quinta-feira, 29 de outubro de 2009

PENHA: NEM A SANTA ESCAPA

PENHA: NEM A SANTA ESCAPA
(Clerisvaldo B. Chagas. 30.10.2009)


Na cidade do Rio de Janeiro, cada recanto é um encanto. Já falamos aqui nas variadas belezas que compõem o Rio. Não nos foi possível conhecer de perto o santuário católico, Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, conhecida como Igreja da Penha. O prédio estar situado numa grande massa de pedra aguda e isolada, no Bairro Penha. Aliás, a palavra penha, significa isso mesmo: penedo. Contam que antigamente o proprietário daquelas terras foi salvo de uma cobra ao invocar o nome de Nossa Senhora. Ali foi feita uma ermida e depois ampliada em 1728, quando colocaram um campanário com dois sinos. Na realidade, a paisagem é um verdadeiro espetáculo; entretanto, foi na voz do nordestino Luiz Gonzaga que a Penha ficou imortalizada. A letra e a música da canção de Gonzaga são um legado de admiração, vênia, fé e respeito à santa que domina o cenário carioca. Foi a partir daí que as fotos do lugar começaram a ganhar o território nacional. Aquele penhasco enorme com 382 degraus, com certeza não encontra similar no Brasil inteiro. As pessoas sobem o rochedo até de joelhos pagando promessas. A grande festa esperada acontece no mês de outubro, quando atrações diversas são oferecidas aos devotos que chegam de todos os lugares.
Atualmente a intensa guerra do tráfico, principalmente entre quadrilhas de favelas diferentes, tem profanado a belíssima relíquia brasileira. Sendo um ponto de altitude considerável, os bandidos invadem o templo católico e vão parar nas torres que observam os arredores. As ações efetivas de policiamento cidadão, já conseguiram apaziguar famosas favelas do Rio de Janeiro. Sem dúvida, vitórias importantíssimas em todos os sentidos. E se foi possível até agora essas ações, com absoluta certeza, virá à vitória total. O problema, como se sabe, não é só o tráfico e a venda de drogas, mas também a corrupção policial que destempera. Todos os setores da sociedade brasileira são atacados, inclusive as artes com os santos das igrejas e museus de peças valiosas. A movimentação constante dos marginais pelas ruas comuns ou por territórios dominados é uma ameaça constante a todas às instituições. A Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, apesar de oferecer tanta beleza em Geografia, História e Religiosidade, infelizmente não ficou isenta de ações desvairadas dos cérebros doentios. Fica assim comprometido o turismo naquela área para os que desejam contemplar de perto o monumento. O consolo é mirar as fotos que demonstram as raridades do lugar.
Pontos sagrados ou históricos em outros países, também são alvos de terroristas sob as bandeiras mais diferentes e incríveis. Isso afasta o dinheiro que entra do exterior em forma de visitas. Vários casos já foram registrados tendo como exemplos Egito e Palestina. Confiamos, contudo, que o caso do Rio de Janeiro ou mais cedo ou mais tarde, seja resolvido para que ele volte a sua plenitude. Hoje está uma “desgrama”: na PENHA NEM A SANTA ESCAPA.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/penha-nem-santa-escapa.html

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

OS CATITAS

OS CATITAS
(Clerisvaldo B. Chagas. 29.10.2009)

bastante tempo, pesquisando para o IBGE, chegamos a um povoado no Alto Sertão de Alagoas, chamado Capiá da Igrejinha. Nem sei se antes ou após a chegada, vimos um riacho correndo que era uma beleza. Tomamos um belo banho, felizes naquelas águas barrentas como os meninos da região. O povoado tinha algumas casas formando um quadrado. Entre as alas falhadas ou não, um vazio enorme. O que chamava a atenção era só uma igreja pequena e bonita, em cuja proximidade, um ou dois frades trabalhavam de enxada. No aperto da fome, paramos na única venda do povoado. O dono, um galego novo e cheio de piadas, parecia levar todo o dinheiro daqueles viventes. Para encher a barriga somente a tão conhecida pela pobreza: “pior sem ela”, enlatada e grudenta. Atacamos com firmeza os pratos com farinha e pouca coisa a mais que nos serviram com aquele tipo de merluza. Quando acabamos a refeição a coisa mais preciosa passou a ser a água, que quase não dava vencimento à salina que engolimos. Rodamos o povoado e fomos até a igreja, mas o frade ou os frades eram de pouca conversa. As lembranças não são muitas, mas parece que o povoado do Município de Canapi, Capiá da Igrejinha, funcionava como uma espécie de estágio para os religiosos. Se os frades eram calados, em compensação surgiu um homem chamado Benjamim que auxiliava por ali e tinha o apelido de Beja. Benjamim parecia ser o intelectual da localidade e nos prestou inúmeras informações. Depois o homem embocou no Velho Testamento e falava quase sem parar. Acertava, errava e prosseguia célere. Achamos interessante quando Beja começou a citar vários povos antigos caprichando na terminação: ita. Amorritas, cassitas, hititas, Catitas e outros mais, segundo ele. Nessas alturas ríamos por dentro. Afinal os catitas que conhecíamos eram os pequenos ratos domésticos Mus musculus. Mas o homem parecia ter bom conceito por ali. Ficamos “inturidos” na seriedade até chegarmos à primeira curva da estrada. Dali em diante, rimos a valer.
Muitos anos depois ouvimos alguém falar que a festa da Divina Pastora, na Igrejinha do Capiá, mandava e desmandava como a melhor da região. Foi acrescentado ainda que nem era apenas novenário como a maioria das festas de padroeiros. E sim, treze noites que reuniam gente de todo Alto Sertão de Alagoas. Deu-nos uma saudade medonha do Capiá antigo, da igrejinha, do banho no riacho e do camarada Beja. Nunca mais fomos ao Capiá, mas a vontade de revê-lo continua. Como estará agora a terra da Divina Pastora? Continuamos caminhando por cima das boas lembranças, analisando, comparando, formulando conclusões. Passaram os amorritas, os cassitas, os hititas, porém, outras criaturas do mundo continuam vivendo. Em Tóquio, em Santiago, em Paris, em Alagoas, ainda comandam grande parte da sociedade, tanto os gabirus quanto o “baixo clero” dos CATITAS.



Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/os-catitas.html

terça-feira, 27 de outubro de 2009

QUALQUER COISA SERVE

QUALQUER COISA SERVE
(Clerisvaldo B. Chagas. 27.10.2009)

Para os que ainda não se acharam

Em tempos idos, no mesmo Conjunto São João em que habitamos, sempre surgiam alguns garotos pobres. Havia uns três ou quatro irmãos pequeninos que me faziam conversar e brincar com eles. Para mim eram três puríssimas criaturinhas que, enviadas de Deus, ajudavam-me a dividir o pão. Isso fazia lembrar sempre a minha piedosa genitora, professora Helena Braga, chamada a mãe da pobreza da Rua Antonio Tavares e adjacências. Quando aquelas famintas e às vezes nuas criancinhas, chegavam à porta, pediam. Em momentos, não tínhamos o que teoricamente elas solicitavam. O maiorzinho dos irmãos, nesse caso, puxava o coro com os outros: “Qualquer coisa serve...” Há bastante tempo àqueles manos desapareceram. Na certa agora são homens que trabalham quem sabe, mesmo perto de nós. As crianças de hoje logo se transformam até por que a vida parece passar rapidamente. Mas nunca apenas ensinamos a elas e, sempre, sempre, aprendemos também.
Quando estamos caminhando na vida, principalmente nas vicissitudes, as lições são maiores do que as do outro lado da moeda. As dificuldades com certeza surgem para que possamos aperfeiçoar o aprendizado na volta ao Criador. Talvez por isso o Cristo tenha falado sobre a dificuldade de um rico entrar no reino dos céus. As lições de vida que são transformadas em sabedoria são de fato dirigidas aos mais simples que rapidamente as aprendem. E assim o homem estuda, trabalha, termina sua universidade e vai passando por diversos estágios. Uns tem sorte (sorte?) e logo se definem na lida com tudo que sonharam. Entretanto, as lições do livro da vida, não os acompanham. Com todo conforto, riqueza, cargos importantes, parecem tão broncos quantos antes. Vão longe os tempos em que nos deleitávamos com as obras de um escritor que conquistava a nossa alma: Humberto de Campos. Homem que parecia entender e transmitir com meiguice suas lições aos pequenos.
Vivemos no ocidente o tal capitalismo. Mas os defeitos de cada segmento econômico, talvez estejam na essência do próprio homem. É possível também que o sumo dos evangelhos, seja desconhecido, mesmo na maioria cristã. Não só os evangelhos, mas livros importantes do Antigo Testamento, ciências para a vida, estão em falta nas instruções cotidianas. Dizia um célebre advogado santanense que pensava saber tudo nas Artes, na História, na Geografia, no Direito... E, por uma felicidade qualquer, ao ler a Bíblia pela primeira vez, levou um choque muito grande por que descobriu que nada sabia. Teria que recomeçar do zero. E sem as ambições desmedidas; sem querer tudo que existe; sem tentar abarcar o mundo com as pernas; vamos colhendo com os simples, com os inocentes, com os verdadeiros iluminados, os emblemas invisíveis dos ensinamentos cristãos. E a humildade muitas vezes se apresenta em primeiro lugar (para os desentendidos sinais de fraqueza), fazendo lembrar as lições das doces criaturinhas que chegavam a nossa casa: “QUALQUER COISA SERVE”.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/qualquer-coisa-serve.html

