terça-feira, 31 de julho de 2012

CHAVE, CHÁVEZ E O XAVECO


CHAVE, CHÁVEZ E O XAVECO
Clerisvaldo B. Chagas, 1º de agosto de 2012.
Crônica nº 832

Pesando o MERCOSUL. (Fonte: Wilson Dias/Agência Brasil).
Chegou o mês de agosto, para muitos o “mês do desgosto”, das grandes tragédias mundiais, do tempo avesso à pesca, de correr cachorros doidos nas ruas ou péssimo de negócios. Entretanto, é sabido que a moeda ainda possui duas faces e o levante do negativo só é possível quando o olhar converge para uma só direção. Quando por um lado um ditador se suicida, por outro a nação fica livre dos grilhões. Se o mês de agosto fosse à face cruel, ao final dos seus dias, vivas estariam apenas as almas, de uma catástrofe geral. Deus vai equilibrando o tempo como num todo, mas o homem teima em dividi-lo através das leis dos calendários. E se apenas o mal dominasse as quatro semanas, o que adiantaria, então, as nossas preces? O dia dos pais vem aí com uma confraternização de peso para as famílias que conservam a tradição. E se compararmos o azar para o número treze, estaremos sendo contestados por famoso futebolista brasileiro. Entre superstições, religiosidade e ciência, caminha a humanidade por suaves planícies e enrugadas montanhas, mas as desculpas quase sempre são as mesmas.
Talvez para não jogarem a polêmica entrada da Venezuela para o mês de agosto, calçaram-na para o dia 31 de julho, quem sabe! Ninguém pode dizer que agora o MERCOSUL vai virar maravilha, mas ninguém pode ignorar os benefícios da fortificação interna. Quem compra a fazenda compra com o que tem dentro. A Venezuela veio e com ela o senhor Chávez e suas ideologias bestas século XIX, mas este cidadão não é eterno e um país vale muito mais de que qualquer um dos seus dirigentes. Há quem analise o candidato de oposição naquele país e o defina como pior do que o Chávez nos seus retrógrados pensamentos. Pode ter havido atropelos para a entrada da Venezuela no bloco, todavia, qual é a força do Paraguai para apontar o erro com o dedo sujo? Claro, como na política do pequeno interior ou da poderosa metrópole, as manobras dos caciques são carregadas de xavecos, que no dizer popular ganhou dicionário como coisa baixa, sem valor, trama ilegal e coisa assim.  É muito melhor que a nação setentrional fique com Brasil, Argentina, Uruguai e mesmo Paraguai do que com os Estados Unidos, o monstro insaciável das economias.
“O Paraguai reiterou que continuará na luta pela defesa de seus direitos em todas as instâncias e fóruns pertinentes, após ser suspenso do bloco regional pela destituição sumária do ex-presidente Fernando Lugo, via julgamento político legislativo em 22 de junho”. O ingresso da Venezuela no bloco MERCOSUL, sem dúvida alguma é enorme CHAVE, mesmo com CHÁVEZ e o bem aplicado XAVECO dos seus membros.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/chave-chavez-e-o-xaveco.html

segunda-feira, 30 de julho de 2012

LAMPIÃO, MOSSORÓ E O VASO DE GUERRA


LAMPIÃO, MOSSORÓ E O VASO DE GUERRA
Clerisvaldo B. Chagas, 30 de julho de 2012.
Crônica Nº 831

Vapor de guerra Minas Gerais. (Fonte: Wikipédia).
Apesar de ser mestre em estratégia armada nas caatingas, Virgolino Ferreira da Silva também cometia suas “barbeiragens”. Foi derrotado em combate inúmeras vezes, tanto ganhava quanto perdia. Quando mandou buscar dinheiro em Pão de Açúcar, Alagoas recebeu o recado daquela gente de sangue no olho, que “se quisesse tirar raça de valente mandasse sua mãe para lá”. Engoliu a resposta com casca e tudo e se foi vingar no miserável e indefeso povoado Meirus, no mesmo município. Quando mandou portador a Mata Grande, Alagoas, querendo o “joão-da-cruz” do comércio, ouviu do mesmo portador: “Dinheiro tinha à vontade, ele mesmo fosse buscar que o povo estava com muita saudade dele e queria abraçá-lo”. E nesse abraço o valentão não passou da primeira rua da cidade. Para assaltar a baronesa de Matinha de Água Branca, fez como qualquer ladrão faz, pulando o muro da casa madrugada para levar o alheio. Descoberta a trama, um grupo de comerciários e o delegado o puseram em fuga. O povo cantou:

“Lampião quando correu
Da cidade de Matinha
Foi no chouto americano
No galope almofadinha”

Na sua marcha a Mossoró, primeiro cometeu o grande erro de atacar uma cidade daquele porte, indo na conversa e interesse de outro bandido. Depois, inúmeros outros erros bufas, notadamente na ida e, na retirada foi um desastre. Mas, dizem que todo homem feliz é generoso e certo dia o tal capitão estava de bolso cheio, portanto de bom humor. Segundo Valdemar de Souza Lima, deparou-se com o representante da firma Alves de Brito & Cia., no seu automóvel, simpatizou com o mesmo e puxou conversa. O caixeiro-viajante Manoel Campos, como homem bom de convencimento, explicava, a pedido, como era a vida de vendedor. Enquanto entusiasmava Lampião, sem saber como terminaria a conversa, conseguiu a admiração do chefe de bando falando do “Minas Gerais” ─ o vaso de Guerra capitânia da nossa esquadra. Descreveu todo seu tamanho, a blindagem o poder de fogo, a quantidade de canhões e que bastaria uma só descarga do bicho para destruir o palácio do Presidente da República. Lampião ouvia aquilo tudo babando de inveja e de euforia porque o caixeiro sabia pintar a cena colorida. E assim que o ladino e labioso palestrante fez pausa para respirar, Lampião, tomado de súbita alegria e saudosismo, exclamou, pondo a mão no ombro de Manoel Campos: “rapaz, mal empregado eu não ter podido pegar um vapor de guerra assim, porque Mossoró nas minhas unhas não tinha dado um cardo”.
Já pensou, amigo, numa peitica para ninguém botar defeito entre LAMPIÃO, MOSSORÓ E O VASO DE GUERRA!






Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/lampiao-mossoro-e-o-vaso-de-guerra.html

domingo, 29 de julho de 2012

LONDRES 2012


LONDRES 2012
Clerisvaldo B. Chagas, 30 de julho de 2012.
Crônica Nº 830

Abertura dos jogos olímpicos. (Fonte: smn).
Enquanto muitos indivíduos vão levando seus países às guerras, surgem grandiosos exemplos de amizade entre as nações. Os sentimentos egoístas, mesquinhos e animalescos de cérebros doentios, parecem não enxergarem os belos matizes que ornamentam a paz. É como se as próprias forças do mal penetrassem no couro desses atrasados que agem como bestas sub-humanas nesse mundo ainda infelizmente tão primitivo. Apesar das inúmeras advertências do quase número total de religiões do mundo, muitos animais de duas pernas continuam se apoderando descaradamente de tudo que podem, esquecidos ou duvidando de que ninguém leva nada para o além. Quando não é a ambição do possuir, à custa de muito sofrimento alheio, é o rato que rói por dentro pelas rédeas de espinhos do poder. O que faz um homem entrar num cinema e matar os espectadores para ele desconhecidos? Por que o dirigente da Síria teima em matar seus compatriotas? Assim outros estão agindo no planeta. Com guerra ou sem guerra não querem largar o poder que possui a doçura da ilusão de mandar em outras criaturas e o uso da verba pública que não sacia nunca a voracidade da avareza.
Felizmente surgem na marcação do calendário eventos importantíssimos para a humanidade como as Olimpíadas que oferecem o fantástico poder da amizade entre os povos. Londres teve a capacidade de levar para o seu território nada menos de que 204 nações. Todos os países estão ali representados, cada um com sua numerosa ou minúscula delegação, mas sentindo o prazer que não existe preço do abraço fraternal que o planeta Terra oferece aos seus habitantes. Calculamos que todos os países juntos comemorando o encontro seja o máximo a que a humanidade pode alcançar. E se esse titânico encontro fosse em comemoração à última guerra, ao último miserável, à última discriminação de cor do Globo, seria aplaudido até pelos que fazem os mundos superiores. Mas, dentro do que se pode fazer, está aí à festa bonita em meio a uma crise financeira que se arrasta pelos continentes ante a choradeira de quase todos. E como dissemos no início, o exemplo de fraternidade entre os homens não comovem os constantes troar de canhões em território Sírio e em outros lugares.
Aproveitemos, então, a parte boa e torçamos pelos nossos atletas que conduzem a bandeira da esperança. Pelos menos são essas lágrimas diferentes; surgidas das derrotas, passam como o vento; se brotam das vitórias, são dádivas para o Ego. Aplausos a LONDRES 2012.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/londres-2012.html

quinta-feira, 26 de julho de 2012

SENHORA SANTANA


SENHORA SANTANA
Clerisvaldo B. Chagas, 27 de julho de 2012.
Crônica Nº 829

Senhora Santana
Foi encerrada a maior festa religiosa do Sertão alagoano, na cidade de Santana do Ipanema. Daqui de Maceió imagino a grandiosidade do encerramento desse tradicional novenário católico que atrai multidões. Tudo tem início no dia 17 de julho na fase mais exuberante do inverno regional. É um festejo realizado geralmente sob chuva e frio intenso que caracterizam a época. Infelizmente a data não pode ser mudada porque ela faz parte do calendário mundial dessa homenagem.  Todos os lugares, cuja padroeira é Ana, comemoram no dia em todas as partes do globo. Como os santanenses pegaram o tempo de chuva e frio, nada podem fazer por esse lado, mas compensam esquentando com a fé e a presença os movimentos da Igreja. Pessoas dedicadas ornamentam a Matriz que, também bastante iluminada externamente, até à torre, torna-se duas vezes o cartão postal da cidade. O relevo acidentado de Santana permite belíssimos cenários vistos dos arredores mais altos e distantes, tanto pelo dia, quanto pela noite quando as luzes da torre formam bonito chamariz.
As promessas pagas à Padroeira ocorrem em qualquer um dos dias do novenário. Chegam pessoas até de estados mais distantes, como do Centro-Oeste, por exemplo, para agradecimento de uma graça alcançada. Mas, são vistos vários fiéis, principalmente mulheres andando sem calçados, na imensa procissão que ocorre no dia de encerramento. É muito emocionante a participação no meio do povaréu piedoso dos sertões. O principal cântico de louvor à avó de Jesus, chamada carinhosamente de Senhora Santana, possui letra e melodia de muito bom gosto, que vai penetrando na alma de cada ser que acompanha com fé essa extraordinária louvação. O cortejo é feito percorrendo ruas, avenidas e bairros da cidade, diferente do início quando a imagem vem dos sítios mais distantes para a sua Matriz. Muitas e muitas vezes Senhora Santana parece intervir no tempo, fornecendo confortador estio durante o percurso da procissão. Feriado na cidade, uma tarde divina sob os céus de Santana do Ipanema, para tirar o enfado do trabalho costumeiro.
A Festa de Senhora Santana é marco importantíssimo do povo católico da minha terra. Uma injeção forte de ânimo para a continuação do labor diário. A tristeza da festa cheia de tantas atrações, só aparece quando alguém por algum motivo não pode de maneira nenhuma está presente ao evento. Parabéns a “Rainha do Sertão”, parabéns à SENHORA SANTANA.





Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/senhora-santana.html

A MORADA DOS DEUSES


A MORADA DOS DEUSES
Clerisvaldo B. Chagas, 25 de julho de 2012.
Crônica Nº 828
Monte Roraima em tempo limpo. (Fonte Wikipédia).

