras; somente abandonavam o exército e as funções militares ao completarem sessenta anos de idade.
Nas famílias mais poderosas, as meninas eram cuidadas para crescerem saudáveis e terem filhos fortes para servir ao exército. Elas praticavam jogos, ginásticas, danças e aprendiam música e canto. Quando adultas, casavam-se, criavam os filhos e eram respeitadas por serem mães e esposas dos guerreiros.
As famílias menos abastadas geralmente criavam suas filhas dento de casa, mas muitas mulheres de trabalhadores exerciam atividades fora dela para ajudar no sustento familiar.
Os soldados espartanos tinham pouco tempo livre para a vida familiar, mas isso não era motivo de insatisfação, pois a sociedade valorizava a dedicação de seus guerreiros”.
(VAZ, Maria Luísa, & PANAZZO, Sílvia. Jornadas.hist. 2. Ed. São Paulo, Saraiva, 2012). (6º ano, Ensino Fundamental) p. 201.
Hoje, no Brasil, para onde caminha a nossa juventude, morrendo entre os catorze e os vinte e dois anos? A droga chegou com o desenvolvimento do país, destruindo e encorajando menores de todas as classes sociais, ao roubo, assalto e ao assassinato frio por nada. No tempo de Lampião, matar um simples soldado de polícia era suficiente para que o chefe do bando aceitasse de imediato o candidato a cangaceiro. Segundo a linguagem do cangaço, “quem matava um soldado tinha três culhões”.
Atualmente, a bandidagem não teme a polícia e com ela tiroteia desde os doze anos, por causa da força da droga e da oportunidade de ser reconhecido como herói do mundo criminoso.
Dizem os historiadores que olhar o passado é aprender para o futuro, citação que não traz dúvidas. A encruzilhada leva a pensar em preparar os jovens para a guerra com outros países ou as batalhas diárias do tráfico. Será que existe alguma diferença entre Esparta e Brasil? Os teóricos que respondam sobre OS RUMOS DA JUVENTUDE.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2014/05/os-rumos-da-juventude.html