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

O CÃO DO POÇO

O CÃO DO POÇO
(Clerisvaldo B. Chagas. 27.10.2009)

Entre as pessoas bastante conhecidas de Santana do Ipanema, estava o “Maneca”. Maneca era vizinho da loja de meu pai, no lado esquerdo. Depois, desceu e ficou sendo o vizinho da direita, quase defronte ao museu atual. Maneca era um comerciante que nem ria nem era sério demais. Vivia para o seu negócio, um café que também servia de bar. Raramente vi àquele homem fora do estabelecimento ou a caminho de casa. Inúmeras personalidades ficavam horas conversando diante da loja de meu pai, menos o Maneca que vivia exclusivamente para o seu trabalho. Ali era ponto de inúmeras pessoas da freguesia, lugar certo para um café ou uma cerveja em relação aos que visitavam a cidade. Certa vez eu vi o Maneca chegar à porta da loja de meu pai e parabenizá-lo pela aprovação de primeira do meu irmão mais em velho no vestibular de Medicina. Daí em diante Maneca subiu muito em meu conceito. Dizem que de vez em quando, o comerciante bebia alguma coisa. Bem, nunca notei nada nessas transições, mas dizem que ele agia diferente. Maneca já foi motivo de crônicas de outras pessoas. Vão dois exemplos inéditos: um sujeito foi comprar cigarros e ele disse que não tinha. O homem insistiu apontando os maços do produto na prateleira. Maneca fez ouvidos de mercador: “Eu já disse que não tem”. Quando um dono de farmácia sentou à mesa e pediu um bolo, Maneca trouxe o bolo inteiro, colocou-o no prato do professor Alberto Agra e retirou-se calado. Surpreso e indagando o que era aquilo, Alberto teve como rápida resposta: “o bolo que você pediu”.
Recentemente tinha havido alguns casos de assombrações na cidade vizinha de Poço das Trincheiras. Muita gente saía de Santana e da redondeza para ir testemunhar os fenômenos. Depois logo botaram o apelido das coisas de “Cão do Poço”. Lá mais na frente, Maneca arranjou um empregado para servir cafezinhos. Branco, alto, boca grande, cabelo agastado, o servente originário do Poço das Trincheiras, logo recebeu o apelido de “Cão do Poço”. Um pouco bronco, mas gente boa, servidor e bem humorado. “Cão do Poço” passou a dormir no lugar do trabalho. Sempre que o patrão fechava o café, as chaves ficavam com o empregado. Mas como foi dito, quando Maneca resolvia beber um drinque mudava alguma coisa.
O Prefeito Ulisses Silva governava Santana pela segunda vez, na primeira metade da década de 60. Uma reforma completa estava sendo feita no centro da cidade, inclusive a substituição do calçamento bruto por paralelepípedos. Defronte ao salão paroquial foi colocada uma montanha de pedras pela caçamba da prefeitura. E naquela noite, ao chegar à hora de fechar, Maneca fez ao contrário do de sempre; mandou “Cão do Poço” sair do estabelecimento, baixou a porta, passou a chave e foi saindo calado. Como o “Cão” não havia entendido, perguntou pelas chaves: “Não dou”. “E onde eu vou dormir Seu Maneca?” E o comerciante ─ economizando palavras ─ apontou o indicador para o monte de pedras, ao lado da Matriz de Senhora Santa Ana e sentenciou a cama de “Cão do Poço”: “Ali”. Coitado do “Cão”... Nem do inferno ele era. Amanheceu dormindo nas mesas de jogo do vizinho Luís Lira. Maneca, homem de bem e muito querido em Santana, também sabia indicar confortáveis camas para O CÃO DO POÇO.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/o-cao-do-poco-clerisvaldo-b.html

domingo, 25 de outubro de 2009

O COTIDIANO DA REALIDADE

O COTIDIANO DA REALIDADE
(Clerisvaldo B. Chagas. 26. 10. 2009)