Muito bonita a reportagem na televisão sobre o Monte Roraima, localizado na tríplice fronteira Brasil, Venezuela e Guiana. Localizado na serra de Pacaraima, o monte representa uma formação rochosa de 2.739,30 metros de altitude. Imagens de expedição feita naquele lugar mostram a pujança incrível de um início calculado em mais de 2 bilhões de anos. Os continentes ainda nem havia se separado e lá estava o Monte Roraima, topo diferente, com cerca de 90 km de planura. Possuindo o fenômeno das “Águas Emendadas”, funciona como caixa d’água, fornecendo o líquido precioso para os três países, à semelhança da Serra da Canastra, em relação ao rio São Francisco e outros da região. Notamos o profundo respeito e cuidados dos povos que habitam suas proximidades no trio de nações citadas. Quando os indígenas falam de religiosidade e cuidados com o monte falam também de Ecologia. Os benefícios são mostrados e também possíveis catástrofes se houver uma interferência desastrada naquele santuário. Os guias indígenas se sentem pequenos e como se tivessem em outro planeta, com a sensação constante que o Monte Roraima está vivo e atento.
Flora e Fauna do monte representam riqueza. Além das sábias instruções dos índios da região, uma lenda sobre o lugar se destaca. Contam que a região era plana e tinha muita fartura, até que um dia surgiu uma bananeira, planta estranha para todos. Os pajés foram avisados por recado divino que ninguém poderia tocar naquela árvore. Tempos depois a bananeira foi cortada e veio à revolta dos deuses. Raios e trovões espantaram as caças, deixando todos apavorados e, do centro da terra surgiu o Monte Roraima que ficou naquelas alturas. Essa lenda vem dos índios que habitaram a região, chamados Macuxi. Dizem que até hoje o monte chora com a violação do passado.  Na Venezuela, os índios chamam “mãe das águas” à região com o conjunto de cachoeiras. A crença local é que ali moram os deuses que cuidam da Natura. Mesmo as pessoas de outros lugares que chegam ao monte ficam com a mesma impressão de mistérios profundos que envolvem toda a área.
No Brasil, foi criado o Parque Nacional do Monte Roraima, pelo presidente Sarney, em 1989. No estado de Roraima, o parque é administrado pel Institituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Na Venezuela é Parque Canaíma. Para quem gosta de aventura pesada e misticismo está aberta a visitas A MORADA DOS DEUSES.
  








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/a-morada-dos-deuses.html

terça-feira, 24 de julho de 2012

A GARGALHADA DE LAMPIÃO


A GARGALHADA DE LAMPIÃO
Clerisvaldo B. Chagas, 25 de julho de 2012.
Crônica Nº 827


Capa de livro apontado no rodapé.
O que é que faz um indivíduo procurar o perigo quando estiver ameaçado por ele?  Foi o que aconteceu com o cidadão João Barroso no sertão alagoano, na segunda metade da década de 20. A passagem de Lampião por vários municípios, em 1926, provocou uma reação entre civis e um sargento, tendo se formado um grupo para perseguir o bandido. Com a inutilidade da ação, o grupo foi desfeito e tudo voltou à antiga rotina. Mas, certo dia João Barroso foi alertado pelo parente Adriano, que Virgolino estava babando para pegar alguns daqueles alistados para persegui-lo, inclusive, o próprio Barroso. Alertava Adriano que o bom mesmo era que João Barroso fosse embora do sertão que a coisa não estava boa para o seu lado. A qualquer momento, dizia Adriano, a fera poderia aparecer, surpreendê-lo e lhe tirar o couro das costas. O sertanejo marcado ficou muito pensativo, até porque Adriano era seguro coiteiro de Lampião e lhe contara vários detalhes do que sabia. Barroso não demorou a encontrar a solução. Fugir não fugiria. Pediu para que Adriano desse um jeito de jogá-lo dentro do bando para ele ficar como coiteiro também, naturalmente trocando o seu nome. “Não pode com eles, junte-se a eles”, deve ter pensado o homem advertido.
          Foi uma loucura para Adriano aceitar a ideia, mas assim foi feito. De repente João Barroso estava fazendo muito bem o papel de coiteiro de Lampião. A eficiência era tanta que passou a comprar víveres para o bando e até foi sondando pelo bandido para entrar nos negócios de armas. Pulou fora com toda diplomacia, alegando que não tinha cacife para tal negócio. Imaginava Barroso que arranjar armas para Lampião era ajudar o cangaceiro a matar gente. O maioral não falou mais no assunto. Certa feita, ao chegar à noite ao acampamento do bandido com víveres encomendados, Barroso deparou-se com uma cena em que uma mulher dava parte de um cabra que molestara a filha da mulher. Lampião tomou as providências, ocasião em que o cabra dizia não pertencer ao bando dele e sim ao de Corisco. Lampião, enraivecido com a resposta, disse muitas coisas pesadas ao comandado, depois ordenou que o cangaceiro Cobra Verde, fuzilasse o cangaceiro de Corisco.
          Barroso ficou chocado com o que viu, porém continuou na estratégia pela sua sobrevivência, driblando a espionagem das volantes. Adriano foi morto pela polícia. Certo dia aconteceu uma boa ocasião, para João Barroso dizer a verdade ao chefe do bando. Esperto como era, pegou o chefão de bom humor. Virgolino abriu a bocarra com a esperteza dos dois parentes e João Barroso viu o que pouca gente via: o encaixe no momento certo da intensa GARGALHADA DE LAMPIÃO.
·         Crônica baseada nas paginas 75-88, de “O cangaceiro Lampião e o IV mandamento” de Valdemar de Souza Lima.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/a-gargalhada-de-lampiao_24.html