Vamos acabando de chegar do Shopping por volta das 22 horas. A vizinha está na calçada em grande expectativa. Parece excitada com os últimos acontecimentos de rotina da rua. Diz simplesmente ao passarmos: “Estou aguardando a conclusão dos fatos”. Perguntamos surpresos que fatos são esses. E a gordinha explica que acabaram de matar um ladrão ali perto da praça. Mas não é possível? Esse Maceió está quase igual ao Rio de Janeiro. Já ontem mataram dois no bairro da Levada. Mas a vizinha insiste em contar a história novidade. Um ladrão havia roubado uma bicicleta, os populares não quiseram aguardar a polícia e fizeram justiça com as próprias mãos. O gatuno está sem vida lá na praça para quem quiser ver. Mas a gordinha ainda diz que chegou a segunda notícia: O roubo não teria sido de uma bicicleta, mas sim de apenas uma torneira. Para que o ladrão queria uma torneira? Ora, um objeto assim é muito útil em casa. Mas talvez tenha sido para vender e comprar drogas com o dinheiro. Hoje se rouba as coisas mais incríveis como sombrinhas, tênis, litros, latas velhas... Tudo serve para adquirir algumas pedras ou uma trouxinha de maconha. Antes de deixarmos à vizinha, ela (nem sei como) tem novas informações: a polícia acaba de chegar ao local. Nós vamos embora e, a gordinha ─ ligada à crônica policial e à rotina do bairro ─ continua à porta farejando a continuação das coisas.
E os rotineiros casos de Maceió continuam enchendo as páginas dos jornais, carbonos dos dias anteriores. É a mulher da garganta possante que passa gritando “feijão verde!” É o aguadeiro com a propaganda da água ou o insistente carrinho de DVDs piratas. Lá na grota mataram mais um. Terrível batida na Fernandes Lima. Nova greve estoura em Alagoas... E assim, sob o forte calor dos trópicos, a capital alagoana vai vivendo entre as obras do comércio e o trânsito doido que engarrafa sempre. A praça grande, outrora tão bonita, agora é dos sem-terras e de outros sem. Vez em quando uma notícia alvissareira que já nasce desconfiada. E aos domingos, praias poluídas, movimento intenso na orla distante e um comércio vazio, esquisito e assustador de tão deserto. Não, ninguém estar falando de pessimismo. Apenas sobre a rotina de uma capital com inúmeros aspectos de interior.
E’ a crônica que conta a história diária de um povo, principalmente no seu aspecto mais simples. Pinturas das ruas; quadros das praças; a “verdade” dos doutores; as “mentiras” das notícias. Muitas vezes ela é insípida como em várias ocasiões falta o sal a própria existência. E se em todas as páginas, sempre aparecem fatos novos, talvez sejam iguais aos que a vizinha tanto aguarda para quebrar O COTIDIANO DA REALIDADE.




Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/o-cotidiano-da-realidade.html

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

GENTE BOA (CONTO)

GENTE BOA(CONTO)

(Clerisvaldo B. Chagas. 22.10.2009)

Para a “Dama do Teatro Santanense” (Albertina Agra) e Nilza Marques.


Passava da meia-noite quando a rodoviária esvaziou. Era o último ônibus das trevas e eu não podia perder. Nunca ficamos à vontade em terras estranhas, pois sempre algo diferente parece nos rondar. Para quem gosta, um café; para quem fuma, cigarro. Uma saudade no peito, um amor virtual. Raras pernas passantes pelos corredores longos. Um guarda que namora; um vigia sonolento; estrato de névoa lenta que abraça à rua, que beija a madrugada, que se chega ao de fora. Cochila na porta a cadela branca. E um homem feio do chapéu redondo aperta os passos.


Meu andar parece torto como personagem da “Noite” de Érico Veríssimo. Quero fumar, mas nem fumo. Relanceio a noite preguiçosa, com seus pontos brancos, navegando na branca névoa. Já vou procurando alívio no mictório adormecido. Ali tem um homem, é o dono da roleta que nem abre a boca. Minha perna bate e vence a resistência da roleta solta. Por que está ali uma roleta solta? O baque violento no chão rodoviário parece um grande escândalo que ressoa longe, ecoa além dos corredores vazios. Aguardo a chuva de grosserias, de palavrões, de indecências que certamente serão recrutados. E olho para trás, naquela terra estranha. Pareço levar nos lábios um pedido retinto e amaciado das mais aconchegantes desculpas. A criatura - o dono da roleta que nem era dono - nem meu semblante olha. Retorce o braço e colhe a mão no quadril, quando cita educadamente como um ser divino: “Nem ligue!” Não vi mulher, não vi homem, não vi gay. Vi uma pessoa que me deixou muito feliz, aliviando uma tensão, para mim enorme, em terras alheias. Fui impressionado ao mictório. Na volta agradeci à gentileza, saí nos passos tortos da novela. Percorri sozinho o corredor solitário. A pessoa ficou lá, cumprindo o seu dever àquela hora com todo bom humor e educação que Deus lhe deu. Deixei à luz, fui ver à noite de perto. Furar a escuridão, a névoa, o destino... Aguardando máquina enorme de carregar gente. E chegou uma quentura muito agradável. A porta abriu e eu embarquei impressionado. Quando as duas estrelas de baixo vararam o breu de Garanhuns, tive a certeza de que se o Eterno semeou coisas ruins, também deixou no mundo muita GENTE BOA.


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/normal-0-21-false-false-false-pt-br-x.html

terça-feira, 20 de outubro de 2009

OS SAFADOS

OS SAFADOS

(Clerisvaldo B. Chagas. 21.10.2009)

Com o passar do tempo, muitos que fazem da política continuam apostando no leitor Mané. O analfabeto, o sem entendimento, o desmemoriado, o burro mesmo. Mas eles, os políticos, apostam que a nossa democracia já é bastante sólida e não há perigo algum de voltar aos tempos dos ditadores militares. Homens e mulheres que vieram de uma linhagem nova de lideranças, após os anos de chumbo, ganharam a confiança cega dos eleitores cansados de tantas imundícies. Hoje são esses mesmos, essas mesmas, que entram de peito aberto nos entendimentos das falcatruas, numa tentativa desesperada de não mais saírem do poder. É uma nova camarilha nojenta que desonra qualquer eleitor ou país sério do mundo. Tanto faz dizer que tudo começa de baixo para cima como de cima para baixo. Ficamos estarrecidos, decepcionados e incrédulos vendo o seriado da safadeza dos cupins dos poderes públicos. São os personagens municipais, estaduais e federais, que se fossem na Cuba de antigamente já estariam todos no El paredon. Não desejamos de forma alguma os tempos da farda de 64. Mas ficamos sem entender o silêncio das forças armadas, diante de tanta infâmia no cenário cafajeste da bandidagem do colarinho branco. Se formos citar os safados que perderam o nosso respeito, seria uma longa lista, que vai de candidato a prefeito, a governador, a presidente, a deputado e por aí afora. Quando não são as tramas escandalosas que atentam contra o cidadão tipo precatório, são manobras escabrosas e palavras de estábulos semelhantes a do eterno maloqueiro Maradona. Antigamente pelo menos havia ainda alguma camada de pau, hoje, mas nem isso; substituíram a camada pelo cara-de-pau. Até um metido a muito sério de Brasília desfila de cueca vermelha querendo ser rapazinho e engraçado. Vivemos no Brasil, no palco dos atores intocáveis, as comédias “bufonas”, as chanchadas de Zé Trindad, as porcarias das bocas de famosos apresentadores de televisão. Além das coisas boas, vivemos também no país do cocô, onde não se respeita mais ninguém.
Em 2010 não vai aparecer nenhuma novidade. São os mesmos. País, do município ao todo, os mesmo caras, as mesmas caras, os mesmos discursos, os mesmos truques, as mesmas pancadas. Ai do honesto e novato que for se meter no balaio de gatos! Não dá mais para aguentar esse território repleto de tantos canalhas que apontam com os dedos imundos para os drogados, os assaltantes comuns, os pedófilos ou os ladrões de galinhas. Entendemos porque muitos jornalistas de verdade e de vergonha, cansam e se calam, porque não encontram mais ecos em suas palavras vigorosas. E o império brasileiro vai virando império romano, na corrupção generalizada, no dinheiro, na boca porca, no roubo dos inocentes, nas cuecas podres de dólares e de sujeira, no mensalinho, no mensalão, no boizinho, no castelo, na empreiteira, na taturana... No avacalhamento. E o pau forte da gota serena, madeira de dá em doido, vai quebrando nas costas maleáveis do funcionário público, da pobreza brasileira. Vivemos a geração perversa dos homens do colarinho branco. A geração dos SAFADOS.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/os-safados.html

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

TEMA EM MARTELO AGALOPADO

TEMA EM MARTELO AGALOPADO

(Clerisvaldo B. Chagas. 20.10.2009)


Um beijo escondido e matador

Faz o mole virar-se em Lampião


Quando o homem é maluco pela dona

Quando a dona é mais doida pelo tal

Sobe um fogo por dentro do canal

Rompe amor à paixão que tudo abona

O recato dos peitos é quem detona

Abre as asas no tiro campeão

Junta à língua o fator da gustação

Vibra o sangue escoiceia o domador

Um beijo escondido e matador

Faz o mole virar-se em Lampião


No silêncio do velho apartamento

O corpanzil revive a geringonça

Na floresta a gostosa vira onça

Nas carícias do homem mais sedento

Na soleira, na neve ou ao relento

Não há força que dome uma paixão

As correntes que prendem o coração

Jogam longe a ferrugem feia cor

Um beijo escondido e matador

Faz o mole virar-se em Lampião


No calor da saga nordestina

Os lábios são da cor de melancia

Se carnudos são fontes de poesia

Assassinos desenhos de uma sina

São armas infalíveis de menina

Molhadas das fontes do sertão

Se o poeta sofrer dessa paixão

Como eu que não fico sem amor

Um beijo escondido e matador

Faz o mole virar-se em Lampião


Os mais brancos lençóis em desalinhos

E um vulcão por dentro da ternura

Na voz embargada, uma tontura

Aromas de taças e de vinhos

Cerejas, batons, choros de pinhos

Violetas no jarro de latão

Suspiros de ais em gratidão

Muitas veias rotundas de calor

Um beijo escondido e matador

Faz o mole virar-se em Lampião


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/tema-em-martelo-agalopado-clerisvaldo-b.html

domingo, 18 de outubro de 2009

FRUTA MADURA E LULA

FRUTA MADURA E LULA
(Clerisvaldo B. Chagas. 19.10.2009)