segunda-feira, 23 de julho de 2012

LAMPIÃO NO ROMANCE


LAMPIÃO NO ROMANCE
Clerisvaldo B. Chagas, 24 de julho de 2012.
Crônica Nº 826

Romance do ciclo do cangaço.
Lampião chegou de surpresa à fazenda de um amigo. Ali foi recebido como um governador dos mais amados pelo povo. Com um pequeno grupo de homens famintos e cansados, resolvera esperar pelos outros grupos que também convergiam para aquele ponto. O fazendeiro abateu um novilho; mandou buscar em Santana o melhor vinho que havia e distribuiu redes brancas à vontade. Os cangaceiros espalharam-se pelo alpendre da casa e pelas sombras das árvores do terreiro. Quando chegaram todos os grupos, já estava anoitecendo. O boi foi transformado em saboroso churrasco sobre um braseiro de angico e aroeira. Os cabras alegres, sob a força poderosa do vinho, improvisaram um conjunto, esquecendo o cansaço no encanto rústico do xaxado.
A lua espiou na boca do “grutilhão” e subiu majestosa, prateando a caatinga entorpecida. Mandacarus e facheiros recortavam-se à luz dos astros, como entes ciclópicos de vários braços. No alpendre baixo da casa, as sombras vindas da fogueira, contorciam-se à semelhança de fantasmas sem nomes, assustando os vivos. Era uma das mil faces do reino encantado do sertão. Parecia que os seres noturnos paravam para escutar as cantigas dos homens rudes e brutos.

Lampião quando chegou
Quilariando a candeia
O tenente correu tanto
Que ficou de carça cheia...

Foi nessa euforia toda, nesse desabafo sertanejo, que Virgolino tomou conhecimento da situação dos romeiros. Estava distante deles apenas meia légua. Comentou o caso com Maria Bonita, que lhe deu algumas sugestões. Olhou para a brincadeira dos seus homens e não desejou importuná-los.

O rife de Lampião
É feito só de metá
O sordado diz de longe
Que a peste é quem vai lá...

Logo pela manhã, o rei do cangaço chamou um dos seus homens:
─ Cobra Nova!
─ Às suas orde, capitão.
─ Quero que você me vá à fazenda do major Saturnino ─ disse à medida que limpava os óculos com um lenço vermelho ─ Tá me entendendo?
─ É pra já, capitão ─ respondeu o cabra, seco igual a bambu. (...)

·         (Páginas 103-104, do romance “Defunto Perfumado”, do autor. 1982. Edição esgotada).








Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/lampiao-no-romance.html

O AVIÃO E O BANDIDO


O AVIÃO E O BANDIDO
Clerisvaldo B. Chagas, 23 de julho de 2012.
Crônica Nº 825

Helicóptero Águia. (Fonte: Eduardo Peres).
Ao sair em todos os jornais que Alagoas é o estado que mais mata gente no país, vai preocupando o cidadão comum. Mas são tantos os apelos da sociedade que nem sabemos se os mandões estão assim preocupados. A violência é o tema principal das primeiras páginas e, até certo ponto com razão, pois as pessoas comuns estão apavoradas, tanto na capital quanto no interior. O anunciado concurso para a polícia anima só um pouco, pois a diminuição da bandidagem não somente depende do número de policiais. As tecnologias avançam com uma rapidez impressionante e o setor de segurança parece ainda está nos anos 30. Quando surge alguma novidade, como aquela de identificar o suspeito no próprio local de patrulhamento, através de aparelhagem no carro da patrulha, nós já assistíamos filmes dos Estados Unidos, há décadas, com esse sistema. E assim, enquanto a sociedade alagoana denuncia a violência todos os dias, parece chegar um eco dizendo que a coisa não tem jeito. Isso nos faz lembrar certo cidadão que dizia que quando o tempo está brabo no Sertão, tem um pássaro que canta o seu lamento: “Ê, meu fio... Ê, meu fio...”.
tempos pregamos, entre outras coisas, um avião patrulha, pelo menos, em cada cidade polo de Alagoas. Não é mais bicho de sete cabeças, aeronaves nos quartéis. Finalmente alguns aviões sobrevoam áreas perigosas na capital e no estado, apoiando as operações em terra, mas não sabemos quando esse sistema será permanente e evolutivo. Dizem que os bandidos correm que só cavalo de prado quando rondam os aviões. Os apoios em várias operações estão sendo dado por instrutores de São Paulo. Comenta-se que o índice da violência tem diminuído com algumas medidas tomadas pelo governo, mas é preciso que a própria população sinta o que está de fato acontecendo. Uma fonte governamental apenas não quer dizer nada. E como diz o ditado do povo é preciso “o preto no branco”. O estado de Alagoas é pequeno, mas sem segurança efetiva em todas as suas regiões, torna-se grande, onde reina somente o que não presta. 
Quando um avião sobrevoa o interior, pergunta-se logo se é o político fulano se exibindo. Mas também já se pode ver no céu a aeronave da SAMU – Secretaria de Estado de Saúde de Alagoas, ótima notícia sem dúvida alguma. Ficamos aguardando os resultados desses treinamentos que estão acontecendo com aeronaves de outro estado. Mas a insistência por esse tipo de ação continua em relação a aeronaves próprias. Temos que fazer como São Paulo e Rio de Janeiro e ficar na expectativa entre O AVIÃO E O BANDIDO.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/o-aviao-e-o-bandido.html

quinta-feira, 19 de julho de 2012

PENHA


PENHA
Clerisvaldo B. Chagas, 20 de julho de 2012.
Crônica Nº 823

Fonte: Blog da Igreja de Nossa Senhora da Penha.
Já sim. Já escrevi uma vez sobre a Igreja de Nossa Senhora da Penha, do Rio de Janeiro. Mas agora me bateu uma coisa, um negócio, uma vontade enorme de me referir a Igreja da Penha. Uma defesa de Nossa Senhora levou-me de imediato o pensamento às escadarias daquele penhasco fabuloso. Um dos escolhidos lugares do mundo que desejaria conhecer, estive perto e não pude. Gostaria muito, muito de imitar Gonzaga quando bate a tristeza:

“Demonstrando a minha fé
Vou subir a Penha a pé
Pra fazer minha oração” (...)