Laranja madura na beira da estrada, ou estar bichada, Zé, ou tem maribon-do no pé”. É assim que o povo fala e canta quando vê muita facilidade. So-mente quem não acompanha as transformações do mundo segue a vida paca-ta da cidade pequena. Sequer vê o tempo passar. As transformações que ocor-reram no mundo após a queda do muro de Berlim, nunca mais pararam e nem vai parar tão cedo. O bipolarismo deu lugar ao dono do mundo, o império ame-ricano, comprador de todas as bodegas do planeta. Foi preciso aparecer essa tal crise para que o gigante sedento parasse um pouco a sua investida e con-templasse por aí os estragos das besteiras. Obama veio sim como uma grande esperança, não só americana, mas planetária. Entretanto, parece que o ho-mem tão esperado ainda não se reencontrou totalmente, talvez, devido às po-derosas pressões das velhas hierarquias bestas do seu próprio país. Todas as nações invadidas pelos americanos sofrem o impacto, mas depois reagem e tornam-se invencíveis. Já discutíamos isso quando adolescentes: Entrar é fácil, difícil é sair. Quantos americanos já morreram no Vietnam, no Iraque, no Afe-ganistão? Em nenhum ganhou a guerra. É por isso que Obama ou volta ao passado para seguir a trilha de sangue de Bush, ou luta contra os poderosos do seu país, fazedores de guerra. Está o presidente tão preocupado com a sua própria imagem, que parece não ver a queda de outros muros como o seu próprio império, a moral da OEA, da ONU e do G7.
Foi por isso que o presidente Luís Inácio disse que a ONU é uma fruta ma-dura. Amadureceu, passou do ponto e cairá, como caiu o G7. Porque não tem mais moral para ordenar coisa alguma, já que a Águia americana é na verdade a própria ONU. Os Estados Unidos fazem o que querem, tem a ONU apenas para oficializar as suas vontades. É por isso que ainda reluta em ampliar e forti-ficar o Conselho, velho, podre, carcomido do tempo da II Guerra Mundial. Co-mo todos os outros países querem, ou a ONU entra em reforma ou muita coisa feia ainda vai acontecer. Esse negócio de conselho rotativo é coisa para boi dormir. Ou Conselho Permanente ou nada. Eles, os do Norte, ainda não abri-ram os olhos. O mundo com um Brasil forte, a Índia e a China, no primeiro pa-tamar, tudo muda. Não adianta americano espernear. Todos os impérios caí-ram como já foi dito aqui. Mais um é questão de tempo. Quando o Lula, esta-dista ou não, diz que a fruta está madura, pelo menos é o primeiro homem do mundo a reunir coragem para afirmar isso. Ele vê como eu vejo como os que não são cegos veem. O mundo não é mais o mesmo, uma nova ordem está sendo construída, mas tem certas arrogâncias que são tão comodistas que não enxergam o óbvio. Estão nos tronos de marfim cercados de teias de aranhas que impedem à luz solar. Mais uma vez o presidente brasileiro sai à frente nu-ma afirmação planetária de tão grande importância. A OEA E A ONU passaram a ser laranja de beira de estrada. É aprendendo na agricultura e na política A FRUTA MADURA E LULA.

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/fruta-madura-e-lula.html

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

CACHAÇA NO QUENGO

CACHAÇA NO QUENGO

(Clerisvaldo B. Chagas. 16.10.2009)

Para os professores apologistas do folclore nordestino: Valter Alves, Fábio Campos mais João de Oniel e Cecéu.

Entre os folguedos do estado alagoano, avulta-se o Guerreiro. Dependendo de inúmeras coisas, cada grupo pode variar entre 25 e 64 figurantes. O Guerreiro, com roupas vermelhas e azuis entre fitas coloridas, chapéus e espelhos, comemora o nascimento do Cristo, daí o surgimento quase sempre em época natalina. Alguns pesquisadores atribuem à origem do Guerreiro, vinda de uma dissidência do Reisado, sendo mais leve e ocupando menos pessoas. Esse folguedo teria aparecido entre as décadas de 20 e 30 do século passado. Chamam a atenção no Guerreiro, o colorido das suas vestes, as belas mocinhas que são chamadas “figuras”, o ritmo agradável, os improvisos do Mestre, também chamados de “embaixadas” e as brincadeiras dos Mateus. De qualquer forma, não cabem neste trabalho os detalhes sobre esse maravilhoso folguedo. Queremos chamar atenção apenas para a beleza dos versos de mestres talentosos. Muitos poetas célebres de Reisados e Guerreiros ainda continuam imortais em Alagoas. Algumas estrofes tornaram-se clássicas alagoanas como as seguintes:

“Ô minha gente...

Dinheiro só de papé

Carinho só de mulé

Capitá só Maceió...”