“Penha, Penha...
Eu vim aqui me ajoelhar
Venha, venha
Trazer paz para o meu lar”

Localizada na Vila Cruzeiro, no Bairro da Penha no Rio de Janeiro o  santuário católico Igreja de Nossa Senhora de França é popularmente conhecido como Igreja da Penha. Um dos cenários mais bonitos do mundo está ali naquele penhasco com seus 382 degraus, onde muitos fiéis fazem e pagam promessas subindo os batentes a pé ou de joelhos.

“Nossa senhora da Penha
Minha voz talvez não tenha
O poder de te exaltar
Mas dê benção padroeira
Pra essa gente brasileira
Que quer paz pra trabalhar”

Na época em que eu quis fazer essa visita, ninguém de fora podia chegar à entrada dos morros. O santuário estava à mercê dos bandidos e os turistas mantinham distância das zonas perigosas. Vou ficando, então, com essa página musical de Luiz Gonzaga, tão bonita quanto “Asa Branca”, o “Baião da Penha”.

“Penha, Penha...
Eu vim aqui me ajoelhar
Venha, venha
Trazer paz para o meu lar...”







Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/penha.html

quarta-feira, 18 de julho de 2012

METEMOS


METEMOS
Clerisvaldo B. Chagas, 19 de julho de 2012.
Crônica Nº 823

Abelha.  (Fonte: Wikipédia).
Soubemos quePedro Aleijado”, isto é, “Pedro Mão-de-Aço” ou mesmo, “Pedro Deixe-Que-Eu-Chuto”, recusa-se a morrer. Remanescente dos velhos farristas de Santana, Pedro, o homem coxo, adquiriu fama tocando pandeiro com grande mestria. Sempre convidado para as farras mais simples da boêmia santanense, Pedro estendia suas habilidades em todos os ambientes como bares, cabarés, clubes... Sempre causando admiração às bandas que vinham de fora e necessitavam na hora de um pandeirista. Em todo tempo bem humorado e puxando a perna, Pedro Aleijado viajava constantemente com suas farras eternas pelos festejos mais atraentes de cidades de Alagoas e pernambucanas. Juntando-se a José Francisco, o grande acordeom de Santana, ao José Panta (o violão elétrico) ao Miguel Chagas, Moreninho, Zé Yoyô e vários outros, as farras ganhavam colorido especial com o pandeiro de Pedro Mão-de-Aço. Como as situações vão mudando com o tempo, quase todos os grandes farristas da época foram transferidos para outra dimensão. Pedro resistiu e ainda resiste diante da preferência pelo Rum, bebidinha danada corrosiva.
Espiando as nuvens do tempo, Pedro começou a vender mel. Dizia ele que essa substância doce era a melhor do mundo, pois vinha de alvéolos selvagens do alto sertão de Pernambuco. O município de Inajá, nunca deixou de ser e referência do novo vendedor de mel. Saliente, mal-educado e piadista Pedro sempre respondia aos clientes quando perguntado se tinha mel para vender: “Mé? Temos”. E assim, com sua linguagem chula de duplo sentido, ia ganhando o pão com sua esperteza e, talvez, pequena aposentadoria. Certa feita um cliente chegou a sua casa para comprar “mé” da legítima abelha papa-terra de Inajá, à Rua Prof. Enéas. Um menino, seu filho, atendeu. “Cadê Pedro, menino?” E a inocente criaturinha denunciou sem querer a abelha bípede de um pé coxo: “Pai tá lá atrás no quintal fazendo mel”. Descoberta a fraude, a situação foi ficando difícil para Deixe-Que-Eu-Chuto, pois já não conseguia introduzir seu produto no mercado com tanta facilidade. Pedro não contestava o flagra apenas tentava sair resvalando e pedindo trocado para beber uma dose de Rum. Não tendo Rum, vai à Cachaça, afinal uma é amarela e outra é branca, para que preconceito de cor?
Contaram-nos que Pedro Aleijado agora estar morando no Bairro Domingos Acácio, bem perto de uma clínica particular. Não sabemos se ele ainda toca pandeiro e nem se o homem ainda teima em ser concorrente das abelhas. Mas a resposta sexual de péssima qualidade continua no cotidiano do pandeirista, quando provocado: “Pedro, tem mé”? A gravação tantas vezes rodada empulha na hora o perguntador: “MÉ? TEMOS”.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/metemos.html

JARAMATAIA


JARAMATAIA
Clerisvaldo B. Chagas, 18 de julho de 2012.
Crônica Nº 822

Açude de Jaramataia - Alagoas (Fonte DNOCS)
No Médio Sertão de Alagoas, o inverno vai esfarrapando suas chuvas, devagar, preguiçoso, alternando os dias de molhar a terra. É como se apenas fosse uma satisfação à padroeira Senhora Santana com suas tradições do mês de julho. E se a lavoura não teve oportunidade, o pasto também não. O rosário de sacrifícios sertanejos agita-se na fé entre Pais-Nossos e Ave-Marias. Notícias ingratas vão percorrendo os alastrados até os pés da santa avó de Jesus. Os cânticos de louvação misturam-se às lágrimas envolvidas pela chuva fininha a que vem chorar também. Nos barreiros, nos lajeados, nas lagoas, o retrato da seca verde ou a cara rachada mostrando os dentes do chão. Correm as notas sobre o asfalto, por cima dos fios, pelas fibras óticas, dizendo de açudes, barragens, represas. E chegam aos ouvidos as palavras quase mentirosas que o maior açude de Alagoas está ficando seco. Quase mentirosas porque a extensão dos açudes “Pai Mané” e o “Jaramataia” são quase lendas no interior do estado. O “Pai Mané”, filho de um apelo em carta endereçada a Getúlio Vargas, pelo fazendeiro “Seu Zezinho”, município de Cacimbinhas, foi construído e tornou-se realidade, tornando-se um mar dentro do Sertão. E o açude no município de Jaramataia, tendo sido iniciado no começo da década de 60, foi uma das grandes vitórias do DNOCS ─ Departamento Nacional de Obras Contra a Seca.
Foi o açude de Jaramataia quem impulsionou a hoje cidade do mesmo nome que fica entre o Sertão e o Agreste, entre Santana do Ipanema e Arapiraca, fazendo surgir uma comunidade de exímios pescadores. E se Jaramataia é o título de uma árvore da família das leguminosas, foi também à sua sombra que nasceu o povoado à margem da rodovia chamado ainda hoje: “Bacurau”. Nas minhas idas e vindas, fui testemunhando a construção da rodovia do estado, desviando o percurso por longas estradas carroçáveis, contemplando as redes de pesca dependuradas nos terreiros das primeiras casas do povoado. Entretanto, a seca prolongada está fazendo desaparecer os 19 milhões de metros cúbicos de água do famígero açude. Até mesmo as cacimbas improvisadas às suas margens, não servem para o consumo humano e nem para o plantio pelo alto teor da salinidade.
A falta de manutenção dos açudes em Alagoas foi decretando a falência de tanto trabalho empenhado pelos bravos “cassacos” dos tempos das secas. São 22 açudes no estado que pedem atenção das autoridades e socorro monetário. Enquanto isso, vamos observando o debate das águas na região da Bacia Leiteira de JARAMATAIA.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x.html