“Se eu me casar

Com mulé feia demais

O diabo é quem não faz

Todo dia ela chorar...”

Lembro da Expedita, mulherona branca e formosa chegada ao Guerreiro; era empregada na casa de meu pai. (Por onde andará a Expedita?). Gostava de cantar para mim no balançar da rede (inclusive, a estrofe abaixo foi parar em um dos meus romances):

“O avião subiu

Se alevantou

No ar

se peneirou

Pegou fogo e levou fim...”

Pois bem, deixando tantos versos bonitos de lado, resolvemos contar um caso de Guerreiro que se passou na zona rural de Penedo, segundo o subtenente Eurípedes (In memoriam). Convidado para brincar no aniversário de um fazendeiro, o grupo folclórico apresentou-se e começou a dançar até a meia-noite. O mestre era bom, tirava versos a valer e, as figuras faziam sucesso absoluto. Mas acontece que ninguém é de ferro e o mestre do guerreiro já começava a enrolar a língua pela força da “marvada”. Foi aí que alguém interferiu, dizendo ao mestre que ele já havia falado em tudo menos elogiado o dono da casa e a sua senhora. O mestre, surpreendido, arregalou os olhos e perguntou o nome do fazendeiro: “Seu Artur”. E o da dona da casa: “Dona Enedina”. E o nome da fazenda: “fazenda Urucu”. O mestre não se fez de rogado e bem que tentou uma quadrinha, mas se engrolou todo no nome da fazenda de rima parecida:

“Ô Seu Artur...

Ô dona Enedina...

Ô peça fina

Na fazenda deram o c...

Depois de a capangada quebrar tudo no cacete, dizem que o mestre do guerreiro ainda hoje corre. Alguém perguntou o que era aquilo. Outro respondeu cuspindo longe: CACHAÇA NO QUENGO!


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/cachaca-no-quengo.html

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

DUNGA E FREI FARRAPO

DUNGA E FREI FARRAPO
(Clerisvaldo B. Chagas. 15.10.2009)

Quando nos anos 50 dois times competiam nas areias grossas do rio Ipanema, estava tudo embolado. No desenrolar do jogo foi chegando dois caçadores com roupas de caça, isto é, completamente em molambos. Um deles, chamado Geraldo, espingarda à mão, foi logo indagando pelos nomes dos times. Um gaiato que acompanhava o jogo, vulgo Neném, respondeu dizendo com a situação de miséria daqueles trajes: “Olá, Frei Farrapo! Estão jogando “Fofa Bosta” e “Peido Azul”.
Temos um respeito quase patriótico pela seleção brasileira de futebol. Admirador e adepto do sucesso de Dunga, sempre acompanhamos todos os jogos da seleção. Depois de um belo trabalho, lutando até contra o descrédito, o treinador brasileiro classificou e distribuiu imensas alegrias e esperanças para o povo. Acontece que depois de nos acostumar com fraque e cartola, é como se tivesse tido um acesso de desprezo pela seleção que dirige. Todos que vão jogar nas alturas de mais de três mil metros, chegam uma semana antes ou mais. A seleção do Dunga passou o tempo todo na mordomia de granja brasileira, deixando para a última hora do jogo, à subida para os Andes. Seleção para brasileiro é coisa séria. É muito dinheiro e orgulho do povo do Brasil em jogo. Dunga comportou-se como qualquer sem levar em conta nada, como se dissesse que todos perdoariam a sua excentricidade. Foi lá em cima, jogou feio e apanhou bonito. Para homenagear a sua pele por ter classificado a seleção, foi um silêncio total como se no Brasil todos estivessem em porre etílico. Uma vergonha! Não satisfeito com a palhaçada, ainda ficou denegrindo a imagem do árbitro, numa atitude mais vergonhosa ainda (Nem todos estavam bêbados diante da telinha). Foi às alturas sem fraque e sem cartola, só de bermuda de fundilhos rasgados.
Ontem à noite o novo poderoso Dunga, novamente amparado pela classificação antecipada para a copa, fez pior ainda. E não adianta as opiniões contrárias dos grandes do microfone. Ninguém é doido nem cego. Não queremos apenas classificação. Queremos vitórias, vitórias e vitórias, porque temos condições de vitórias. Porque futebol é nossa paixão. Porque o povo paga. Porque a despesa é enorme. Porque o Brasil tem um nome a zelar. Porque não admitimos brincadeiras com coisas sérias. O vexame de Campo Grande, com a pior seleção da América do Sul, foi outra retumbante vergonha nacional. Não sou de andar comentando resultado de time nenhum, mas como brasileiro com direito a berrar e espernear eu tenho. Deus queira que essas duas bermudas rasgadas nos fundilhos não sejam o início do contrário do trabalho brilhante que vinha sendo feito antes. Foi uma verdadeira chacota ao povo brasileiro e, quem não concordar, tem todo direito de pensar ao contrário. Nesses dois jogos finais, nada faltou. Nem os louros da infelicidade em DUNGA E FREI FARRAPO ( o torcedor brasileiro)

Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/dunga-e-frei-farrapo.html

AGRADECIMENTOS AINDA QUE TARDIOS

AGRADECIMENTOS AINDA QUE TARDIOS

(Clerisvaldo B. Chagas. 14.9.2009)

Meus caros amigos leitores, ainda tenho muito que aprender nos truques intermináveis do computador. Portanto isso é um formal pedido de desculpas aos que com tanta boa vontade, enviaram mensagens para o meu Blog, alguns desde 2008. Mas assim que comecei a entender essa parte do brinquedo, tratei imediatamente de responder. Não quis enviar meus agradecimentos por outros meios e preferi a crônica direta. Ninguém mais ficará sem resposta, prometo.

Clóvis – da cidade de Franca, a gigante dos calçados, mais de um ano sem lhe responder, amigo. Não lhe posso falar muito agora, pois não sei da sua atual trajetória pelo Brasil. Tínhamos muito que conversar. Espero que você tenha alcançado todos os objetivos nas suas sonhadas viagens. Felicidades e abraços;

Carlos Malta – meu ex-aluno, também sua mensagem está aqui há mais de um ano. Que coisa! Faz tempo, Carlos, que não publico nenhum livro. Nada tenho mais em casa. Eles estão em diversas bibliotecas públicas do país, nos sebos e em mãos de particulares. Estou com cinco livros inéditos para publicar... Deus é pai, não é padrasto. Aguardemos. Deus ilumine seus caminhos, amigo e ex-aluno.

Lourival Paraibano – meu cunhado e velho militante do PT, companheiro de Lula e candidato a vereador na baixada santista. Obrigado pela suas palavras de eterno otimismo, professor. Você é uma pessoa carismática e da preferência do Alto. Ah se toda a humanidade tivesse o seu coração! Abraço forte.

Sérgio Campos – Tão perto e tão longe, hem Sérgio! Graças pelas suas belas palavras. O reconhecimento — que você colocou entre parentes — nunca me abandonou. Sem fanatismo, foi o Sagrado Coração quem me deu o dom da escrita, escrevo para Ele, para agradar a Ele. Quando o Uirapuru, o maior dos cantores da floresta, elogiou o meu trinado, por que devo preocupar-me com pensamentos de anum? Ah, meu amigo Sérgio Campos, se eles (os do reconhecimento), conhecessem apenas um milímetro da doutrina Kardecista! Estou às ordens. Quanto ao link, fique à vontade, é um prazer. Meus agradecimentos.

Fernando Campos – Lembro bem, meu amigo, éramos três. Eu, você e o saudoso José Lima, que partiu tragicamente. Nossas reuniões constantes na esquina do Hotel Central, em Santana do Ipanema, esquina essa a qual dei o nome de “esquina do pecado”. Ali falávamos de tudo sobre Santana e sobre todos os grandes acontecimentos do mundo. As mulheres que passavam por ali para a missa da Matriz de Senhora Santa Ana, já estavam constrangidas. Até mesmo um delegado andou ameaçando acabar com a esquina cultural. Tínhamos entre 15 e 17 anos. Hoje vivemos em latitudes diferentes, escrevendo o que se quer. Depois falaremos sobre os nossos conteúdos. Obrigado pela lembrança e pela atenção. O Blog continua dos amigos. E eu quero muito mais amigos ainda.

Andréia – Cara poetisa vampira. Obrigado pela generosidade das suas palavras. Sobre Tarde Fria, é uma das minhas crônicas prediletas. Sujeito formidável e peculiar é pena você não o ter conhecido. Gostava muito de cantar a música “Tarde Fria”, se não me engano, de Caubi Peixoto. Estou querendo alguém que tenha essa letra para me presentear. Enche muito meu coração de melancolia. Beijos e abraços.

DAUDET BANDEIRA – Muito me honrou, surpreendeu e emocionou o meu coração, a sua mensagem. Você é um dos príncipes dos poetas nordestinos. Repentista, compositor, cancioneiro, elegante e nobre. Faz parte dos monstros sagrados irmãos Bandeiras, do Juazeiro do Norte. Tenho na mente de mais de 20 anos atrás, o lirismo da sua verve:

“Águas de bonitas cores

Com seus profundos rumores

Me digam de onde é que vem...”

Abraços, à família, a Geraldo Amâncio e a Vanildo Vila Nova. Puxa como foi bom saber notícia suas!

Em breve estarei respondendo a Fábio Campos.

Novo endereço de blog: http://clerisvaldobchagas.blogspot.com


Link para essa postagem
http://clerisvaldobchagas.blogspot.com.br/2009/10/agradecimentos-ainda-que-tardios.html