segunda-feira, 16 de julho de 2012

LAJEIROS DO SERTÃO


LAJEIROS DO SERTÃO
Clerisvaldo B. Chagas, 17 de julho de 2012.
Crônica Nº 821

Tem início hoje o novenário em homenagem a Senhora Santana, padroeira de Santana do Ipanema, estado de Alagoas. Há décadas, a festa da avó do Cristo continua arrebanhando multidões, notadamente na procissão de encerramento. Entretanto, queremos destacar, não a festa, tão decantada por nós, mas as formações rochosas do sertão denominadas lajeiros. Querem trocar os nomes de lajeiro por lajedo, de imbu por umbu, mas continuamos a valorização do que é nosso, encaixando sempre nesses trabalhos as belas expressões nativas. Belas expressões, belíssimos lajeiros que afloram em toda a região do semiárido nordestino. Pequenos, médios, grandes, enormes, os lajeiros vão fazendo pausas na vegetação contínua, como brincos de prata nas orelhas da caatinga. Muitos são côncavos, afunilados, alongados, esculpidos, chamados, pias, pilões, pedra d’água... Suas rachaduras horizontais ou panelões verticais ajudam bastante o abastecimento d’água em tempos de estiagem. Bebem os humanos, os bichos e, ainda colaboram na lavagem de roupa em fazendas e povoados.
Existe o lajeiro completamente limpo, sem vegetais e nem esconderijos. Encontramos, porém, inúmeros deles semeados de urtigas, xiquexiques, macambiras, coroas-de-frade e mesmo alastrados, facheiros mandacarus ou altíssimas craibeiras que se formam em pequenos espaços de areias e fendas. Diz à música que “é no pé do lajeiro onde a onça mora”, mas também a cobra, o preá, o mocó, a raposa e outros bichos, pequenos e minúsculos. Alguns deles são altos, oferecem panoramas belíssimos e que são até explorados pelo Turismo. Pontos de encontros amorosos, os lajeiros nordestinos serviram de acampamento para as longas caminhadas de ciganos, cangaceiros, almocreves, beatos e romeiros que percorriam os sertões a pé ou a cavalo. Muitas vezes no sertão verde da caatinga, o viajante se depara bruscamente com a formação granítica como ilha branca no meio do “verdume”. Os mandacarus erguem os braços e o Sol da tardezinha mergulha nas montanhas por trás dos seus braços esguios. Só saudade pura e uma vontade da gota serena de fazer amor.
Em recente pesquisa para o nosso pequeno grande livro “Negros em Santana”, com os coautores Marcello Fausto e Pedro Pacífico V. Neto conseguimos capturar belas imagens de lajeiros. Pelo menos uma está servindo de papel de parede no computador e age como remédio relaxante. É a ilustração acima, do sítio Laje dos Frades, bem perto do povoado Pedra d’Água dos Alexandres de onde Moreno entrou no Cangaço; de onde surgiu a cangaceira Maria de Pancada e de onde o cangaceiro Cruzeiro foi levar a cangaceira Aristéia para se entregar em Santana do Ipanema. Um exemplo, apenas de LAJEIROS DO SERTÃO.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/lajeiros-do-sertao.html

domingo, 15 de julho de 2012

LAMPIÃO E O CABRA ASSINALADO


LAMPIÃO E O CABRA ASSINALADO
Clerisvaldo B. Chagas, 16 de julho de 2012.
Crônica Nº 820


           Para o saudoso escritor Raul Pereira Monteiro, santanense, mas radicado em Campina Grande, “Deus faz, o vento espalha e o diabo junta”, conforme o ditado popular. Falando salteado e sem datas, aquele autor de vários livros, diz do constrangimento a que foi submetido o seu avô diante da indesejável e maléfica presença de Lampião e Corisco à sua fazenda; crônica: “provérbio que se cumpre”, “Espinhos na estrada”, págs. 93-96, editora Caravela, 1999. Vivendo toda a sua vida na fazenda, situada no povoado Capelinha, então, pertencente ao município de Santana do Ipanema, Alagoas, seu avô recebeu uma estranha visita. Homem de bom caráter, filantropo e amável, escutou a conversa do fugitivo da Justiça que chegara ali com sua esposa. Confessando sua condição de réu e acrescentando desejos de reabilitar-se e viver vida decente e pacífica, o sujeito ganhou a confiança do proprietário e passou a trabalhar na fazenda. Tempos depois, o empregado despachava a consorte para as margens do rio São Francisco, alegando que a sogra passava mal e precisava dos cuidados da filha. Passaram-se alguns dias e o indivíduo falou que a sogra havia morrido e que seu espólio precisava de interessados. Partiu.
Mais a frente, o fazendeiro recebeu aviso de um portador apressado e nervoso que Lampião se dirigia àquela fazenda. A família pegou alguns objetos como esteiras, lençóis, e ainda víveres e água e partiu para um esconderijo do outro lado do rio Ipanema, pedaço de caatinga com mais de seis quilômetros quadrados. “E antes que anoitecesse, escolhemos o chão mais macio e coberto de vegetação que nos amparasse muito bem das vistas curiosas e sedentas do grupo latrocida”. Ao amanhecer, desse tempo de verão, pensando em regressar, a família foi surpreendida por tiros próximos, pelas presenças de dois cangaceiros e o ex-empregado, fugitivo da Justiça. “Fui obrigado”. A família foi agarrada, extorquida e maltratada, até pagar um resgate (solicitado por empréstimo na cidade através de um portador). Desgostoso com tudo, o fazendeiro mudou-se com os seus para a cidade, mas continuou visitando a fazenda em fins de semana por causa de alguns bichos de estimação. Não se tinha certeza se o ex-empregado havia ingressado no bando.
Um dia, no final de julho de 1938, com a família já residindo em Santana do Ipanema, chegam às onze cabeças dos bandidos mortos em Angicos.

Estávamos mirando curiosamente as cabeças já muito intumescidas e olhos esbugalhados e vermelhos, quando uma delas nos chamou a atenção, pela semelhança com o rosto do homem que conosco morara na fazenda. Um sinal perto do nariz e uma pequena mossa na orelha esquerda convenceram-nos de que o bando de Lampião o atraíra, inclusive, para a morte agoniada na gruta Angico, sob o fogo cerrado de uma volante policial alagoana.

Monteiro, então, desabafa: 

Para mim "os semelhantes se atraem”, e por isso o nosso ex-morador fora ao lado do “Rei do Cangaço”, para cumprir a sua maldita vocação nos palcos infernais das caatingas nordestinas, como serpentes e feras bravias. Mas para o povo, de modo geral, foi o diabo que juntou o que Deus fizera e o vento espalhara.

Acho que Monteiro não disse o nome do avô pela vergonha e humilhação sofridas e, o nome do cangaceiro não saiu, possivelmente por que nem isso ele merecia. Fora Lampião, Maria Bonita, Enedina e Luiz Pedro, restaram Quinta-feira, Mergulhão, Alecrim, Moeda, Elétrico, Colchete e Marcela. Quem seria de LAMPIÃO O CABRA ASSINALADO?.  


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/lampiao-e-o-cabra-assinalado.html

quinta-feira, 12 de julho de 2012

SEBO NAS CANELAS, LAMPIÃO VEM AÍ


SEBO NAS CANELAS,
LAMPIÃO VEM AÍ!
Clerisvaldo B. Chagas, 13 de junho de 2012.
Crônica Nº 819

Capa de peça teatral
Publicamos a peça teatral ainda virgem, intitulada “Sebo nas canelas, Lampião vem aí!”. A referida peça vem como anexo no livro paradidático, recentemente publicado, “Ipanema um rio macho”, com início à página 68. A peça é dividida em três atos e se concentra em alguns momentos filosóficos e de decisões de Virgolino. Após a apresentação com direito a cantador-repentista, tem início o primeiro ato com Lampião sendo entrevistado e interrompido por outras cenas. O segundo ato representa uma força volante em perseguição aos cangaceiros, inclusive tendo em seu quadro um rastejador. Finalmente o terceiro ato tem final surpreendente. “Sebo nas canelas, Lampião vem aí”, é ficção baseada na realidade de atos do cangaceiro mais famoso. Sua reprodução e/ou apresentação tem direitos autorais. Qualquer pessoa que quiser apresentar a peça, dirigida a maiores, pois, apesar de ser humorística tem cenas de violência, contatar o autor no seu E-mail pessoal, apresentado no blog. Essa peça foi escrita há cerca de vinte anos e estava engavetada. Eis uma amostra grátis como brinde aos nossos leitores:
Lampião – Então é você o famoso Zé Furão? Cabra da moléstia! O mió rastejador do Nordeste passou-se pras banda da Poliça... O que foi que eu fiz cronta você, mode andar me perseguindo?... Eu perdoo tudo na vida, seu Zé Furão, mas inspetor e rastejador, não!
E Virgolino pega um facão que traz à cinta desde o início, com a outra mão joga fora o chapéu do prisioneiro, puxa-o pelos cabelos até cobrirem-se nos bastidores. Maria de Déa fica passeando no palco. Depois Lampião retoma trazendo a cabeça de Zé Furão pendurada pelos cabelos (sem o facão) atravessa o palco devagar e grita da entrada do lado oposto:
Lampião – Bolacha! Jogue essa porcaria pros cachorro de Corisco!
Depois Lampião volta-se para Maria Bonita, enxugando as mãos ao longo da calça: - Santinha chame o sanfoneiro e o pessoal pra cá. Mande tocar uma coisa bem animada.
Ouve-se o som de forró bastante alto. Entra em cena Maria Bonita que começa a dançar com Lampião. O casal de cangaceiros anônimos, também.
·         Próximos lançamentos previstos para agosto: “Negros em Santana” e “Lampião em Alagoas”.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/sebo-nas-canelas-lampiao-vem-ai.html

quarta-feira, 11 de julho de 2012

RELEVO SANTANENSE


RELEVO SANTANENSE
Clerisvaldo B. Chagas, 12 de julho de 2012.
Crônica Nº 818
CAPA DE LIVRO

O relevo (inédito) de Santana do Ipanema está descrito no livro “Santana do Ipanema, Alagoas; conhecimentos gerais do município”, lançado um pouco antes do outro paradidático “Ipanema, um rio macho”. Com reprodução proibida sem autorização do autor, o relevo do município está assim descrito:
A primeira porção compreende os contrafortes do planalto da Borborema com elevações denominadas serras, parte do “Maciço de Santana do Ipanema”. Vistas de longe, essas montanhas parecem muralhas barrando as fronteiras com o município de Poço das Trincheiras e Pernambuco. Entretanto, intercalando a sucessão dos elevados no sentido noroeste-nordeste, surgem espaços em forma de boqueirões, permitindo a suavidade do terreno. Serpentear de riachos da mesma vertente vai desembocar no captor de toda a bacia do rio Ipanema. Esse maciço desgastado pelos agentes externos vai recebendo denominações locais dentro do município: serras do Caracol, Pau Ferro, Gugi, Camonga, Macacos, Poço e outras elevações menores. Esses elevados com nomes de serras possuem altitudes respeitáveis para a região, como a Camonga, Gugi e Poço, com muito mais de 500 metros. O relevo serrano de Santana do Ipanema é rico em olhos d’água, boqueirões, vales e grotões. Sustenta umidade a barlavento e motiva chuvas orográficas ao longo do maciço. A serra do Poço apresenta cicatriz de tromba d’água na vertente sul, voltada para os sítios Pé de Serra e Marcela, ocorrida nos primórdios do município. A intensidade do desmatamento é contínua e visível ao longo de toda a cadeia, o que vem prejudicando seus mananciais. O pedregulho do extenso desgaste rochoso vai se acumulando nos sopés, entulhando córregos da periferia com a lixiviação das chuvas torrenciais.
A segunda porção, Pediplano Sertanejo, são terras planas e onduladas com as colinas entrecortadas de rios e riachos, semeadas de serrotes, cadeia de montanha ou montanhas isoladas residuais. As elevações maiores são chamadas popularmente de serras e, as menores, de serrotes, no campo e mesmo as que circundam o núcleo urbano.
Essa segunda porção do relevo espraia-se em forma de leque dos sopés do Maciço em direção ao rio São Francisco. As serras em cadeias no meio do pediplano são mais altas do que as serras isoladas, mas não chegam à altitude anterior.  Entretanto algumas surpreendem em altura como a serra da Lagoa e do Cabeça Vermelha, entre Santana do Ipanema e o povoado Areias Brancas. São formações que também formam olhos d’água nos cimos e nos sopés. Serras e serrotes, bem como riachos e lagoas, são pontos de referência importantíssimos no município em estudo. Além das serras citadas acima, surgem às elevações em torno da sede municipal como o serrote do Gonçalinho e ─ seguindo à direita até fechar com ele ─ os do Cruzeiro e Pintado; serras: Aguda, Remetedeira, Poço, Camonga e Macacos. As demais elevações do pediplano são serrotes que também batizam os sítios: serrotes do Amparo, Angicos, Bois, Brás, França, Pintado, Serrotinho e Severiano.
·         O autor também é Especialista em Geografia e História.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/relevo-santanense.html

terça-feira, 10 de julho de 2012

O MEU TIRADENTES


O MEU TIRADENTES
Clerisvaldo B. Chagas, 11de julho de 2012.
Crônica Nº 817

Oscar, último de pé à esquerda - cabeça de "Pontaria"
Escritor Oscar Silva
“A não ser, porém, as histórias e estórias, o que mais me interessava de Seu Araújo era vê-lo fazendo coronhas de espingardas repletas de xilogravuras. Perdia minutos e minutos, os livros debaixo do braço, olhando aqueles desenhos e aquelas caras que iam ficando em cada coronha. E, somente quando ele próprio me advertia com sua severidade, é que o deixava e seguia para a escola”.
Estamos dentro dos vinte e dois anos da 2º edição de “Fruta de Palma (crônicas sertanejas)” do meu escritor santanense predileto, Oscar Silva. Revendo as saborosas crônicas de Oscar (20), vejo a apresentação de L. Lavenere (Gazeta de Alagoas), o prefácio de Tadeu Rocha (Delmiro, o pioneiro de Paulo Afonso), e citações de pessoas como Câmara Cascudo, Rubem Braga e outros. Tive a honra de constar nas páginas das homenagens e reler o livro mais uma das inúmeras vezes (coisa rara de acontecer). E “Fruta de Palma” puxa pelo seu romance “Água do Panema” (não confundir com o nosso, “Ribeira do Panema”). (Foto acima, volante do sargento Aniceto).
Sargento da elite do 2º Batalhão de Polícia, para combater cangaceiros, Oscar colabora em muito com os nossos livros inéditos “Lampião em Alagoas” e “O boi, a bota e a batina; história completa de Santana do Ipanema”. Eu nem era nascido e o homem já era sargento de Zé Lucena. Morava com a avó defronte a casa de meu pai, à Rua Antônio Tavares. Vim conhecer o meu herói que, fugindo às garras da fome, tornou-se sargento, correspondente de jornal, testemunha da cabeça de Virgolino e de outros cangaceiros e expedicionário do sepultamento do corpo do bandido: “Eu vi os pedaços de Lampião”, já perto do fim. Oscar venceu na vida tornando-se sargento e depois Coletor Federal, encerrando seus dias na cidade de Toledo. O título desta crônica pertence a ele, bem como o trecho frisado que fala sobre Seu Araújo, um ferreiro santanense querido do povo e que nas horas da necessidade também fazia o papel de dentista. Da página 53 à página 56, o escritor descreve o ferreiro, dentista e contador de estórias, acusando sua morte com esse belíssimo final literário:
“O “33” formou todo alinhado e marchou para o cemitério. Os fuzis “Mauser 1895” encandeavam como espelhos com o sol do sertão. O Brigada Ribeiro puxou da espada e comandou:
─ Para funeral, preparar!... Carregar!... Apontar!... Fogo!
Os homens do Tiro de Guerra pegaram o caixão de Seu Araújo, coberto com o Pavilhão Nacional, e jogaram-no dentro da cova. Teotônia e Afonsina soluçavam em pranto. Algumas pessoas espremiam os olhos. E eu dizia comigo mesmo:
─ Lá morreu meu “Tiradentes!”
O homem era alferes da Guarda Nacional.
.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2012/07/o-meu-tiradentes.html